Meus Sermões

VENCENDO O VALE
Salmo 84.4-6 

 

Introdução 
"O Vale de Baca". Conhece esse vale? ...mas você sabe o que é um vale. É aquele canal sombrio...

O Vale de Baca era também conhecido como “vale das lágrimas” – o trecho mais difícil da estrada... o vale de lamentar! 

Tinha o nome de “Baca”, porque essa palavra hebraica significa justamente isto: lágrima, choro. A NTLH traz “Vale das Lágrimas”. 

Se fisicamente você nunca visitou o Vale de Baca, qual de nós pode dizer que nunca passou, emocionalmente, por esse vale: o vale das lágrimas? 

A passagem pela vida nos faz chegar a esse vale. 

A Palavra de Deus (longe de minimizar esse fato), nos mostra que por vezes (e muitas vezes), no nosso caminhar nem tudo são rosas, nem tudo é planícies. 

Jo 16.33, há uma declaração famosa de Jesus: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo”. 

Portanto, na vida de todos: Há vales profundos, vales secos, áridos; há ermos, há desertos – há um vale de lágrimas... 

É assim que o salmista do salmo 84 se refere e chama a sua própria vida: um vale de lágrimas. 

Porque no mundo em que vivemos, por vezes, acabamos mesmo dando num vale de lágrimas. 

Então, de modo particular, cada um de nós já passou, ou está passando, por esse vale. 

Alguns, talvez, tenham chegado a esse vale de lágrimas por causa da perda, da traição, da violência... 

Outros há, chegado ao vale, por causa de alguma tentação, da indiferença ou da depressão. 

Não importa: Há sempre um desses vales sombrios que nos fazem chorar no caminho, no existir da vida de cada um de nós. 

Mas o que fazer? 

O salmista que passou essa terrível experiência nos dá a fórmula para quem quer atravessar esse vale e sair dele. 

...em primeiro lugar ele diz que: 
1. É preciso ter Deus como Fonte de nossa força

V.5 diz assim: “Como são felizes os que em Ti encontram sua força” ou “que de Ti recebem forças”. 

Só vence o vale de lágrimas aquele que faz de Deus a sua Fonte, o seu Gerador, a sua Usina de vitalidade. 

Houve uma época em minha vida que gostava de comprar livros de auto-ajuda, do tipo: Como Vencer ou Como Superar Um Mau Hábito... mas desisti deles quando descobri: dizem o que fazer, mas não oferecem poder para fazer. 

Isso porque não há força humana que resista ao Vale de Baca. Na hora do desprezo, da depressão, da tragédia, qualquer força (habilidade, conhecimento) humana é pouca comparada à pressão das adversidades sobre nós. 

Portanto, só vence o vale de Baca quem já entra nele afirmando de onde vem a sua força. 

Lembra do menino Davi enfrentando o gigante Golias? O grandalhão zombou dele dizendo: “Vem e eu vou dar o seu corpo para as aves e os animais comerem”. Mas Davi lhe disse: Tu vens contra mim com espada, e com lança, e com escudo; eu, porém, vou contra ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado”. E com essa afirmação, atirou uma pedra e o gigante caiu. 

A nossa força não vem do pensamento positivo, não vem do dinheiro, não vem do nosso líder, não vem da família – a nossa força vem do Senhor. Amém? 

Diga assim: “A minha força [novamente], a minha força, vem do Senhor”. Aleluia! 

...agora, a segunda orientação que o salmista dá para quem quer atravessar esse vale de lágrimas e sair dele, é que: 

2. É preciso ter a Geografia do coração mudada. 
No final do v.5,lemos: “Bem-aventurado o homem (...) em cujo coração se encontram os caminhos aplanados, o qual, passando pelo vale árido, faz dele um manancial (...)”. (a NTLH fala em: “...andar pelas estradas que levam ao monte Sião” – substituiu “caminhos aplanados” por “estradas” = a mesma idéia: estradas são caminhos aplanados). 

O salmista está dizendo: “Felizes são” esses... esses que são capazes de transformar o vale árido das lágrimas num manancial de bênção! 

Mas quem, exatamente, são esses? ...são aqueles cuja geografia do coração já foi alterada – o seu coração já foi aplanado, nivelado... eles que agora tem um coração plano, sem tortuosidade. 

Isto significa o seguinte: só muda a situação do lado de fora da vida, quem já mudou a situação do lado de dentro. 

Amado: É a situação do coração que determina a situação da vida. 

Portanto, é impossível mudar a história que nos envolve, sem que primeiro mudemos a história do nosso coração. 

Quem traz dentro de si essa geografia do coração transformado é capaz de transformar qualquer deserto em manancial de bênçãos. Amém? 

...uma outra orientação para quem quer atravessar seu vale de lágrimas e sair dele, é a seguinte: 
3. É preciso viver a lição da Graça. 

Essa lição está em todo o Salmo 84, mas o v.11 resume tudo numa afirmação dizendo: “Porque o SENHOR Deus é Sol e Escudo; o SENHOR dá Graça e Glória”. 

É impressionante a redundância intencional do salmista ao falar da Graça de Deus: “SENHOR dá Graça”. 

A palavra “Graça” já significa “dar”; “dar graça” então é graça ao quadrado – é graça em dobro. 

O que significa isto? ...Significa que o vale de lágrimas recebe a Graça de Deus e não a esgota nem um pouco. 

...O seu vale de lágrimas (de tristezas...), seja do tamanho que for, da fundura que for, da largueza que for... não estanca a Graça de Deus, não faz com que ela se esgote – na verdade ela é inesgotável: se o vale é grande, a Graça de Deus vem no tamanho da sua dor; ela ganha a dimensão do seu sofrimento. Amém? 

Outro dia li uma frase: “Enfrentamos situações para além dos nossos recursos, mas nunca para além dos recursos de Deus”. É fato. 

Esta é a lição da graça: quanto maior a dor, maior a quantidade da Graça enviada por Deus em nossa vida. 

É por isso que ao fazer a travessia do Vale de Baca – o vale das lágrimas, o salmista teve maior percepção da Graça de Deus.

Veja isto: No v.1 ele chama Deus de Amável: “Quão amáveis são os teus tabernáculos”. No v.2, ele chama Deus de Desejável, porque diz: “a minha está anelante e desfalece pelos teus átrios”. E ainda no v.2, ele diz assim: “o meu coração e a minha carne clamam pelo Deus vivo” isto é “canta com alegria”, porque vê Deus como o Promotor da alegria. No v.3, o salmista percebe Deus como ninho, porquanto diz: “até o pardal encontrou casa e a andorinha ninho para si” – Deus se tornou o seu Lugar de descanso e repouso. E no v.9, Deus é ainda o seu Protetor – Deus é Escudo. 

Olhe quanta graça de Deus: Amabilidade, alegria, descanso, proteção! ...tudo isso o salmista encontrou em Deus ao tomar as atitudes certas. 

Conclusão 
Quem sabe, você não esteja hoje, no meio do Vale de Baca – consumido pelas lágrimas do sofrimento?

Mas esse Salmo é uma carta de Deus para nossas vidas, cujo dia-a-dia é marcado por dificuldades, por problemas, por lutas, que acabam tornando nossas vidas num vale de lágrimas.

Por isso, a fim de atravessar esse vale e sair dele: 

1) Tenha Deus como fonte de sua força; 

2) Tenha a geografia do seu coração mudada; e 

3) Viva a lição da Graça de Deus. 

Com estas atitudes você poderá transformar o vale de lágrimas em vale de bênçãos! 

Amém? 

Ministração 
Eu quero orar para que Deus seja a sua fonte de força a partir de hoje... orar para que ele mude a história do seu coração e a história da sua própria vida... 

Pr. Walter Pacheco da Silveira