Meus Sermões

APRENDENDO EM 3 JOÃO
3 João 4

“Nada me alegra mais do que ouvir que os meus filhos vivem de acordo com a verdade”. (1) (v.4) NTLH

Introdução
Tenha sua Bíblia na mão e levante lá no alto comigo… você pode trazer Bíblia, viu!

Agora, diga assim: “A Palavra de Deus é lâmpada para os meus passos; é luz para o meu caminho. Vou obedecer e serei feliz”. Amém.

Quero estudar esse texto da Bíblia com você… temos lições preciosas aqui.

E a primeira coisa importante a fazer é identificar o autor dessas palavras do v.4.

E isto é bastante fácil, pelo menos aqui, porque se você lê o contexto(2), já no v.1, você fica sabendo de imediato sobre o autor, porquanto está escrito: “Do presbítero ao querido Gaio”.

Aí está o autor, aquele que escreve é um presbítero(3)... Você sabe o que é um presbítero?

Essa palavra significa literalmente "ancião", fala da pessoa de idade avançada, idosa, madura. Aliás, em algumas versões da Bíblia aparece “ancião” em lugar de “presbítero”.

Na cultura oriental, a pessoa idosa era muito respeitada pelo povo, por sua experiência de vida.

Portanto, presbítero é alguém “mais velho, maduro”, não tanto na idade, mas principalmente na maturidade, e tais cristãos acabavam sendo líderes naturais do povo.

Por isso que essa palavra “presbítero” é usada na Bíblia para identificar alguns dos líderes da igreja no passado. Por serem mais maduros na congregação, os presbíteros servem como líderes para o povo de Deus; eles são conselheiros!

Então, guarde isso: “presbítero” é um ofício, é uma função de liderança na igreja que equivale à pastor(4).

No Novo Testamento, as palavras pastor, bispo e presbítero descrevem a mesma pessoa. O “presbítero” é um pastor. Isso é doutrina bíblica – nossa Declaração Doutrinária diz lá no item oitavo: “Há nas igrejas, segundo as escrituras, duas espécies de oficiais: pastores e diáconos”.

Tem havido denominações que criaram uma hierarquia na igreja, provocando uma disputa por títulos: tem diáconos, tem pastor, tem presbítero, tem bispo, tem arcebispo (que é mais do que bispo) e tem até papa!

Mas a Igreja de Jesus, no primeiro século, era tão simples que haviam somente dois oficiais nela: os diáconos e os pastores – a palavra diácono significa ser ministro ou servo... todos os crentes somos diáconos de Jesus Cristo.

E pastor é o ancião, o presbítero, alguém respeitado, maduro, que pode aconselhar e cuidar do povo de Deus – é um pastor – que também é diácono, isto é, ele é servo dos servos – olhe aí um dos valores do Reino de Deus: líderes são servos.

Essa é a visão de liderança do Reino.

Jesus é nosso modelo... sobre Ele está escrito que “...não veio para ser servido, mas para servir” (Mt 20.28)… Jesus não veio para virar estrela, não veio pra fazer fama, não venho pra colecionar títulos ou conquistar status... Cristo veio para servir e essa é também a função do presbítero e todo diácono...

Amado, qual é o foco da sua função na Igreja de Jesus? ...porque tem crente que enche a boca para dizer: “Ah! Eu sou líder... sou líder do ministério da oração na minha igreja... sou líder de adoração... ou sou líder de célula!” ...e falam isso como sendo um status pra eles.

Mas não é assim no Reino de Deus – no Reino de Deus, ouça isso: todos somos servos/diáconos (pra falar grego)... e quem está colocado em posição de liderança, então é servo do subalterno – isto é: servo dos que estão subordinados à ele, servo dos que estão sob a autoridade dele.

Crente, você está entendendo?

Estamos no Reino de Deus, e é para servir... é verdade que você recebe e precisa receber de Deus, mas o foco da sua função não é receber, é dar de você mesmo, é servir…

Você vai para o encontro da célula para servir, e volta de lá para servir… Isso tem que estar na sua mente o tempo todo!

Mas, alguém pode pensar: o autor dessa carta estava se achando o máximo, porque ocultou o nome e apresentou o título: “O presbítero”.

Mas lembre-se: presbítero é pessoa madura, experimentada, desprovida dessas vaidades... tanto que, justamente, não se apresentou pelo nome...

A coisa menos importante para ele era o status, era o nome! Até poderia ter mencionado o nome; Paulo mencionava. Pedro mencionava... pois sendo pessoas de maturidade, não há nenhum problema.

Diferente de muitos hoje em dia, que gostam de se anunciar, que gostam de se promover... e sabe como? ...anunciando, primeiro, o título e na frente, o nome...

Mas aqui aparece apenas o título, o dono dele não aparece... não tem necessidade de aparecer.

Olha, se você é servo de Jesus e você gosta de aparecer, gosta de chamar atenção para si, gosta de status... gosta de destaque naquilo que faz, você está fora do padrão do Reino de Deus – que apareça o seu serviço, não o seu nome. Amém?

Agora, considere que esta é uma carta. Toda carta leva a assinatura de quem a escreveu, senão se torna anônima, carta anônima.

Mas não é o que está acontecendo aqui, pois no v.1 está a assinatura do autor; porém, essa assinatura vem logo no início, como era comum na época.

Hoje, ao escrever uma carta, colocamos a assinatura por último, no final de tudo. Mas naquele tempo, a primeira linha da carta era a assinatura do autor.

Você pode observar que é assim com as outras cartas que encontramos na Bíblia. Paulo, por exemplo, sempre começava suas cartas, escrevendo lá: “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo”. O mesmo fazia Pedro. O presbítero aqui segue o costume.

Agora, se você for curioso, e deseja saber mais sobre esse presbítero, uma boa Bíblia de Estudo pode ajudar(5). Existe uma enorme variedade de Bíblia de Estudo no mercado. Se você conseguir uma, vai ser ótimo pra você!

Observe que acima da página em sua Bíblia, foi colocado “3 João”(6) e nas páginas anteriores, tem “2 João” e voltando outras páginas aparece “1 João”.

Isso está indicando que há três cartas de João, na Bíblia. Nós usamos falar: Primeira carta de João, Segunda Carta de João e Terceira Carta de João. Antigamente até usava falar “São João”, mas isso é meio católico, não acha? ...aí ficou João mesmo.

Outra coisa, se a versão da Bíblia que você usa aparece escrito “Epístola”(7)... então sua versão da Bíblia é antiga mesmo.

O que é “epístola”? Veja que essa palavra é acentuada... tem um acento agudo sobre a letra “i”; “epístola”, não é “epistola”. “Epistola” é erro de quem lê apressado... parecendo um bandido abordado por policial, que arregala os olhos ao ver arma e pondera consigo mesmo: “e pistola!”. Ou vice-versa [não é?]... às vezes é o cidadão de bem, abordado pelo bandido com arma na mão, que exclama: “e pistola!” Fala sério!

“Epístola”, amados, significa carta, é sinônimo! Mas, já faz muito tempo, que ninguém usa dizer “epístola”. Ninguém mais diz isso... ninguém chega pra nós, contando: “Veja que interessante: eu recebi uma epístola!” Isso pode dar cadeia pra você!

Mas por que “João”, irmãos?

Esse é o nome daquele “presbítero”, que no v.1, assinou a carta(8), revelando ser o autor.

É verdade que ele ocultou o nome; preferiu se apresentar como “presbítero” do que pelo próprio nome.

Mas os estudiosos da Bíblia, não têm dúvida de que se trata do apóstolo João, que foi um dos doze primeiros discípulos de Jesus. Essa é até a opinião de historiadores do século II, como Papias, Irineu, Tertuliano, Clemente de Alexandria – eles afirmaram ter sido o apóstolo João o autor de cinco livros do Novo Testamento: um Evangelho, três cartas e o livro Apocalípse... é o mesmo autor.

E chegaram a essa conclusão, por causa do estilo, do vocabulário e dos temas abordados nesses escritos. É por isso então, que temos aqui no alto da página, o nome “João”.

Pois bem, o que o presbítero João está dizendo? Para quem endereçou estas palavras?

Novamente, recorrendo ao contexto, lemos no v.1(9): “Do presbítero ao querido Gaio”. Na primeira parte do versículo está o autor, o remetente; na segunda parte, está o destinatário: esta carta é para Gaio(10).

Agora, veja como Gaio é tratado... lemos no v.2, João chamando Gaio por “Meu querido amigo(11)...”; no v.4, ele é incluído na expressão “meus filhos(12)” e até no v.5, João novamente diz de Gaio: “Meu querido amigo”. Noutra versão é “amado”.

Veja o coração de pastor aqui... a ternura dessa forma de tratamento.

Como você trata as pessoas que se relacionam com você? ...você as vê com desdém, com desprezo, ou com ternura, como pessoas amadas e queridas de Deus?

Sabe, igreja, todos precisamos ter coração de pastor.

Ser pastor tem duas implicações: primeiro, é questão de vocação.

É verdade que o Espírito Santo vocaciona alguns para a função de pastor. Eu mesmo fui vocacionado a pastor, e isto, acredito, ficou demonstrado lá nos meus 6 para 7 anos de idade. Eu brincava com meu único irmão, quando um dia, juntamos uns caixotes de madeira e espalhamos pela varanda a fim de brincarmos de igrejinha. Cada caixote era um banco e dois caixotes empilhados era o púlpito. Meu irmão (mais novinho) era o povo, a congregação... e o pastor, quem você acha que era? ...pois é, naquele dia, eu creio, Deus sinalizou que me vocacionava a pastor. Mas não lembro de ter brincado de igrejinha outras vezes... cresci, estudei, fui trabalhar num clube recreativo... nem cogitava em ser pastor. Mas eu havia sido vocacionado, então, teve uma noite, que o Espírito de Deus me levantou para assumir a vocação. Então recebi preparo teológico e fui ordenado a pastor.

Essa é uma questão, a outra é que, independente de vocação a pastor, todos temos que ter coração de pastor.

Ter coração de pastor significa ter um zelo pelas almas, ter afeição, um cuidado de ternura por aqueles que são filhos de Deus.

Eu gosto da maneira como versões mais antigas da Bíblia traduziram a forma de tratamento, elas trazem: “amado Gaio”(13), ele é o amado.

É muito provável que Gaio tenha se tornado cristão por causa do interesse pastoral de João... por isso ele ser o amado.

Para João, Gaio era o amado. Por que? ...porque ele, João, se empenhou pela conversão de Gaio.

Sabe por que muitos novos crentes não são firmados no compromisso com Deus? ...porque nós não amamos eles. E por que não amamos? ...porque nos falta coração de pastor.

O que é ter coração de pastor?

Em Lc 15.4-7(14), Jesus contou a parábola da ovelha perdida; Ele falou: “qual, dentre vós, é o homem que, possuindo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e vai em busca da que se perdeu, até encontrá-la? Achando-a, põe-na sobre os ombros cheio de júbilo. E, indo para casa, reúne os amigos e vizinhos, dizendo-lhes; alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. Digo-vos que, assim, haverá maior júbilo no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento”.

Vemos aqui, algumas características próprias do coração de pastor: Primeiro, o pastor teve compaixão da ovelha e deixou as noventa e nove para ir buscar a perdida e trazê-la nos ombros. Segundo, o pastor estava disposto a se sacrificar pela ovelha (e não sacrificar a ovelha!). Terceiro, ele conhecia pessoalmente as suas ovelhas.

Irmãos, nós precisamos tratar uns aos outros com esse coração, especialmente em relação aos novos crentes. Temos que ter coração de pastor para com nossos filhos espirituais.

Mas, o que acontece, geralmente? Vemos pessoas se decidindo por Cristo, nascendo espiritualmente, mas pouco nos importamos com elas, essa é a verdade.

Mas sabe o motivo? ...nós não choramos por elas, nós não clamamos em oração por elas, nós não sofremos dores de parto para o nascimento espiritual delas... por isso que não as temos na conta de “amado”.

Ah! Quantos novos crentes, criancinhas de tudo na fé, tem sido arremessados pela janela da irresponsabilidade? A célula que faz isso, comete um crime!

Agora, eu penso, você está entendendo a razão porque temos uma Lista de Bênçãos na célula. É para ser gerado dentro de nós esse coração de pastor.

Por que, o que é a Lista de Bênçãos(15)? ...é a relação de nomes de pessoas que a célula quer alcançar para Jesus, e por essa lista a célula ora toda a semana (nenhum encontro de célula termina sem que se ore pela conversão dessas pessoas), e cada pessoa da célula sabe o nome dos amigos que colocou naquela lista e por eles ora todos os dias da semana. Lá um belo dia, um irmão topa na rua com o amigo, cujo nome está lá na lista de oração. E esse amigo surge embriagado, desequilibrado, não falando coisa com coisa. Aí, o irmão vai ao Quarto de Escuta, vai orar por ele e chora, e clama pela salvação daquela vida... faz jejum, sofre em oração... Aí, tem um evento de colheita, uma festinha da célula, todos os amigos são convidados e aquele seu amigo comparece. Tem um momento de música, alguns testemunhos, e ao final, o seu amigo dá um passo de decisão por Cristo. Aí então, você vai correndo a abraçá-lo, é uma emoção... e você também se apressa em cuidar dele na nova fé! Por que? Porque você nutriu amor por ele.

E no próximo encontro da célula o seu amigo tá lá, sóbrio, cheiroso, arrumadinho; é um novo crente. Você se emociona de novo, se derrete de amor por ele. Aí, quando chega no momento de orar pela Lista de Bênção, o seu amigo se surpreende: “Hei, o meu nome tá nessa lista!” Então você vai dizer: “Tá vendo, nós orávamos por você, semana após semana... e particularmente, enquanto você se embriagava, se drogava, eu orava todos os dias, e sofria por você em meu Quarto de Escuta. E agora você está salvo”. E ele te abraça e chora, a célula inteira chora... e tudo isso por causa... do seu coração de pastor.

E eu quero dizer pra você que vale a pena.

Gaio se transformou num cristão fiel, lemos no v.3(16); João escreveu: “você é fiel à verdade e... sempre vive na verdade”. No v.5-6(17), João ainda escreveu: “Meu querido amigo, você tem sido fiel naquilo que faz pelos irmãos, mesmo quando são estrangeiros. 6Eles têm falado à igreja daqui a respeito do amor de você”. Bonito, não?

Gaio era um crente fiel à verdade, e amável também. Você é assim?

...nós temos um Gaio entre nós, é uma criança, filho de Edmilson e Dilma; o Gaio. Mas, o próprio Gaio precisa ser como o Gaio aqui da Bíblia… todos precisamos ter essas qualidades...

Isto é, além de devermos ter coração de pastor, precisamos ser conhecidos por nossa fidelidade e amor.

É tão comum as pessoas serem taxadas de infiéis e desalmadas, sem amor…

Mas, de um crente se deveria dizer o que se dizia de Gaio... está no v.3(18): “Fiquei muito contente quando alguns irmãos chegaram e me contaram como você é fiel à verdade e como sempre vive na verdade”.

Era isso que tinham pra falar de Gaio: um homem fiel à verdade, comprometido com a verdade.

O que as pessoas tem pra falar de você? …porque, se as pessoas encontrarem, na sua vida, traços de infidelidade e de arrogância, é isso que elas falarão de você.

E observe um detalhe no v.3: as pessoas que falaram de Gaio, como homem fiel à verdade, foram os seus próprios?(19) ...irmãos!

Sabe, quando os nossos irmãos não têm coisa boa pra falar de nós, o que esperar dos outros?

Tem pessoas que imaginam fazer belo cartaz fora de casa: ...fora de casa são educadas, compreensivas, cheias de doçura... fora de casa, o marido não levanta a voz com ninguém, mas dentro de casa berra com os filhos, berra com a esposa… (se for no rodeio a gente não sabe se ele é o berrante ou se é o touro)! E assim pode ser a mulher, pode ser os filhos...

Mas é uma contradição terrível, uma pessoa ser reputada por santa fora de casa, e dentro de casa ser conhecida por impura, sem honra, sem respeito e desobediente.

O que as pessoas mais próximas têm pra falar de você?

As pessoas da casa, é que sabem como verdadeiramente nós somos, não é? Se você quiser saber como eu sou de fato, não peça pra eu mesmo me descrever, também não vá tão longe, na vizinhança; vá à minha casa e pergunte pra esposa e pros meus filhos. Eles irão dizer quem eu sou e garanto que você vai ficar chocado com algumas coisas. Oh! Deus tenha misericórdia e me ajude a ser melhor!

Mas nesse verso, João está se referindo aos membros da família cristã de Gaio, não é tanto àquelas pessoas da família biológica (a pai, mãe, filhos ou irmãos), mas às pessoas da família maior – aquela que é constituída pelos que foram feitos filhos de Deus, ou seja, pessoas da igreja, os “irmãos na fé”, que estando bem próximas, chegaram para João e somente tiveram coisas boas pra falar de Gaio.

Lindo isso! O presbítero João encontrou pessoas que somente tinham coisas boas pra falar de Gaio. Que assim também seja conosco. Amém?

Agora, quero lhe fazer uma pergunta, com base nesse texto, v.3: quando chegaram para João e falaram bem de Gaio, como foi que João se sentiu?(20) ...alegre, muito alegre! Ele escreveu: “Nada me alegra mais do que ouvir que os meus filhos vivem de acordo com a verdade”.

Irmão, o que é que deixa você alegre? … porque o caráter de uma pessoa pode ser avaliado pelo tipo das coisas que trazem alegria à ela.

Pode observar, tem gente que tem alegria em ouvir maldades: sintonizam o canal de TV, preferencialmente, nos programas mais baixos, nas novelas mais impuras... se envolvem com pessoas de conversa suja...

Tem gente que aprecia com vontade às más companhias, as piadas indecentes, os contos de casos imorais… e o caráter delas não é muito diferente... Vou te dar um exemplo: alguém vem e diz: “Nem te conto (mas, já entra contando), fulana brigou com o marido dela”. Aí a pessoa reage com alegria: “Ah é!, vem cá, senta aqui, me conta tudo... como foi?” ...olha o gosto, olha a alegria! Isso revela o caráter.

Tem crente que não se alegra com as bênçãos espirituais dos outros… não se alegra, fica indiferente… agora, escuta uma indecência, ele ri… alguém sofreu uma tentação e caiu, ele quer saber dos detalhes.

O que é que deixa você alegre? ...Deus está ministrando no seu coração.

Quero também destacar aqui, a importância do reconhecimento daqueles que são fiéis.

É claro que é mais do que obrigação nossa sermos fiéis em tudo, mas não é porque é obrigação que vamos deixar de fazer reconhecimento.

Tem irmão que acerta por não falar mal do irmão (mesmo quando tem motivo de sobra pra isso), mas erra por não falar bem do irmão, por não fazer reconhecimento da fidelidade dele.

Não lemos aqui que pessoas chegaram para João e falaram bem a respeito de Gaio e que isso trouxe a maior alegria para João? …ele disse: “Nada me alegra mais do que ouvir que os meus filhos vivem de acordo com a verdade”!

Aquelas pessoas estavam reconhecendo algo bom na vida de Gaio.

Mas João podia ter recomendado aquelas pessoas: “Não falem isso perto de Gaio.

Ele pode ouvir e se orgulhar... pode começar a se achar e isso não vai ser bom!”

Mas o que foi que o próprio presbítero fez? ...pegou o pergaminho e uma caneta da época, e escreveu pra Gaio(21): “Meu querido amigo a quem amo de verdade... Fiquei muito contente quando alguns irmãos chegaram e me contaram como você é fiel à verdade e como sempre vive na verdade... 5Meu querido amigo, você tem sido fiel naquilo que faz pelos irmãos, mesmo quando são estrangeiros. 6Eles têm falado à igreja daqui a respeito do amor de você”.

Foi um elogio! O pessoal reconheceu a fidelidade de Gaio, falou bem de Gaio, e o próprio presbítero, escreveu fazendo também o seu reconhecimento da fidelidade de Gaio.

E como você imagina que Gaio se sentiu ao ler essa carta? ...garanto pra você que ele não teve tristeza.

O reconhecimento faz bem. Pessoas precisam de reconhecimento! É um estímulo ao senso de valor, senão, crescemos sem senso de dignidade, o que resulta num profundo sentimento de inferioridade.

Crianças que não recebem elogio, que nunca tem reconhecimento, especialmente dos pais, não têm como saber se são inteligentes ou medíocres, bonitas ou feias, incapazes ou competentes… infelizmente, uma criança comum, recebe de 10 a 50 repreensões para cada elogio.

Agora, é fato, há pessoas imaturas que bajulam… não sabem fazer reconhecimento e outras que não sabem receber reconhecimento.

Mas tudo isso é resolvido, sabe como? ...vivendo na verdade(22).

A verdade, o apóstolo Paulo explicou aos efésios: é um cinto (um cinturão) que o crente usa para não tropeçar no engano(23).

Na época de Paulo, os soldados não usavam calças, mas uma vestimenta comprida e folgada, que atrapalhava os movimentos mais rápidos... por exemplo, não dava pra corer, se fosse o caso. Então, o que eles faziam? ...os homens arregaçavam essas vestes até à cintura e prendiam com um cinto.

O crente que afivelar a verdade na sua vida, não vai tropeçar e cair no próprio orgulho ou na própria vaidade... a verdade faz parte da sua proteção!

E Gaio andava nela, vivia na verdade e isso trouxe alegria a João – por isso, fazer e receber reconhecimento era sem problema.

Talvez você reclame, fazendo beicinho: “Ninguém me reconhece!” ...olhe, se você viver na verdade, mesmo que ninguém reconheça sua fidelidade, Deus vai reconhecer e vai te honrar. Aleluia!!

Agora, quem sabe, não tem havido reconhecimento, porque também está faltando o seu caminhar na verdade... se você não caminha na verdade, que reconhecimento pode esperar?

Bem, o que é isso de “andar na verdade”?

Andar na verdade significa viver o ensino de Jesus... esse “andar” quer dizer “procedimento” – proceder conforme Jesus...

Por que Jesus? ...porque Ele é a verdade (Jo 14.6). A verdade não é um conceito, é uma pessoa – é Cristo!

Andar na verdade significa obedecer a Cristo, viver em conformidade com os ensinos de Cristo.

Mas, um problema muito comum na igreja hoje, é que as pessoas estão conhecendo a verdade, estudando a verdade e discutindo a verdade, mas não estão praticando a verdade.

Tem crentes que estão defendendo a verdade e ao mesmo tempo, desobedecendo a verdade... estão combatendo o pecado em público (eles dizem: “é mesmo, tal coisa não convém a um filho de Deus”.), mas estão praticando o pecado em secreto.

É triste o caso da pessoa que pede afastamento da igreja e não pede afastamento do pecado; larga a verdade e fica com o engano.

Conclusão
Irmão, nós temos que viver na verdade em tudo(24).

A linguagem do Reino de Deus é a verdade, porquanto o engano/a mentira são próprios do diabo.

Por isso, não basta que você tenha conhecimento da verdade e estude a verdade, e ouça a verdade... é necessário, sobretudo, que você pratique a verdade.

Jesus falou que quem não fundamentar a sua vida, quem não fundamentar o seu procedimento, na Palavra da verdade, esse vai cair.

Se você não vive na verdade, você está escolhendo cair! (25) …é isso mesmo que você quer?

O que Deus está falando ao seu coração hoje?

Obs.: Números entre parêntesis significou numeração de slides para o Multimídia.

Pr Walter Pacheco da Silveira, 4/20/2008