Meus Sermões

EXAMINAI A VÓS MESMOS
2 Coríntios 13.5

 

“Examinem-se para descobrir se vocês estão firmes na fé...” NTLH

 

Introdução

A Bíblia não precisa exortar nenhum de nós para que examinemos os outros. Já fazemos isso naturalmente.

Somos inclinados a achar mais erro nos outros, do que erro em nós mesmos... mas a ênfase da Bíblia é para examinarmos a nós mesmos, a nossa própria consciência, e não os outros.

 

Isto está claro em muitas partes da Bíblia, como essa em 2Co 13.5... como aquela de 1Co 11.28, muito lido por ocasião da Ceia do Senhor e que diz: “Portanto, que cada um examine a sua consciência...”; isto ainda está bastante claro em textos como o de Gl 6.4, onde lemos: “Que cada pessoa examine o seu próprio modo de agir!”... e ainda Lm 3.40, onde está escrito: “Examinemos seriamente o que temos feito e voltemos para o Senhor”.

 

Estas Palavras de Deus nos ensinam o auto-exame...

E esse auto-exame é para sempre nos convencer da necessidade que temos de nos voltar para o Senhor, de nos aproximarmos mais de Deus.

 

E como fazer esse auto-exame? ...eu quero propor para você as seguintes perguntas, que estão entre aquelas que realmente ajudam a que examinemos a nós mesmos.

 

...a pergunta número um é:

Amo ao Senhor, meu Deus, com todo o meu ser?

Porque Jesus disse, lemos em Mt 22.37-38: “Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente.” Este é o maior mandamento e o mais importante”.

Estou cumprindo com este mandamento ou, estou amando a mim mesmo, ao mundo e às coisas do mundo?

 

Está escrito na primeira carta do apóstolo João 2.15, para não amarmos o mundo, nem as coisas que há nele – porque esse sistema não é de Deus.

 

Portanto, quem não está amando a Deus de todo o coração, tá na hora de retomar ao primeiro amor (Ap 2.4-5)? Amém?

 

...a pergunta número dois:

Amo verdadeiramente o meu próximo como a mim mesmo?

Depois que Jesus definiu "o grande e primeiro mandamento", Ele ensinou que: “o segundo mais importante é parecido com o primeiro: “Ame os outros como você ama a você mesmo” (Mt 22.39).

Jesus não precisou exortar a amarmos a nós mesmos, “porque ninguém odeia o seu próprio corpo” (Ef 5.29), escreveu o apóstolo Paulo.

 

Mas o Senhor Jesus realmente precisa nos exortar a amarmos o nosso próximo.

 

Estamos obedecendo ao mandamento dEle?

Amamos os inimigos, abençoamos os que amaldiçoam (o que nos amaldiçoam)... fazemos o bem aos que nos odeiam e oramos pelos que nos perseguem (Mt 5.43-48)?

Examinemos a nós mesmos...

 

De que maneira e em que profundidade você seria amado por seu próximo, se ele amasse você da mesma maneira que você ama a ele?

 

...terceira pergunta, porque estamos examinando a nós mesmos:

Estou confiando verdadeiramente em Cristo para a minha salvação?

A Bíblia ensina que a salvação ocorre pela graça de Deus, por meio da fé em Cristo... está em Ef 2.8-9: “Pois pela graça de Deus vocês são salvos por meio da fé. Isso não vem de vocês, mas é um presente dado por Deus”. E no v.9: “A salvação não é o resultado dos esforços de vocês”.

Ninguém e nem nada, salva o homem da condenação ao inferno... somente Jesus.

 

Mas, algumas pessoas se iludem com o pensamento de que os anjos, os santos, as rezas a Maria, o batismo, são meios de salvação.

 

Não é tendo uma religião nem fazendo boas coisas, que alguém é salvo... somos salvos pela graça de Deus por meio da fé em Jesus.

Mas, se em vez de Jesus, você está procurando acesso a Deus por outros caminhos, você ainda não tem a salvação de Deus.

 

Para ser salvo, você precisa confessar, de todo o seu coração, que realmente crê que "Jesus Cristo é o Filho de Deus".

 

Examine-se nisso: Cristo é o Seu único e suficiente Salvador ou você está se apegando aos anjos, santos, religião e coisas assim?

 

...pergunta número quatro:

O que o mundo pensaria sobre o evangelho, se a minha vida fosse o padrão pelo qual o evangelho seria julgado?

A Bíblia ensina para imitarmos a Deus... está escrito em Ef 5.1-2: “Vocês são filhos queridos de Deus e por isso devem ser como ele”“imitadores de Deus, como filhos amados”, lemos em outra versão.

Mas será que os outros estão vendo Jesus em nós, porque estamos imitando Ele?

 

O apóstolo Paulo escreveu à igreja de Corinto: “Sigam o meu exemplo como eu sigo o exemplo de Cristo” (1Co 11.1) – estamos fazendo isso?

 

Porque, se ficássemos sem dizer que somos crente, o mundo ficaria sabendo, apenas por nos ver, por nos observar a vida (At 11.26)?

 

...próxima pergunta, número cinco:

Quantas pessoas ouviriam sobre Jesus e o evangelho, se os outros crentes testemunhassem na mesma freqüência com que eu testemunho?

Irmãos, no dia do nosso batismo, confessamos diante dos homens, que somos de Cristo, que nos tornamos crentes...

Mas, depois do batismo, depois daquele dia, em todos os dias da nossa vida, estamos confessando ou negando a Cristo diante dos homens?

 

Estamos obedecendo ao mandamento de Jesus – o mandamento de contar as grandes coisas que Deus tem feito por nós?

Vamos ler algo em Lc 8.39, é sobre um homem que ganhou libertação e que Jesus orientou: “Volte para casa e conte o que Deus fez por você. Então o homem foi pela cidade, contando o que Jesus tinha feito por ele”.

Poderá ser falado de nós o mesmo que Jesus falou sobre esse homem?  

 

Irmãos, diz o Senhor: “...cada um examine a sua consciência...”. “Que cada pessoa examine o seu próprio modo de agir!”

 

...pergunta de auto-exame, número seis:

Eu oro como deveria?

A orientação de Deus é que oremos "sem cessar" (1Ts 5.17 – um verso de só duas palavras ou três – é um dos menores da Bíblia: “orem sempre”ou “orai sem cessar”).

É bastante comum andarmos sempre ocupados e não orar... inclusive, há um maravilhoso livro com esse título: “Ocupado Demais Para Orar”.

 

Nenhum de nós deve rejeitar a necessidade de orar, antes, precisa procurar com freqüência a comunhão com Deus através da oração.

 

Você ora sempre? ...ou sempre ora somente quando necessita de uma solução urgente?

 

...perguntinha número sete:

Leio a Bíblia como deveria?

Nos examinemos nisso... pergunte-se: Será que gasto mais tempo lendo o escrito dos homens ou as Sagradas Escrituras, que é a Palavra de Deus?

Porque nada substitui a sua leitura, particular, pessoal, da Palavra... você pode ter a coleção inteira do Silas Malafaia ou do Marcos Feliciano... o que eles ministram é fruto da dedicação deles na Palavra, mas e o fruto da sua dedicação?

 

O Sl 119 é um dos mais interessantes da Bíblia e todo ele é sobre a Bíblia. Nele o salmista declarou: As Escrituras Sagradas são o meu "prazer" e meditação "todo o dia" (Sl 119.70,77,97,174).

 

Timóteo foi ensinado a se tornar sábio para a salvação, por meio da leitura da Palavra de Deus (2Tm 3.15), mas quantos permanecemos ainda ignorantes a respeito do conteúdo das Escrituras?

Eu sei de uma história... deixe-me arrumá-la pro nosso jeito:

Logo que chegou para o culto, o pastor encontrou-se com um irmão participante de alguma célula e resolveu perguntar pra ele alguma coisa sobre o texto bíblico da Palavra ministrada no encontro da semana: “Fernando, quem derrubou os muros de Jericó?” O rapaz estranhou a pergunta e se defendeu logo: “Eu não! Eu nem estava lá!” Assustado com a resposta, o pastor murmurou: “É... com certeza não estava”. E foi imediatamente conversar com quem fazia o discipulado daquele irmaõzinho. Disse o pastor: “Imagine você que perguntei ao Fernando quem derrubou os muros de Jericó, e ele fez questão de me garantir que não tinha sido ele!” Aí, o discipulador falou: “Olha, pastor, o Fernando não costuma mentir. Se ele disse que não foi ele, é porque não foi mesmo”. O pastor, mais assustado ainda, foi procurar o líder daquela célula e disse: “Irmão Pedro, graça e paz”“graça e paz, pastor!”. E contou tudo o que havia acontecido, até que, desconcertado, ouviu o líder de célula dizer: “Bem, pastor, se o próprio discipulador dele está convencido de que o Fernandinho não fez isso, é porque não deve ter feito mesmo. Vamos dar crédito!”. O pastor saiu desanimado. Aí, chegando perto do seu gabinete, viu o tesoureiro da igreja e falou: “Irmão, venha cá, eu quero a sua opinião a respeito de um assunto” - e contou tudo. O tesoureiro ficou pensativo e, por fim, deu a sua opinião: “Eu acho, pastor, que a essa altura não adianta ficar discutindo quem fez, quem não fez. Vamos mandar arrumar logo esses muros e colocar um ponto final nessa história”.

 

Irmãos, quem não lê as Escrituras, fica analfabeto... sem saber de nada!

 

E muito importante: o apóstolo Paulo escreveu que a Escritura Sagrada “é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver”(2Tm 3.16-17).

Quanto tempo seria gasto na leitura da Palavra de Deus, se todo crente lesse a Bíblia tanto quanto você a lê?

 

...pergunta número oito:

Participo regularmente dos cultos?

Tem um mandamento que diz: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns” (Hb 1O.25).

Será que, em vez de congregar, algum de nós sente que não tem necessidade de ser exortado, de ter comunhão e de ser instruído através da pregação da Palavra de Deus?

 

O salmista dizia: “Fiquei alegre quando me disseram: “Vamos à casa de Deus, o Senhor.”

Quando você vem para os cultos, para as celebrações da igreja, vem para o ajuntamento das células para culto, você vem com alegria para participar do culto,

 

...ou vem com alegria para ficar do lado de fora do culto, conversar com os amigos ou ver o movimento?

 

...número nove:

Contribuo financeiramente para a obra do Senhor?

Dizem que o Novo Testamento não fala de dízimo... não fala do dízimo de forma direta como o Velho Testamento faz, principalmente em Ml 3.10.

Mas, quando o assunto é dinheiro, o Novo Testamento é mais duro de ser seguido do que o Velho Testamento, pois no Velho Testamento o povo dava 10% e no Novo Testamento o povo vendia suas propriedades e depositava o valor aos pés dos apóstolos, de modo que a Bíblia diz em Atos 4.34: “Não havia, pois, entre eles necessitado algum”.

 

Nossa cultura diz que oferta é inferior ao dízimo... oferta é você trazer R$ 1,00 ou 5 ou 10... mas ofertas sempre deveriam ser maiores que o dízimo, porque o dízimo tem um limite: dízimo é sempre dez por cento... não tem como ser mais nem menos.

 

Agora, as ofertas não foram limitadas... não tem limite mínimo nem máximo para ofertas.

 

E é um roubo a Deus, não entregar "dízimos e ofertas" (Ml 3.1O).

Precisamos dizimar e ofertar – temos sido, muitos de nós, dizimistas, que não roubam a Deus no dízimo... mas, e nas ofertas? Somos também ofertantes?

 

Por isso, nos examinemos: Contribuo financeiramente para a obra de Deus? E qual seria a situação financeira de minha igreja, se todos os membros seguissem meu exemplo em dizimar e ofertar?

 

...décima pergunta (essa é para terminar):

Sou um verdadeiro crente ou estou me enganando com o pensamento de que sou crente?

Eu sei, essa é uma pergunta dura e direta, que corta como um bisturi... mas estamos fazendo um auto-exame. A questão é profunda e necessária.

Judas Iscariotes, estava contado entre os doze discípulos de Jesus, e no fundo nunca foi discípulo... ele se revelou traidor.

 

Certa vez, Paulo disse a respeito de um indivíduo chamado pelo nome de Demas, Paulo disse: "...tendo amado o presente século, me abandonou" (2Tm 4.10).

 

Diria Jesus, isto, a respeito de algum de nós?

 

Examinemos a nós mesmos: Sou verdadeiro crente, ou pode ser também, que por algum motivo, abandone o Senhor?

 

Conclusão

De quando em quando devemos examinar a nós mesmos.

Isso não é muito confortável, mas o Senhor espera que obedeçamos a esta Palavra dEle.

 

Pr Walter Pacheco da Silveira. Fonte: Daniel E. Parks , em Fé Para Hoje