Meus Sermões

JAMAIS DEIXE O SEU LUGAR
Rute 1.1-5

 

Introdução
No Livro de Rute, aprendemos com a história de uma família pertencente ao povo de Deus que, ao enfrentar dificuldades, peregrinou por uma terra estranha – o que gerou sérias conseqüências espirituais para todos os seus integrantes (seria bom que você lesse também o Livro de Juízes para entender melhor o de Rute). 

Há lições preciosas... 
1- SAIBA QUE O PODER DE DEUS ESTÁ SOBRE VOCÊ 
Naquela época, os juízes eram pessoas separadas e ungidas por Deus para julgar as causas do povo de Israel. 

Em caso de invasão, tais juízes convocavam o povo para combater os invasores. Porém, o erro dos juízes aqui, foi não ter vigiado o verdadeiro inimigo que ataca em todas as frentes, trazendo consigo todo tipo de problema. 

No caso que vamos estudar, o diabo estava oprimindo o povo de Deus por meio da seca e, conseqüentemente, da fome. 

Rt 1.1 diz: “E sucedeu que, nos dias em que os juízes julgavam, houve uma fome na terra; pelo que um homem de Belém de Judá saiu a peregrinar nos campos de Moabe, ele, e sua mulher, e seus dois filhos”. 

Alguém pode dizer: “Mas a fome, causada pela seca, é um problema que pode acontecer em qualquer lugar”. ...Eu discordo desse pensamento, porque, muitas vezes, por trás de algo natural há implicação espiritual, isto é, pode haver a mão suja do inimigo. 

Amados: A Bíblia diz que o mundo jaz no maligno e Paulo recomendou para nós não nos conformarmos com esse mundo... não nos conformarmos com sua maldade, com seus pecados, com suas obras más... 

Pois, em qualquer adversidade, ao menor sinal de maldade, o filho de Deus deve levantar-se na ousadia do Espírito Santo contra a origem do mal e expulsá-lo. AMÉM? 

Se aqueles juízes tivessem agido assim, orado a Deus ao menor sinal do problema, a fome e o desespero não se teriam alastrado sobre aquela terra. 

Mas há crentes que não percebem a obra malvada que, durante anos, o inimigo faz em suas famílias. As coisas ruins vão acontecendo e acham normal, que é assim mesmo... 

Algumas famílias, por exemplo, têm até vários casos de suicídio; outras famílias estão sempre com algum familiar doente. Há ainda aquelas famílias cujos membros são sempre acometidos de problemas financeiros. Mas, mesmo com todas essas evidências, muitos irmãos ainda não entendem que essas situações têm fundo espiritual, e que na maioria dos casos, é o diabo que está roubando, é o diabo que está matando, é o diabo que está destruindo! 

E o fato triste é que muitos filhos do Deus Vivo andam conformados com o mundo, dizem: “Os dias são maus... as coisas são assim mesmo... fazem parte da vida...”. 

Oh! Irmãos: A verdade, porém não é só essa. A Bíblia declara que o poder de Deus está sobre nós, que o poder de Deus está conosco, que o poder de Deus está ao nosso dispor. Aleluia! Então, temos de tomar posse das bênçãos e repreender a ação do diabo em nossa família. Amém? 

Não deixe o seu lugar, porque o poder Deus está sobre você. 

A próxima lição é esta: em tempos de dificuldades em casa... 
FIQUE FIRME NA PRESENÇA DE DEUS 
Diz ainda o v.1: ...”Pelo que um homem de Belém de Judá saiu a peregrinar nos campos de Moabe, ele, e sua mulher, e seus dois filhos”. 

Belém significa Casa de Pão, pois o Senhor Deus havia prometido levar o Seu povo para Canaã, terra onde manava leite e mel, um verdadeiro paraíso. 

Esse verso, começa a narrar a história de um chefe de família que se desesperou com a fome. 

Diante daquela situação, ele deveria ter acreditado na promessa de Deus para sua provisão, mas tomou outra atitude: foi buscar ajuda em Moabe. 

Moabe era uma cidade que simbolizava o pecado, visto que o seu fundador havia sido fruto de um incesto. 

De acordo com Bíblia, depois que a esposa de Ló virou uma estátua de sal, suas filhas planejaram algo para que a descendência de seu pai não se extinguisse – mas os noivos delas também haviam morrido em Sodoma, e ninguém na cidade de Zoar, onde estavam, iria casar-se com elas, porque não tinham dote (Gn 18 e 19). Então, o que fizeram? ...embebedaram o pai, tiveram relações sexuais com ele e engravidaram. Desse relacionamento pecaminoso, a filha mais velha deu à luz Moabe, e a menor, Ben-Ami (Gn 19.30-38). 

Pois, o homem citado nesse verso, levou a sua esposa e os seus filhos para uma nação (Moabe) que jamais deveria ter existido. 

Irmãos, isso também tem acontecido com muitas pessoas, as quais estão na igreja, mas, por causa de alguma crise, desviam-se das orientações do Senhor e freqüentam lugares que a Palavra de Deus não recomenda. 

Muitos filhos de Deus, ao passarem por um momento de tribulação, peregrinam de um lado para o outro em busca de ajuda. Curiosamente, quando as coisas estão bem, eles são de Deus, mas, se os problemas surgem, saem da presença do Senhor e tomam atitudes que não são dignas de um cristão. 

Em vez de ir para Moabe a fim de falar do amor do Senhor àquele povo, o homem se juntou aos pecadores em busca de ajuda. Ele agiu sem pensar, duvidando da promessa de Deus. 

Oh! Que você, jamais tome uma atitude como essa, pois o resultado pode ser irreversível. JAMAIS DEIXE O SEU LUGAR; FIQUE FIRME NA PRESENÇA DE DEUS. Quantos dizem “amém”? 

A outra lição é: 
REVEJA O SEU CONCEITO DE AUTORIDADE ESPIRITUAL NA FAMÍLIA
Em casa, quem é a autoridade espiritual da família? Que Deus diz sobre o casal? 

Está em Ef 5.22-29: “Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo. De sorte que, assim como a igreja está sujeita a Cristo, assim também as mulheres sejam em tudo sujeitas a seu marido. Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja”. 

Como vimos, a cabeça da Igreja é Cristo e a da mulher, o homem, o qual deve ser o responsável pela família. 

Sendo assim, quando vem a crise no lar, é o homem que tem de buscar a Deus com toda a sua força. Isso não significa que os outros membros da família tenham de ficar de braços cruzados; mas, o homem recebeu do Senhor, posição de autoridade espiritual da família. 

O marido que se escora na mulher não está obedecendo à orientação bíblica. 

Aquele homem, descrito aqui em Rute 1.1, foi peregrinar com sua família em uma área pecaminosa. 

Ele, que era o chefe da casa, a autoridade espiritual da família, deveria ter entrado na presença de Deus e se firmado na promessa de Deus – pois o Senhor havia declarado que nada faltaria a Canaã –, mas, em vez disso, ele preferiu ir embora. 

Muitos sacerdotes do lar cometem, hoje, o mesmo erro: Deus não incumbiu a mulher de ser a cabeça da casa, como não deu ao marido as condições de gerar uma criança. 

Irmãos: O cuidado espiritual do lar é do marido, por isso, as mulheres não podem fazer o papel do homem da casa. Minha irmã, se seu marido ainda não entendeu a missão que Deus lhe deu, ore para que ele perceba que esse é o ministério dele. 

Quanto aos homens, vocês prestarão contas a Deus, se não ocuparem o lugar que Ele lhes designou. 

Nesta Palavra de Deus aos Efésios, está bem claro que Deus dá a responsabilidade da família ao homem: 

“Vós, mulheres, sujeitai-vos a vosso marido, como ao Senhor; porque o marido é a cabeça da mulher, como também Cristo é a cabeça da igreja, sendo ele próprio o salvador do corpo” (Ef 5.22,23). 

Então, essa condição de autoridade tem de ser respeitada dentro do lar. A mulher pode ser ungida, abençoada, um veículo da fé na obra de Deus, mas jamais pode ocupar o ministério que não lhe foi designado. 

Na minha opinião, uma mulher pode até ser pastora (como já as temos inclusive), e o seu marido exercer outra função qualquer (e ele não tem de interferir no ministério dela), mas no lar ela deve deixar a decisão com ele. 

Se o marido não assumir a posição dele, a de cabeça do lar, (Deus tenha misericórdia), ele haverá de ver os filhos andando no caminho das drogas, a família sendo destruída e ainda dará contas a Deus, pois ele é a pessoa escolhida por Deus para entrar na presença do Senhor e buscar o socorro. 

O marido deve sempre se lembrar de que é a cabeça da família; ele precisa saber que, se acontecer qualquer problema em sua casa, ele, deverá assumir sua posição espiritual para resolvê-lo, em Nome de Jesus. 

Amado: Talvez lhe seja recomendável rever o seu conceito de autoridade espiritual na família. 

Outra lição: em tempos de dificuldade... 
VOCÊ DEVE HONRAR O NOME QUE TEM
Agora vamos ao v.2: “E era o nome deste homem Elimeleque, e o nome de sua mulher, Noemi, e os nomes de seus dois filhos, Malom e Quiliom, efrateus, de Belém de Judá; e vieram aos campos de Moabe e ficaram ali”. 

Elimeleque quer dizer Deus é meu Rei. Mesmo com tamanha significância, este nome não expressava uma verdade na vida daquele homem – na verdade, era um título de fariseu. Embora o Senhor tenha dito que, em Belém, jamais faltaria comida, ele não acreditou nessa promessa, não buscou a Deus no momento da angústia, e, conseqüentemente, Deus não pôde reinar em sua vida. 

Hoje, ocorre o mesmo com muitos crentes. O significado da palavra cristão é parecido com Cristo, mas, infelizmente, muitos louvam a Deus somente “da boca para fora”. 

Não adianta gritar aos quatro cantos do mundo que somos crentes, quando, na verdade, nosso espírito está totalmente poluído, cheio de amargura e de sentimentos que não vêm do Senhor. 

Temos de ser cristãos autênticos, que crêem na Palavra, que têm sede de Deus e que vivem o Evangelho. Nós não podemos ser o tipo de pessoa que fala bem de alguém diante deste, mas que faz o contrário disso quando ele vira as costas. Quem faz isso é fariseu, hipócrita, e terá de prestar contas a Deus pelos seus maus atos. 

Precisamos vigiar nossas palavras e atitudes para que sejam parecidas com as de Jesus, e não caiamos em contradição. 

Às vezes, temos uma conduta muito boa, digna de apreciação, mas, no primeiro descuido, o inimigo tenta arruinar-nos. 

Pois, irmão, para que ele não obtenha sucesso, é necessário vigiar sempre. Amém? 

Em Deuteronômio 8.7-9, está registrada a promessa divina ao povo de Israel quando foi levado para Canaã: 

“Porque o SENHOR, teu Deus, te mete numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes e de abismos, que saem dos vales e das montanhas; terra de trigo e cevada, de vides, figueiras e romeiras; terra de oliveiras, abundante de azeite e mel; terra em que comerás o pão sem escassez, e nada te faltará nela; terra cujas pedras são ferro e de cujos montes tu cavarás o cobre”. 

As forças das trevas fizeram aquela seca acontecer para desmentir todas as promessas que Deus havia feito. 

O mesmo acontece na vida de muitos cristãos – o diabo se levanta para contradizer as promessas de Deus. 

É preciso estar atento. Se ficarmos firmes nas promessas de Deus, o inimigo não conseguirá prosperar em nossa vida, e nós vamos honrar o nome cristão. Amém? 

A lição seguinte é: 
FECHE A PORTA DAS PALAVRAS MALDITAS
Veja agora o v.2: Os pais de Elimeleque tiveram sabedoria ao escolher o nome dele, mas Elimeleque devia estar fora do juízo, quando escolheu os nomes dos filhos, chamando-os de Malom e Quiliom, pois Malom significa doença, e Quiliom, definhamento. 

Você já imaginou se alguém, em bom português, pusesse esses nomes nos filhos? ...haveria de chamá-los assim: “Ô Doença, venha aqui”; “Definhamento, você já escovou os dentes?” 

Parece brincadeira, mas não é! Elimeleque pôs esses nomes em seus filhos. 

Mas sabia que muitos pais, hoje, fazem coisa parecida? 

...claro! Ninguém vai ao cartório colocar nomes malditos nos filhos, no momento de registrar a criança, ninguém coloca tais nomes, mas há muitos pais que chamam os filhos de burro, retardado, imbecil, idiota etc. Em um momento de aborrecimento ou raiva, quantos pais perdem o juízo e amaldiçoam seus filhos, chamando-os de nomes amaldiçoados: “Você é uma peste”; “...sua praga”...“Você não vai dar em nada mesmo, seu burro”, e outras maldições como estas são constantemente dirigidas aos filhos. 

Até pais, crentes, rotulam seus filhos com palavras malditas. Eu já atendi irmãos que, quando a situação fica difícil em casa, vem dizer: Pastor, peço oração pelos filhos, que não estão rendendo nas aulas, estão causando confusão na vizinhança, ou andando com más companhias... Isso acontece porque um dia, por meio das palavras, abriram “portas malditas” para o diabo agir na vida deles. 

Há irmãs, por exemplo, que oram na igreja para o marido abandonar o vício da bebida, mas, quando ele chega bêbado a casa, elas dizem: “Sua peste, você não tem jeito mesmo?” 

Irmãos: Nossas palavras têm poder no mundo espiritual; são como sementes que plantamos. Por isso, cuidado com o que você fala. 

Peça perdão a Deus por ter proferido palavras de maldição e nunca mais as repita. FECHE A PORTA DAS PALAVRAS MALDITAS!

Em Mateus 12.36,37, Jesus advertiu-nos: “Mas eu vos digo que de toda palavra ociosa que os homens disserem hão de dar conta no Dia do Juízo. Porque por tuas palavras serás justificado e por tuas palavras serás condenado”. Amém? 

Uma outra lição é: 
CONFIE EM DEUS DE TODO O CORAÇÃO 
Agora, vejamos as conseqüências da incredulidade. 

Vamos ler o v.3-5: “E morreu Elimeleque, marido de Noemi; e ficou ela com os seus dois filhos, os quais tomaram para si mulheres moabitas; e era o nome de uma Orfa, e o nome da outra, Rute; e ficaram ali quase dez anos. E morreram também ambos, Malom e Quiliom, ficando assim esta mulher desamparada dos seus dois filhos e de seu marido”. 

Como chefe de família, Elimeleque deveria ter entrado na presença de Deus, ficado firme na fé e acreditado em todas as promessas que Deus havia feito. 

Porém, ele partiu para Moabe, saindo da presença do Senhor, o que resultou em sua morte e na de seus dois filhos. 

Quando passamos por um momento difícil, não podemos, em hipótese alguma, sair da presença de Deus, pois, se fizermos isso, estaremos nos distanciando do Único que pode nos ajudar. 

Deus sempre socorre os que nEle confiam. Amém?

No v.6, lemos: “Então, se levantou ela com as suas noras e voltou dos campos de Moabe, porquanto, na terra de Moabe, ouviu que o SENHOR tinha visitado o seu povo, dando-lhe pão”. Aleluia! 

Deus nunca falha. Ele visitou o povo que não peregrinou para as terras malditas e deu-lhe pão, conforme havia prometido (Dt 8.7-9). 

O Senhor Deus é infalível, pois tudo o que Ele promete, cumpre. Basta que confiemos, de todo o coração, para vermos o socorro dEle em nossa vida. Você deve confiar em Deus de todo o seu coração! 

CONCLUSÃO 
Em tempos de dificuldades, NÃO DEIXE O SEU LUGAR...
1. Saiba que o poder de Deus está sobre

2. Fique firme na presença de Deus

3. Reveja o seu conceito de autoridade espiritual na família

4. Você deve honrar o nome que tem

5. Feche a porta das palavras malditas

6. Confie em Deus de todo o coração

No Livro de Jó 23.3, a Bíblia descreve uma dificuldade do ser humano, que é saber onde achar Deus: “Ah! Se eu soubesse que o poderia achar! Então me chegaria ao seu tribunal”. 

Naquela época, as pessoas não tinham livre acesso a Deus; era necessário que um sacerdote intercedesse pelo povo. Hoje, entramos livremente em Sua presença, pois Jesus tornou-Se o Sumo Sacerdote, que nos leva à presença do Pai. 

Para falarmos com Deus, é necessário que o façamos em Nome de Jesus, Seu Filho. Em João 14.6, Jesus declarou: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”. 

Podemos encontrar Deus e temos condições de chegar até o trono dEle por meio do Nome de Jesus, mas, quando chegamos, não podemos desesperar-nos – é importante saber o que falar. 

Por isso, reserve um tempo para meditar no assunto, a fim de que você saiba o que falar na presença de Deus. 

Vá para um lugar em que se sinta mais à vontade, pense sobre tudo o que lhe tem acontecido e o que você tem aprendido. 

Se Elimeleque tivesse feito isso, não teria tomado uma atitude precipitada; ele teria aberto o coração diante do Pai e teria clamado por intervenção divina, como disse Jó: “Com boa ordem exporia ante ele a minha causa e a minha boca se encheria de argumentos” (Jó 23.4). 

Jamais devemos “orar por orar”. Temos de expor tudo ao Senhor Deus com boa ordem. 

Mas o que significa isso? É colocar diante dEle, com sinceridade no coração, a causa do problema e quando este começou. Se foi algum pecado que abriu brecha para o diabo entrar, é necessário confessar isso a Deus, a fim de que Ele perdoe e feche a porta para que o inimigo não invada; se foi uma mágoa, é necessário perdoar o ofensor para que a dificuldade cesse. 

“E a minha boca encheria de argumentos” (v. 4b). 

Os argumentos para Deus não são os humanos. Há pessoas que oram assim: “Deus, cura-me, porque eu estou sofrendo muito”. Isso é argumento humano. 

O argumento divino é fundamentado na Palavra de Deus. É necessário encontrar na Bíblia uma promessa sobre seus direitos em Cristo, para que ela seja a base de sua oração. 

Por exemplo, se uma pessoa está sofrendo com uma enfermidade, ela vai meditar no texto de Isaías 53.4,5, o qual diz: “Verdadeiramente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputamos por aflito, ferido de Deus e oprimido. Mas ele foi ferido pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e, pelas suas pisaduras, fomos sarados”.

No momento em que a pessoa entender que ela tem direito à saúde, pois Jesus levou sobre Si todas as enfermidades da humanidade, então, ela orará a Deus e exporá sua doença, sabendo que a Palavra de Deus lhe garante saúde. Ou seja, ela fará uma oração alicerçada nas Escrituras e será prontamente respondida. 

Os juízes não acreditaram que o poder de Deus pudesse também agir contra os inimigos invisíveis e, por isso, não vigiaram, e a fome chegou. 

Se você não vigiar, o maligno virá e arrasará sua vida. 

Às vezes, quando o diabo cria uma situação embaraçosa, uma crise na vida de alguém, a pessoa se precipita e toma decisões erradas. 

Como vimos, isso foi o que aconteceu com Elimeleque. Portanto, amado, não faça como ele, que pagou o preço por sua decisão errada. Busque a Deus, creia em Suas promessas, tome posse delas e veja o livramento do Senhor em sua vida. Amém? 

Eu gostaria de orar com você agora. 

Para que não haja impedimento algum, eu o aconselho a se acertar com o Senhor Deus. 

Neste momento, peça-Lhe perdão por todos os seus pecados. Se você não é convertido ainda, aceite o Senhor Jesus como seu Salvador e seja salvo agora. Se você está desviado, é hora de você voltar para o Senhor. 

Oremos.

Pr Walter Pacheco da Silveira