Meus Sermões

O QUE UM CRENTE NÃO DEVE SER
Oséias 7.16
 
1– Quando tento curar o povo de Israel e fazê-lo ficar rico de novo, a única coisa que vejo são os seus pecados e a sua maldade. São mentirosos, são ladrões que roubam as casas e assaltam pessoas nas ruas. 2Eles pensam que eu esqueço todos os seus pecados. Estão rodeados pelas suas maldades, e não posso deixar de vê-las.

Mentiras, ódio e traição
3O Senhor Deus diz:
– O meu povo é malicioso, e com as suas mentiras eles enganam o rei e os governadores. 4Todos eles são traidores. O ódio queima neles como o fogo no forno, que o padeiro não atiça até que a massa tenha crescido e esteja pronta para assar. 5No dia da festa do rei, eles deram tanto vinho a ele e aos governadores, que eles ficaram bêbados, e o rei fez todo tipo de tolices. 6O ódio continuou a queimar nos corações deles, enquanto planejavam intrigas contra o rei. A noite toda, abafaram o seu ódio, mas de manhã ele acendeu como fogo. 7Queimando de raiva, eles mataram os seus chefes; todos os seus reis foram mortos, um depois do outro. Mas não há ninguém que ore a mim.
Israel e as outras nações
8O Senhor diz:
– O povo de Israel faz acordos com outros povos e agora parece um pão mal assado. 9O povo não percebe que a nação está perdendo o seu poder por causa desses acordos com estrangeiros. A nação está ficando fraca como um velho de cabelos brancos, mas o povo não percebe isso. 10O orgulho do povo é testemunha contra si mesmo. Todas essas coisas aconteceram, mas mesmo assim eles não se voltam para mim, nem procuram a ajuda do Senhor, seu Deus. 11Israel parece uma pombinha tola: procura primeiro a ajuda do Egito e depois vai pedir socorro na Assíria. 12Mas eu os pegarei, como quem pega passarinhos com uma rede. Eu os castigarei de acordo com as mensagens que ouviram nas suas reuniões.
13– Eles estão perdidos e serão destruídos, pois fugiram e se revoltaram contra mim. Eu queria salvá-los, mas eles dizem mentiras a meu respeito. 14As orações que me fazem não são sinceras; ao fazê-las, eles se jogam no chão, gritando como os pagãos. Quando oram pedindo trigo e vinho, eles se cortam, como os outros povos fazem. Todos se revoltaram contra mim. 15Fui eu que os ensinei e lhes dei forças, mas eles planejam maldades contra mim. 16Como uma flecha atirada por um arco defeituoso não atinge o alvo, assim também o meu povo se desviou de mim e começou a adorar ídolos. Os seus chefes falam com orgulho e por isso serão mortos à espada. Aí o povo do Egito zombará deles.

Introdução 
A vida das pessoas que são de Deus tem aspectos negativos e positivos.
Tem coisas que elas evitam e coisas que elas fazem... tem coisas que elas não devem ser, e coisas que elas devem ser.
 
O profeta Oséias, usa aqui nesta passagem, quatro figuras sugestivas para mostrar o que um crente, uma pessoa de Deus, não deve ser. O que um crente não deve ser?
 
Vamos ver essas figuras... a primeira está no v.4:
1. O CRENTE NÃO DEVE SER UM FORNO ACESO
Está escrito, pegando um pouco do v.3: “O meu povo é malicioso... [e v.4] Todos eles são traidores. O ódio queima neles como o fogo no forno...”
Oséias denuncia a liderança de Israel que vivia uma vida desonesta, uma vida entregue à maldade, ao erro.
 
O texto se refere à malícia, mentiras, ódio, embriaguez... e observe que era vinho! Fosse cerveja, diriam que “desceu redondo!” ...é melhor subir quadrado ao céu do que descer redondo, heim!!
 
No v.5 lemos que o próprio rei fez todo tipo de tolices. Já imaginou?
 
Eram homens e mulheres que ardiam como um forno aceso para cometer toda sorte de devassidão... eram líderes adúlteros, cheios de histórias e mentirosos, que tinham pressa para pecar, ardiam.
 
Eram pessoas que viviam quentes, torrando em alta temperatura, para pecar, para se entregar a todo tipo de impureza sexual.
 
Vivemos num tempo de idolatração do corpo, idolatração do sexo...
As pessoas vivem atiçadas ao pecado sexual como um forno acesso... e não é porque estamos às vésperas do Carnaval... isso é durante o ano todo, seja no verão ou no inverno, primavera ou outono. A sociedade é atiçada, acesa, através das músicas, novelas, Big Bode Brasil de todos os dias, Internet...
 
As pessoas hoje têm pressa para pecar e caminham animadas para ele.
 
Porém, pessoas de Deus não devem ser como forno aceso, atiçadas para o mal, atiçadas para o pecado... antes, que nossa pressa seja para estar com Deus, para estar aos pés da cruz e diante do trono! Essa é a lição da gravura do forno aceso!
 
...a segunda gravura, está no v.8:
2. O CRENTE NÃO DEVE SER UM PÃO ENCRUADO  
Lemos nesse v.8: “O Senhor diz: – O povo de Israel faz acordos com outros povos e agora parece um pão mal assado”.
 
Um pão mal assado é um pão encruado... é aquele pão que está queimado de um lado e cru do outro. Não falo do que acontece na panificadora do bairro, falo do que acontece na igreja, onde muitos vivem uma vida dupla, de duplicidade no caráter, de se ser uma coisa em casa e outra no trabalho... de se ter um comportamento em público e outro em particular... de se ter uma aparência de santidade na reunião da igreja e uma postura mundanizada no trabalho, na escola ou n’outro lugar.
 
Essa palavra da parte de Deus através do profeta Oséias, é porque Israel havia deixado de ser luz entre as nações e se misturado com outros povos e seus pecados.
Israel, apagou sua luz e se cobriu de trevas...
 
Há muitos crentes hoje que são mais cheios das trevas do mundo do que a luz do mundo... são crentes encruados, queimados de um lado e cru do outro... são como o pão que não foi totalmente virado...
 
São amigos do mundo, amam o mundo, se conformam com o mundo...
 
São crentes, mas têm vida dupla... estão na igreja, mas o mundo está neles...  
 
Como pessoa de Deus o crente não pode ser assim! Ou você é de Deus ou é do mundo!
 
...vamos ver a mensagem da terceira gravura no v.11:
3. O CRENTE NÃO DEVE SER UMA POMBA ENGANADA
Lemos: “Israel parece uma pombinha tola: procura primeiro a ajuda do Egito e depois vai pedir socorro na Assíria”.
Quando o profeta Oséias afirma que Israel é como uma pombinha tola, uma pomba enganada, ele está falando que falta a Israel o discernimento espiritual – capacidade para saber quando algo é de Deus, humano ou satânico.
 
Israel deixou o Senhor e foi buscar socorro debaixo das asas do Egito e da Assíria, lugares pagãos, lugares de muitos deuses.
Israel deixou o Senhor e foi buscar ajuda naqueles que haveriam de enganar, roubar os bens e destruir a vida.
Todas as vezes que damos as mãos ao mundo, que fazemos aliança com aqueles que desprezam a Deus, nós estamos agindo como uma pomba tola.
Crente que namora não-crente ou que namora como o não-crente namora, é uma pompinha tola... sem discernimento, enganada.
 
Crente que negocia do mesmo jeito que o não-crente negocia... é uma pombinha tola... que se veste, que gesticula, que conversa como uma pomba tola.
 
Há exceções... conheço alguns que não são crentes que namoram e negociam como se fossem crentes! E bons crentes, pra vergonha nossa.
 
Gostar das coisas que o mundo gosta, fazer as coisas que o mundo faz, é um caminho escorregadio, é uma estrada que leva ao desastre, à escravidão e à morte.
 
Irmãos, precisamos ter discernimento.
Precisamos viver neste mundo de forma justa, santa...
 
Precisamos ser guiados pelo Espírito Santo e não pelas leis do mundo.
 
Porque pessoas de Deus não são para ser como pomba enganada.
 
...e a quarta figura está no v.16:
4. O CRENTE NÃO DEVE SER UM ARCO DEFEITUOSO
Lemos no v.16: “Como uma flecha atirada por um arco defeituoso não atinge o alvo, assim também o meu povo se desviou de mim e começou a adorar ídolos”.
Oséias denuncia o povo de Israel dizendo que eles, em vez de se atirarem para Deus, desviaram dEle e caminharam rapidamente para a morte.
 
Eles se tornaram como um arco defeituoso, que em vez de lançar a flecha contra o inimigo, lançou a flecha contra si mesmo.
 
Um arco enganoso é uma figura que fala de alguém que age contra si mesmo, que fere a si mesmo, que atenta contra si mesmo, e que destrói a si mesmo.
O arco assim é um instrumento defeituoso que não pode ser usado, é inútil e até perigoso.
 
Pois um crente que se afasta a si mesmo de Deus e que faz aliança com o mundo, se transforma justamente nisso: num arco defeituoso. O crente destrói a si mesmo quando diz: “Hoje eu não oro. Hoje eu não quero ir à célula...”.
 
Ele deixa de ser um vaso de honra e se torna um instrumento reprovado por Deus, inútil e perigoso. Misericórdia!
 
Conclusão
Ah! Deus nos abençoa para sermos bênção, Deus nos salva para sermos úteis na Sua obra. Ele chama para sermos bênção!
Portanto: Que a nossa vida não seja um forno aceso, atiçada ao pecado...
 
Que a nossa vida não seja um pão encruado, de duplicidade no caráter, de se ser uma coisa em casa e outra no trabalho e outra no espaço da igreja...
 
Que a nossa vida não seja uma pomba tola, sem discernimento, sem sintonia com o Espírito Santo...
 
Que a nossa vida não seja um arco enganoso, defeituoso...
 
Ah! Mas, que nossa vida seja uma arma poderosa nas mãos de Deus, para evangelizar o mundo e exaltar a shekinah, a glória de Deus.
 
 
Pr Walter Pacheco da Silveira. Fonte: Rev. Hernandes Dias Lopes, 30.1.2008