Meus Sermões

A MATEMÁTICA DO CASAMENTO II
Gênesis 2.21-24

 

Texto Bíblico

“Então o Senhor Deus fez com que o homem caísse num sono profundo. Enquanto ele dormia, Deus tirou uma das suas costelas e fechou a carne naquele lugar. 22Dessa costela o Senhor formou uma mulher e a levou ao homem. 23Então o homem disse: “Agora sim! Esta é carne da minha carne

e osso dos meus ossos. Ela será chamada de ‘mulher’ porque Deus a tirou do homem.”

24É por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa”.

 

Introdução

Carlos e Celinha, eu tenho uma mensagem que gosto de chamar de “A Matemática do Casamento”.

Por que o casamento tem suas leis, tem os seus princípios.

 

Ele não é uma relação regida por ciências exatas, mas quero dizer a vocês hoje, que aquelas operações mais básicas da matemática, elas estão presentes no casamento.

 

1- Em primeiro lugar, está presente a subtração.

Lemos na Bíblia Gn 2.24 e percebemos isso: o casamento começa com a subtração...

É quando o homem deixa seu pai e sua mãe para unir-se à sua mulher.

 

A Bíblia fala “...o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa”.

 

Primeiro se deixa para depois se unir.

Chegou a hora, chegou o dia, em que a família libera cada um de vocês, para se unirem um ao outro e assim começarem uma nova jornada na vida... uma nova família!

 

Nessa operação, vocês são subtraídos... não vão mais depender emocional e financeiramente dos pais.

 

Unidos, formam uma família... tornam-se uma só carne... Deus mesmo estabeleceu assim.

 

2- Em segundo lugar, está presente a adição.

O homem depois que deixa pai e mãe deve unir-se à sua mulher... esta é a soma, é a união dos dois!

E essa união é, conforme Deus planejou, indissolúvel... é uma união de sonhos,  de alvos, de propósitos...

 

E é também uma união física... Está escrito, não é? “...o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa”.

 

Na criação, a Bíblia revela que Deus formou Adão e dele formou Eva... então, de um, Deus fez dois; mas no casamento, de dois Deus faz um: faz uma só carne.

Por isso, Celinha e Carlos, o casamento de vocês é uma adição.

 

E deverá ser uma adição constante... adição de amor, adição de afeto, adição de respeito.

Sabem, no casamento, quando se adiciona, se recebe de volta, seja o bem ou o mal... é o mesmo princípio da semeadura: o que você plantar, você irá colher...

 

Se adicionarem o amor, se adicionarem o respeito, será isso que vocês irão colher em maior quantidade.

 

3- Em terceiro lugar, está presente no casamento a multiplicação.

Um casamento que passou pela subtração e adição é completo em si mesmo, porém, Deus ainda dá a bênção da multiplicação.

É quando vem os filhos e com eles se multiplicam também os sonhos.

 

A Bíblia ensina que filhos são herança de Deus e que são também como flechas nas mãos do guerreiro.

 

No casamento, como está acontecendo hoje com vocês, neste dia aqui, Deus está abrindo o portal da esperança para o mundo...

Pois, ao mesmo tempo em que uns estão encerrando a carreira, outros a estão começando; enquanto uns estão descendo a ladeira da vida, outros estão subindo sua colina, cheios de esperança e sonhos.

 

Portanto, recebam a multiplicação como benção... diz a Bíblia no Sl 127 que “Os filhos são um presente do SENHOR; eles são uma verdadeira bênção”.

 

4- E em quarto lugar, está presente no casamento a divisão.

Sim, no casamento, Celinha e Carlos, não se deve acumular coisas, acumular experiências... mas o que se deve é repartir, é compartilhar, é dividir com outros.

O marido nunca deverá querer tudo para si mesmo e nem a esposa deverá querer tudo para si mesma... vocês deverão dividir o que cada um tem com alegria.

 

Assim sendo, no casamento de vocês, que começa hoje, Deus espera mais investimento do que cobrança...

 

No casamento, Deus espera que vocês venham dar mais do que receber... que vocês venham repartir mais do que reter.

 

Na casa de vocês não deverá haver espaço para o egoísmo, em nenhum cômodo se quer... mesmo porque o amor não é egoísta, não visa seus próprios interesses...

Quem ama divide, reparte, compartilha, buscando a realização da pessoa amada.

 

E vocês sabem que na matemática, quando dividimos o que temos, ficamos com um saldo menor...

 

Porém, no casamento, Deus faz um milagre: quanto mais vocês compartilharem, quanto mais vocês repartirem, quanto mais vocês dividirem com outros, maior será o saldo de vocês, maior será o crescimento de vocês! Amém?

 

Conclusão

Assim, Celinha e Carlos, é a matemática do casamento.

É preciso deixar para se unir.

É preciso unir para multiplicar.

E é preciso dividir para crescer, para ter saldos ainda maiores.

Que o bondoso Deus abençoe a vocês. Amém.

 

 

Pr Walter Pacheco da Silveira, 26.7.2008