Meus Sermões

O BEZERRO GORDO III
Lucas 15.11-22

 

Introdução

Quebra-gelo

Graça e Paz! Você se esforçou e veio para este culto. Que bom que você veio!

E você trouxe a Bíblia? Deixe que eu veja, levante a sua Bíblia lá em cima. Maravilha!

 

Você sabe que hoje a Bíblia está em vários formatos. Então, não é nada estranho se alguém levantar o celular, o aparelhinho de MP3, o Pen Drive... porque a Bíblia está sendo produzida em proporções gigantescas... é o livro mais vendido do ano, a cada ano! A terra está se enchendo do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar!

 

E nesta noite a Palavra de Deus vai encher o seu coração também! Você vai ouvir a voz de Deus e vai ser ajudado!

 

Veja o que está escrito aqui.

 

Você prestou atenção nesse último verso (v.32)? Você ouviu isso? “...era preciso fazer esta festa para mostrar a nossa alegria”.

Você crê que esta é a Palavra de Deus, bendita e poderosa? Você crê nesta Palavra? ...então, desocupe as suas mãos, põe a Bíblia sobre o seu colo, e vamos dar a melhor salva de palmas à Palavra de Deus.

 

Isso! E enquanto você aplaude abre a sua boca e dê glória a Deus. Diga “glória a Deus!” Aleluia!

 

Oração

Oh! Senhor Deus, receba estas palmas, receba estes aplausos. É o povo que chama pelo Seu nome que está glorificando. Oh! Deus, que o Espírito Santo venha e ministre a Sua Palavra, unja os meus lábios agora e fale a cada pessoa que está ouvindo. Em nome de Jesus. Amém.

 

Gancho

Imagine que uma festa vai ser dada amanhã à noite e o dono da festa, uma pessoa educadíssima e de muito bom senso, preparou os convites e escreveu  assim: “Você que abandonou seu pai, você que saiu de casa e se prostituiu, você que desperdiçou todo o dinheiro com noitadas, jogo, drogas, farras, você que se veste com roupas sujas, que anda desalinhado e mau cheiroso (por falta de banho mesmo): sinta-se convidado para uma festa em minha casa!” O que você acharia disso?

Hoje você vai descobrir que Deus dá uma festa e que a festa que Deus dá é somente para aqueles que realmente merecem.

 

Idéia Central

Essa história contém uma grande verdade: aqueles que acham (ou achamos) não merecer nada, são justamente os que merecem a festa que Deus manda celebrar.

 

Frase de Efeito

São os que não merecem, os verdadeiros merecedores![2]

 

Pergunta de Ligação

O que a história contada por Jesus ensina a esse respeito?

Frase de Transição

Jesus mostra que a festa, com churrasco de bezerro gordo, provoca duas reações que confirmam ser aqueles que acham não merecer nada, os que realmente merecem! A primeira reação que destaco é a de:[3]

 

REVOLTA E TRISTEZA

É a reação que teve o filho mais velho. Aconteceu com ele e o ruim é que às vezes nós agimos exatamente assim.

O filho mais velho daquele pai ficou zangado. Ele não entendeu a alegria, não entendeu o motivo da festa. Ele tinha uma outra maneira de ver como as coisas deviam ser feitas. Então ele estranhou o que estava acontecendo dentro da fazenda.

 

E o que estava acontecendo? ...ah! o empregado explicou (v.27): “O seu irmão voltou pra casa, vivo, com saúde e seu pai mandou matar o bezerro gordo".

 

Dentro da fazenda acontecia uma festança, com música, danças e churrasco... mas, para ele, aquele seu irmão não merecia nada; principalmente, o bezerro gordo!

 

Na opinião desse filho mais velho, o merecedor era ele!

Ele, porque se achava certinho... que cumpria as regras, que guardava os mandamentos, que fazia tudo direito!

 

Ele se achava... achava que nunca havia se desviado, que nunca havia saído da graça. Então, no dia que se matasse o bezerro gordo, que fosse pra ele. Porque esse filho mais velho pensava: “eu mereço!”

 

Essa atitude é igual a de muitas pessoas hoje em dia.

Há quem se julga perfeito, melhor que os outros, mais digno, mais direito... tudo bem em ser uma pessoa correta, que anda direito, que está dentro da fazenda (dentro da igreja!), mas nós nunca devemos confiar nas nossas melhores coisas para dizer, perante Deus: “eu mereço!”.

 

É por isso que Jesus contava essa história para aquela gente que era religiosa, mas que não tinha o coração comprometido com Deus, que não tinha intimidade com Deus.

 

Aliás, se você olhar com atenção, vai ver que não havia intimidade daquele filho mais velho com o seu próprio pai, porque o pai chegou ao ponto de olhar pra ele e dizer: "meu filho, tudo que é meu é seu!" Mas ele não sabia, "estava por fora" e no, entanto, se achando merecedor de muito mais honra do que o seu irmão; e ele ficou tão zangado que não quis entrar para a festa.

 

Isso se parece com aquela situação que acontece de vez em quando numa turma de jovens e adolescentes. Eu já vi isto acontecer. O pessoal reúne um grupinho e diz: "Vamos fazer uma festa surpresa pra nossa amiga Pat!” Pat é Patrícia! Aí, vão pra casa dela e você não foi avisado, não sabe da festa... mas, por coincidência, você resolve, exatamente na hora da festa surpresa, ir na casa da Patrícia. Você chega e encontra a turma toda fazendo festa com ela e então fica muito chateado porque não foi chamado. A turma, meio sem jeito, convida você pra entrar e participar e você diz: "Não, eu só estava de passagem pra falar um pouco com a Pat, mas se ela está ocupada, deixa... pode deixar... volto outra hora...". Não é assim que reagimos? Não queremos entrar, ficamos zangados.

 

Foi mais ou menos assim que aconteceu com o filho mais velho.

Ele ficou chateado, não quis entrar pra festa porque chegou tarde em casa. Não que estivesse fazendo coisas erradas, estava até fazendo a coisa certa, estava trabalhando!

 

Mas ficou zangado quando soube que o pai matou o bezerro gordo... logo aquele bezerro que todo dia, quando ele passava pelo curral[4], olhava pra ele e dizia: "Hummm! Esse bezerro ainda vai me dar um bom churrasco"!

 

E agora ele sabe que o pai matou o bezerro, e não era para ele que fazia tudo certinho, que era um crente jóia, que cumpria todos os seus deveres, que era até dizimista fiel, que não faltava ao encontro da célula, que inclusive trabalhava duro no campo... e o pai não deu nem um cabritinho pra ele.

 

Às vezes, nós crentes, temos essa sensação na vida: parece que aquele irmãozinho lá, que não tinha direito nenhum, é recebido com uma festa na igreja!

Sabe aquele tipo de comportamento do crente que diz: "pois é, tô aqui há 20 anos nessa igreja, nunca fizeram uma surpresinha no meu aniversário, e fulano... fulano chegou ontem aqui e todo mundo tá lá, bajulando ele, na casa dele, só porque é aniversário dele".

 

Aquele crente que vive reclamando a respeito do irmão que chegou na célula há pouco tempo e já está estudando pra líder e ele que está ali, já na terceira pra quarta geração de célula, e diz; “prá mim ês num dão oportunidade!”

 

Essa é a atitude do irmão mais velho aqui da história. Fica lá reclamando do lado de fora, dizendo que não vai participar da festa por isso e por aquilo!

 

Sabe, o bezerro gordo trouxe revolta ao coração dele. [5]

Mas o que é que provocou essa reação? ...ah! foi aquela atitude que ele tem do “eu mereço!”

 

Quando começamos a agir dessa forma é porque estamos tendo a mesma atitude daquele filho, e o problema disso, é que quando nos julgamos merecedores, privamos a nós mesmos da festa e encontramos revolta e tristeza.

 

Quando fazemos as coisas por vaidade, buscando glória para nós mesmos, nos achando e esperando agradecimento, corremos o risco de ficarmos chateados se o reconhecimento não vem.

 

Irmão, quando fizermos algo na igreja, na célula, ou no Reino de Deus, vamos fazer para servir a Deus e não para exaltar o nosso ego.  Amém?

Ao fazer alguma coisa: uma dança, cantar, tocar ou fazer uma pregação, seja o que for, ou participar de alguma coisa que se destaca, se você fica esperando que alguém chegue depois e lhe diga: "Parabéns, gostei de ver!" Cuidado! Porque se ninguém lhe falar isso, você vai ficar zangado, vai pensar que não agradou, que ninguém reconhece seu trabalho na igreja, vai se sentir injustiçado, vai fazer bico: "Hummm! Trabalho feito um doido nessa igreja e nunca o pastô ou quem quer que seja chegou pra mim e disse parabéns, pelo seu trabalho... Ês são tudo ingrato!"

 

Você quer provocar a sua própria revolta e tristeza? ...basta agir assim, se achar sempre merecedor!

 

Mas está escrito na Palavra de Deus[6] que, se você fizer diferente, se humilhar perante o Senhor, Ele é quem vai te exaltar (Tg 4.10)! E aí, ao invés de ficar reclamando do lado de fora, cheio de revolta e tristeza, você vai ter alegria, meu irmão... vai saber da festa e vai querer entrar e vai comer do bezerro gordo! Aleluia!!!

 

Alguém aqui pode estar pensando: É, mas todo ser humano tem necessidade de reconhecimento!

Sim, é fato, nós gostamos de ter reconhecimento daquilo que fazemos. Não estou dizendo que nenhum de nós não goste e não mereça elogios e agradecimentos, mas eu não posso fazer as coisas do Reino de Deus esperando agradecimento humano.

 

Não posso fazer as coisas esperando que alguém me elogie. Quando faço alguma coisa na igreja ou onde quer que seja, e estou achando que estou fazendo para Deus, mas lá no íntimo do meu coração faço para que eu seja reconhecido, ah! aí eu corro o risco de ficar chateado e de perder a festa se ninguém me reconhecer... por que estou agindo com o mesmo sentimento do irmão mais velho: o sentimento de ser merecedor.

 

E esse é um sentimento muito perigoso, porque massageia o nosso ego, o nosso eu, que se recusa a admitir uma grande verdade: a verdade de que somos pecadores sem merecimento algum diante de Deus.

Nós todos, por causa do pecado, perdemos todo o direito diante de Deus e, portanto, nosso único merecimento é o castigo eterno, é a perdição eterna, é a condenação ao inferno.

 

Entenda isso: se Deus age conosco com bondade, isso é um ato espontâneo da vontade dEle - não é porque fizemos por merecer...

 

Nós desobedecemos a Deus em tantas coisas e, no entanto, Deus deu o Seu Filho Jesus Cristo, para morrer na cruz[7] e sofrer o castigo por nós. Cristo sofreu o nosso castigo e nos livrou da condenação! Fizemos por merecer? Não!

Num dos lados da cruz de Cristo estava também crucificado um homem malfeitor, um criminoso, que disse pra Jesus: “Senhor, lembra-te de mim, quando entrares no teu Reino” (Lc 23.42). E Jesus respondeu: “Eu afirmo a você... hoje você estará comigo no paraíso”. O criminoso havia feito por merecer? Não!

 

Mas Deus, num ato espontâneo da Sua vontade, sem levar em conta os crimes, os pecados, a vida mal vivida, Deus olhou pra ele e disse: “O diabo acha que você não é merecedor, os seus companheiros também pensam que você não é merecedor...e você mesmo pode achar que não é merecedor... mas Eu, porém, digo: hoje mesmo você estará comigo, po rque? ...o Meu Cristo te fez merecedor!” Aleluia!!!

 

São os que não merecem, os verdadeiros merecedores![8]

 

Mas o filho mais velho aqui é aquele tipo que se julga merecedor... porque é bom nisso, bom naquilo... ele acha que independente de Cristo, ele é merecedor.

Que pena, por confiar em si mesmo, perdeu a festa... ficou revoltado e triste.

 

Você vai querer terminar a vida assim?

 

Uma outra atitude que vejo nesse filho, é que ele não sabe perdoar.

Quando ele estava lá, irritado, discutindo a razão do pai matar o bezerro gordo, ele olhou para o pai e disse: - "Este seu filho gastou toda a sua fazenda".

 

Olha só! Quando nós temos alguma coisa contra alguém, a nossa tendência é aumentar, e sabe em quantos por cento o irmão mais velho aumentou sua indignação contra o irmão mais novo? ...em duzentos por cento! Ele falou pro pai: "Sabe o que ele fez? Ele gastou toda a sua fazenda".

 

Mentira... o irmão havia gastado uma parte só! Na história que Jesus conta, lemos no v.12, que o pai pegou a fazenda e repartiu entre os dois, uma parte para cada um!

 

O irmão mais novo gastou só uma parte (a dele!), mas o irmão mais velho disse (v.30): "Pai, esse seu filho desperdiçou tudo o que era do senhor”...e ele disse mais: “gastando dinheiro com prostitutas".

Agora, como é que ele sabia disso? Ele não estava lá pra ver! Ah! Está vendo? Ele aumentou a sua acusação contra o irmão.

 

É o que acontece: quando estamos com alguma coisa contra o nosso irmãozinho, sempre aumentamos, quando não aumentamos muito (como fez aqui), exageramos em nossa acusação e não queremos perdoar.

Eu aprendi uma historinha sobre perdoar e não esquecer, ou não querer perdoar. É a história de Joãozinho e Mariazinha: A mãe tinha o hábito de levar os dois para o quarto na hora de dormir, e então fez isso com a Mariazinha. Eles tinham brigado muito naquele dia. A mãe orou com Mariazinha no quarto dela, depois foi ao quarto de Joãozinho e antes de orar com ele, a mãe disse: “Joãozinho, antes de eu orar com você, quero que vá perdoar sua irmã!” “De jeito nenhum! Não vô, não!” “Mas, Joãozinho, você precisa perdoar sua irmã”. “Não vô. Não vô perdoar. Não vô, não vô, não vô!” Foi aquela teimosia. A mãe já não tinha mais como convencer Joãozinho a perdoar Mariazinha. Então, na unção de Deus, a mãe virou pro Joãozinho e disse: “Você já pensou se a sua irmã morrer hoje à noite sem o seu perdão?” E ele arregalou os olhos para a mãe e disse: “É verdade, mãe?” Ela afirmou: “Sim, mas já pensou se ela morre sem você perdoá-Ia?” Então diz a história que Joãozinho parou, pensou e disse: “Está bem mamãe, vou perdoar Mariazinha. Mas se ela não morrer, amanhã ela me paga!”

 

Isso não é perdão. Talvez você já tenha ouvido uma pessoa dizer pra outra: "olha eu perdôo você, mas só desta vez viu? Eu perdôo, mas não me apronte outra". Isso não é perdão.

 

O irmão mais velho não perdoava, por isso se zangou, fechou a cara... Quando achamos que somos merecedores, também deixamos de perdoar, ficamos zangados e perdemos a festa que Deus dá para aqueles que achamos que não merecem, porque o que conta não é o nosso ponto-de-vista – é o de Deus!

 

E para Deus, amado, são os que não merecem, os verdadeiros merecedores!

 

Vamos trocar o nosso ponto-de-vista pelo ponto-de-vista de Deus? Vai ser bem melhor, heim!

 

...agora, a segunda reação que observo nessa história é a da:[9]

ALEGRIA

Por causa do bezerro gordo, tem uma alegria no coração do irmão mais novo que não havia no coração do mais velho.

Posso imaginar o filho mais novo que estava lá passando uma fome terrível, quase morrendo de fome, tentando comer comida de porco...

 

E agora, voltando pra casa, recebe o beijo do pai, recebe o abraço do pai... de volta, ele pode tomar aquele banho gostoso, pode passar aquele perfume cheiroso da Natura, Racco, Inspiração (sei lá qual era a preferência dele...), pode vestir roupa limpa! E ainda ouve o pai dizer: "matem o bezerro gordo, vamos fazer churrasco!"

 

E aí, ele vai comer aquele churrasco... e como você acha que ele se sente? Triste? De modo nenhum! Ele está é cheio de alegria!

 

Você já viu alguém triste em churrasco?[10] Já viu alguém chorando e dizer: "Humm... Essa picanha é tão gostosa!" Você já viu alguém no churrasco falar: "Que coisa mais chata, ter que comer filé"! Nós não vemos gente triste em churrasco. Vemos gente triste no velório, no churrasco não!

Churrasco é lugar de festa, lugar de alegria e foi por isso que Jesus colocou churrasco de bezerro gordo nessa história – havia alegria no coração do pai pelo filho que estava de volta. E, tenha certeza, aquele filho também estava alegre junto com o pai, novamente.

 

Agora, entenda que essa alegria foi provocada por uma atitude: diferente do irmão, ele veio pra casa dizendo, V.19: "Pai, eu pequei contra os céus e não mereço ser seu filho, me faz apenas um empregado". [11]

 

Você está vendo o que provocou a reação da alegria dele? Esse filho caçula voltou, dizendo: “eu pequei... por isso eu não mereço; não sou merecedor!”

A cada passo que dava, ele pensava não ser merecedor do perdão do pai, não ser merecedor de nada e, no entanto, quando ele chega em casa, e põe os pés na porteira da fazenda, ele ganha uma festa daquelas!

 

É pra ficar triste? De maneira nenhuma! É pra ter alegria, muita alegria!

 

Amado, nós cometemos tantos erros, pecados... mas, se cada um de nós, tomar a atitude desse filho caçula, que se convenceu do pecado, que reconheceu a sua completa falta de merecimento... olha, se cada um de nós que está aqui, tiver a humildade de dizer a Deus: “Pai, eu pequei, não sou digno mais, não sou merecedor de nada”, olha, esse vai ganhar também uma festa do Pai que está no céu e o seu coração será tomado de alegria!

Já imaginou, você  que vem cabisbaixo, derrotado, triste consigo mesmo... que se pergunta o tempo todo, como foi capaz de se prostituir, de se drogar, de desperdiçar a vida e de chegar ao fundo do poço que está hoje... já imaginou o seu coração tomado de alegria?

 

Isso é possível, porque o ponto-de-vista de Deus é esse: os que reconhecem não merecer nada, são os verdadeiros merecedores!

 

Ou você crê que tem feito tudo certinho? Você acredita mesmo que nunca pecou, que nunca caiu em tentação, que nunca entristeceu o coração de Deus? Você está convencido de ser merecedor da bênção de Deus? ...então, você corre o risco de ficar desapontado, e pior, perdido para sempre em seu próprio merecimento.

Mas, ouça: se você não se julga perfeito, antes o contrário, admite seu pecado, reconhece sua fraqueza, e por isso não se julga merecedor de nada, então amado, pode pôr o pé na porteira da fazenda, porque o seu Pai do céu, estará lá com os braços abertos pra você!

 

E se você diz: “Mas, como? Eu não entendo! Eu não mereço e tudo o que eu sinto é que realmente não mereço!”

 

Esteja certo, foi justamente isso que Deus viu quando a humanidade pecou contra Ele. Porém, a Bíblia diz:[12] “Mas Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós”.

 

Em Rm 5.10[13], está: “Nós éramos inimigos de Deus, mas ele nos tornou seus amigos por meio da morte do seu Filho.

 

Então, ensina a Bíblia, que nós erámos inimigos de Deus, totalmente desprezíveis, sem nenhum merecimento, mas a Bíblia também diz: Deus nos tornou Seus amigos por meio da morte de Cristo na cruz.

 

Quer dizer: não merecíamos mesmo nada, mas em Cristo, Deus nos tornou Seus amigos; Deus nos tornou merecedores!

 

Você crê na Palavra de Deus? Você crê de todo o seu coração? Então, se agarre nessa verdade[14], toma posse dela no seu coração: os que reconhecem não merecer nada, são os verdadeiros merecedores!

 

Apelo Final

Agora feche os seus olhos, vamos pensar no que Deus falou.

Você que está me escutando hoje, não há nada que você possa fazer para merecer a bênção de Deus... não é se tornando religioso, não é praticando boas coisas... a salvação não vem por merecimento, ela vem de graça, como presente de Deus. Receba esse presente!

 

Se você não quer terminar a vida revoltado e triste, faz como o filho caçula dessa história, seja humilde e reconheça sua completa falta de merecimento, diga pra Deus: “Pai, eu pequei, eu não sou digno mais, eu não mereço o Teu perdão, eu não sou merecedor de nada”. Se você tomar essa atitude, vai acontecer um milagre de Deus na sua vida hoje: você vai ser salvo e o seu coração será inundado de alegria! Deus vai te abraçar, o céu inteiro ficará em festa, e a sua própria alma aqui na terra vai experimentar.

 

Tudo que você precisa fazer é abrir seu coração para Jesus, você não é merecedor, mas Cristo te fez merecedor diante de Deus.

 

Então, basta tão somente você querer agora e você vai ganhar uma festa de Deus! Você vai ser salvo! Seu coração vai ficar cheio do Espírito Santo de Deus! Basta você querer!

 

Então, nesse momento, quem quer abrir o seu coração para Jesus e receber  a salvação de graça, como presente de Deus? Levante a sua mão direita pra cima...

 

Pr Walter Pacheco da Silveira, domingo, 5 de outubro de 2008