Meus Sermões

DEZ PASSOS PARA UMA VIDA MELHOR - 3

Êxodo 20.1-18

 

Introdução

Ao ler este texto, voltamos ao passado, uns 33 séculos e encontramos o povo de Israel ao pé do monte Sinai.

Aquele lugar era uma planície de três quilômetros de comprimento por 800 metros de largura... um lugar suficiente para acomodar todo o povo.

 

Em frente à esta planície, 700 metros acima do nível do mar Mediterrâneo, estava o Sinai, que ficaria conhecido como o Monte da Lei, o lugar onde foram dados os Dez Mandamentos.

 

O Sinai é lugar histórico e sagrado.

Foi ali que Moisés pastoreou o rebanho do seu sogro Getro, ali ele também teve a visão da sarça ardente... e foi ali que Elias se refugiou de Jezabel.

 

O Sinai, portanto, é o cenário de acontecimentos bíblicos muito importantes... e por isso que o Sinai é muito procurado por turistas de todo o mundo...

 

Nessa viagem de volta ao passado, quando fizemos a leitura do texto, lemos que de repente, o monte começou a fumegar... houve relâmpagos e trovões...  o povo tremeu.

É que Deus acabava de entregar a Moisés os Dez Mandamentos escritos em duas placas de pedra...

 

Mas, Moisés quebrou estas placas ao descer do monte e outras duas tábuas foram escritas.

 

Mais tarde, quando o tabernáculo foi construído estas tábuas de pedra contendo os Dez mandamentos foram guardadas na Arca do Concerto.

 

Essa arca, ornada de ouro, durante 38 anos, foi carregada pelos sacerdotes através do deserto... atravessaram com ela o rio Jordão e a levaram para um lugar de nome Suá, onde os filisteus tomaram a arca das mãos do povo de Israel.

 

Depois, ela  foi restaurada e colocada na casa do sacerdote Abinadabe e, finalmente, quando a magnífica construção do Templo de Salomão ficou pronta, a arca foi escondida lá, até que no ano 598 AC. Nabucodonosor capturou Jerusalém e carregou para a Babilônia todos os vasos de ouro do Templo.

 

E será que levou junto a arca com as tábuas dos Dez Mandamentos? ...é possível; a história nada diz a respeito... até hoje, várias universidades estão escavando as ruínas da antiga Babilônia para achar as relíquias do passado.

 

Pois bem, os Dez Mandamentos foram escritos em duas tábuas: uma em relação a Deus e outra em relação ao próximo.

Oito dos dez mandamentos são em forma negativa, do tipo: “não matarás, não furtarás...

 

Alguém afirmou que o Decálogo, isto é, os Dez Mandamentos, é “o axioma da moral, o sumário da ética, o itinerário da humanidade e a coluna vertebral da sociedade”.

 

Eu quero começar a estudar com vocês cada um dos Dez Mandamentos... eles são importantes, porque são princípios de Deus para termos uma vida melhor.

O PRIMEIRO MANDAMENTO

Vamos examinar o primeiro mandamento: “Deus falou, e foi isto o que ele disse: 2– Meu povo, eu, o Senhor, sou o seu Deus. Eu o tirei do Egito, a terra onde você era escravo.3– Não adore outros deuses; adore somente a mim.” (Êxodo 20.1-3).

“Deus falou... eu o Senhor, sou o seu Deus... não adore outros deuses; adore somente a mim”. Este mandamento é a base do monoteísmo, a doutrina central da Bíblia.

 

Monoteísmo é a crença em um só Deus...diferente de politeísmo, que é a crença em vários deuses.

Hoje em dia é muito comum a gente ver carros com o adesivo: "Deus é Fiel" colocado nos vidros e lá no painel do mesmo carro uma imagem de Aparecida...

 

Mas esse primeiro mandamento já deixa logo, bastante claro, que há um só Deus vivo e verdadeiro!

 

No Salmo 14.1 o salmista afirma: “Os tolos pensam assim: “Para mim, Deus não tem importância.” Na NVI da Bíblia, lemos: “Diz o tolo em seu coração: Deus não existe”.

“Os tolos pensam assim...” – essa é a teologia tabajara – aquela dos seus problemas acabaram! Engano puro.

 

Olhe, a Bíblia não foi escrita para provar a existência de Deus... ela parte do princípio de que Ele existe, por isso que em seus 66 livros, tudo o que lemos é sobre os atos de Deus na história.

 

E há quatro atitudes em relação a Deus que uma pessoa pode ter:

Primeira, a daqueles que crêem no verdadeiro Deus;

 

Segunda, a atitude dos ateus, dos que dizem que Deus não existe;

 

terceira, dos que inventam ou criam outros deuses;

 

E quarta atitude, a daqueles que seguem o que podemos chamar de ateísmo prático: a pessoa não nega a existência de Deus, mas age como se Ele não existisse.

 

No primeiro mandamento Deus está estabelecendo (v.3): “Não adore outros deuses; adore somente a mim.”

 

Eu aprendi a levar isto muito a sério... desde cedo, a palavra adoração, eu só uso para me referir a Deus – a Ele eu adoro e devo adorar... essa coisa de dizer: “Ah! adoro plantas... adoro a minha família... adoro churrasco!” você não ouvirá de mim.

 

Deixe que eu mostre alguns deuses dos nossos dias pra você, dos quais Deus fala para não adorar:

Muitos animais irracionais são adorados como deus, por mais incrível que pareça, há povos prestando culto a serpentes, boi, crocodilo, rato!

A Veja publicou anos atrás (19 de Outubro de 1994) reportagem de um lugar na Índia em que os ratos são venerados como deuses! Já havia o boi,a vaca... agora é o rato!

 

Há povos adorando a natureza: o sol, a lua, o vento, o trovão, o mar, os planetas... certos rios são sagrados! Vulcões!

 

Dentre os países asiáticos, eu colhi informação de culto aos ancestrais... em certas famílias nobres existe no centro da casa o túmulo do avô ou bisavô, que é adorado e servido por toda a família, por gerações e gerações. E quanto mais antigo, mais nobre e celebrado é o culto – aquele povo precisa ouvir a Mensagem do Túmulo Vazio. Amém?

 

Em África, 70% do povo é composto de pagãos, de tribos que adoram os mais variados deuses e espíritos... seguem o fetichismo e paganismo na sua forma mais primitiva.

 

Outros tem cultuado a ciência, fazendo dela um deus... achando que ela resolve tudo e explica tudo... uma verdadeira fortuna de dinheiro estão sendo derramados no altar da ciência.

 

Alguns adoram a riqueza. O dinheiro é o seu deus... quantos que se atiram de corpo e alma, usando todos os meios possíveis, às vezes até errados, para atingir os seus fins?

 

Outro deus dos nossos dias é o prazer... há aqueles que adoram o deus prazer – sacrificam tudo o que tem e o que são (sacrificam o nome, a moral, a religião), para ter prazer.

 

Tem ainda a deusa popularidade, e quantos há que abandonam o bom caminho, abandonam a igreja, o evangelho, pela popularidade do mundo... mas, seca-se a flor e morre a glória que o mundo dá.

 

Outros mais, tudo fazem em busca da honra ou do poder... adoram o poder.

 

Sabe, é necessário que examinemos as nossas vidas com base no primeiro mandamento, para ver se estamos colocando Deus em primeiro lugar em tudo.

No passado, um escriba perguntou pra Jesus qual o primeiro de todos os mandamentos e, “Jesus respondeu: – É este: “Escute, povo de Israel! O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. 30Ame o Senhor, seu Deus, com todo o coração, com toda a alma, com toda a mente e com todas as forças.” (Marcos 12.29-30) .

 

Jesus respondeu citando o “Shemá” – o shemá é uma oração que todo judeu recitava duas vezes por dia, uma oração meio cantalorada, que dizia: “Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor”... até hoje os serviços religiosos das sinagogas judaicas são iniciados com a recitação do shemá: “Ouve Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor”.

 

O princípio do monoteísmo foi reafirmado por Jesus e, conforme Ele falou, passarão o céu e a terra, mas este mandamento sempre será o primeiro: “Não adore outros deuses; adore somente a mim.”

 

Conclusão

A quem estamos adorando?

Li a respeito de uma mulher que mantinha o seu carro como no dia em que o comprou... era intocável... era um deus pra ela!

 

Marcos Witt é um irmão mexicano; ele é ministro de adoração e louvor em seu país. Num livro de sua autoria publicado recentemente aqui no Brasil, lemos no prefácio, isto, que Marcos Witti escreveu: “...em muitos aspectos a musica era o meu deus, por isso a estudava com grande amor, contudo, embora quisesse estar perto da musica, não estava perto do Senhor». Ele conta que adorava a música, não adorava o Senhor.

 

Um jovem, ao saber do falecimento do papa João Paulo II (Karol Wojtyla), caiu em prantos, exclamando em altas vozes, em plena via pública: "Ele era o meu guia, o meu pai espiritual, o meu tudo. E agora, com sua morte, como é que eu vou ficar?" O papa era o seu deus.

 

Convém que façamos a mesma pergunta que Elias fez lá no passado, a pergunta é: “Até quando vocês vão ficar em dúvida sobre o que vão fazer? Se o Senhor é Deus [disse Elias], adorem o Senhor; mas, se Baal é Deus, adorem Baal!” (1 Reis 18:21).

 

Mas, que não aconteça hoje como naquele dia em que o povo não respondeu nada.

 

Eu quero convidar você a obedecer a Deus – obedecer a Deus é sempre a melhor coisa que podemos fazer. Ele é fiel e cumpre o que diz: se nós obedecemos, nós somos abençoados.

 

A partir de hoje: resolva obedecer ao primeiro mandamento: Só o único Deus, o que é vivo e verdadeiro, deve ser adorado.

 

 

Pr Walter Pacheco da Silveira, 23 de Dezembro de 2007