Meus Sermões

BELEZA INTERIOR

João 1:9-14

 

“Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós. Vimos a sua glória, glória como do Unigênito vindo do Pai, cheio de graça e de verdade”.

 

Introdução

Eu quero pensar nessa declaração que o apóstolo João faz: “E vimos a Sua glória”. (Jo 1.14)

Primeiro é necessário compreendermos de quem se está falando nesse verso 14. Quem é este cuja glória, ele diz aqui, foi vista, porque ele fala: “vimos a sua glória”; glória de quem?

 

Olhando para as primeiras palavras do verso, nós temos a resposta: “Aquele que é a Palavra tornou-se carne e viveu entre nós”.

 

Esse é um modo meio técnico, é verdade, de João se referir Àquele que se tornou carne e viveu entre nós...

Esse termo Palavra ou Verbo (conforme a Bíblia que você usa), é uma referência a Cristo, o eterno Filho de Deus.

 

Porque Cristo não começou a existir depois que nasceu de Maria. Não! Por ocasião do nascimento de Jesus, o que ocorreu foi isto: Ele se fez carne, se tornou um ser humano... “tornou-se carne e viveu entre nós”.

 

Então, João está falando de Cristo aqui... ele está falando que Cristo, o Filho de Deus, se tornou um ser humano e morou entre nós... portanto, é de Cristo que se está declarando: “Vimos a sua glória”.

 

Glória é uma palavra importante.

Hoje em dia é nome de mulher: Glória Maria, Maria Glória... mas a palavra glória é usada na Bíblia para resumir todos os maravilhosos atributos de Deus.

 

Glória é a plenitude de Deus: a sua presença, o seu amor, sua bondade, justiça, misericórdia, poder...

 

E a Bíblia então nos ensina isto: que em Cristo encarnado, isto é, feito gente de carne e osso, a glória de Deus pode ser vista nEle – e João deu esse testemunho: “vimos a sua glória”.

 

Esse testemunho de João me impressiona... o que me impressiona nesse testemunho?

Ah! O que me impressiona é que a glória de Deus foi vista em um recipiente muito simples, muito singelo... a glória de Deus foi revelada em carne humana, em forma humana, em carne e osso, tão fracos e limitados como de fato é a natureza humana!

 

Mas, Cristo, o Filho eterno de Deus, se tornou um ser humano, morou entre nós, cheio de amor e de verdade, tornando possível ser vista a natureza divina, a glória de Deus.

 

Então, é isso que me impressiona: João ter podido olhar para um homem, olhar para um ser humano, alguém como ele, feito de carne e osso também, e ver nesse homem a glória de Deus.

 

João até usou uma palavra do tempo do Velho Testamento, para descrever esse fato.

Se a Bíblia que você usa é uma versão bem antiga, então você deve ler aí no v.14 a expressão “tabernaculou entre nós”. Isso é termo próprio do Velho Testamento, que significa habitar, morar.

 

No Velho Testamento havia uma tenda, chamada de tabernáculo, que o povo hebreu montava no deserto sempre que acampava – o tabernáculo era montado bem no meio do acampamento do povo – e ali, era onde habitava (ou, tabernaculava) a glória de Deus.

 

Mas essa tenda, o tabernáculo, era feita de peles de texugo... era, portanto, muito simples por fora... não havia graça nela, nenhum atrativo havia no tabernáculo, visto por fora.

 

Ah! Mas no seu interior, lá no lado de dentro, aquela tenda era extremamente bonita... haviam cortinas com detalhes em ouro e inclusive, a arca da aliança, que ficava num compartimento chamado de Santo dos Santos, na parte dos fundos do Tabernáculo.

 

Podemos comparar o tabernáculo com a forma humana de Jesus.

João disse: “Ele se fez carne, e habitou entre nós" (João 1:14).

 

Em sua aparência, Jesus era um homem comum, em nada especial dos demais... a bem da verdade, Bíblia até diz no livro de Isaías, que: “Ele não tinha qualquer beleza ou majestade que nos atraísse, nada havia em sua aparência para que o desejássemos” (Is 53.2).

Mas, irmãos, apesar disso, João testemunhou "vimos a glória", a glória do próprio Deus.

 

João pôde olhar para aquele homem, para aquele tipo-tabernáculo, e vislumbrar beleza de Deus e majestade de Deus no interior de Jesus. Suas palavra foram: “vimos a sua glória”!

 

Irmãos, nós também somos esses tabernáculos, feitos de pele comum, de aparência comum, mas somos feitos para conter o Espírito de Deus.

Muitos de nós pode ter a aparência simples... bem ao contrário das top model das passarelas, ou das personagens maquiadas que vemos nos filmes, ou dos atores bem penteados e arrumados, que vemos nos anúncios.

 

Nenhuma beleza, talvez exista na aparência...  e talvez isso explique a razão de tantas idas ao salão de beleza, tantas horas de academia e coisas assim...

 

Mas Deus agora - neste preciso momento - está trabalhando para nos tornar belos e radiantes por dentro... como escreveu o apóstolo Paulo aos Gálatas: Cristo está sendo formado em nosso interior!

 

Conclusão

Sabe, você pode ser simples, pode ser uma pessoa comum de tudo, mas à medida que você deixar que o Espírito de Deus trabalhe em você, a beleza da glória de Cristo, a beleza da presença de Cristo dentro de você, irá brilhar no seu rosto.

E isso é o que o mundo mais precisa: ver a glória do Cristo que está dentro de você!

 

Por isso, embora seja saudável preocupar-se com a aparência e se apresentar bem, o mais importante de tudo, é que o mundo possa olhar para você e depois comentar: “estive com a Lourdes... estive com o Wellington, mas o que eu vi foi a glória, o que eu vi foi a presença e a majestade de Cristo!”

 

Deixe Cristo ser formado em você! ...o discipulado é para isto, o Quarto de Escuta é para isto, os encontro de célula é para isto, as celebrações são para isto!

 

Amém?

 

Pr Walter Pacheco da Silveira