Meus Sermões

O PERIGO DE ESCOLHER O BOM AO INVÉS DO MELHOR
Salmo 106.14

 

Introdução 
A palavra que Deus me deu para repartir esta noite está no Sl 106.15. A NVI da Bíblia traz: “Deu-lhes o que pediram, mas mandou sobre eles uma doença terrível”. Baseado neste verso criei um tema para esta mensagem: “O Perigo de Escolher o Bom ao Invés do Melhor”.  Imaginei este tema porque Deus sempre insiste conosco para escolher:  
Obedecer ou desobedecer;  
A bênção ou a maldição;  
A vida ou a morte;  
Cristo ou o mundo...  

A escolha é inevitável; temos que fazê-la! – e quando nossa vontade se rende e faz a escolha por Jesus, e nossa vida se abre para que Ele reine, somente o primeiro passo na vida cristã é que foi dado.  A partir dessa escolha, há um caminho que teremos de percorrer, há uma vida a ser vivida!  
E no decorrer deste caminho, existe a cilada sutil de se escolher o bom ao invés do melhor. Repita comigo: “Existe o perigo – de escolher o bom – ao invés do melhor”.  Amado irmão, a vida é uma longa série de escolhas que precisam ser feitas diariamente entre aquilo que é bom e melhor, grande e enorme, supremo e superior! ...entre o que agrada a si mesmo e o que agrada a Deus.  
E o perigo mais comum para a vida daqueles que se tornaram crentes, não é o que muitos imaginam: Desviar-se da fé em Jesus e tornar a cair em pecado. Não!  
...o perigo mais comum para o crente, a tentação mais freqüente aos crentes, é a de escolher o bom ao invés do melhor.  
...escolher algo que tem inúmeras vantagens, mas que não é a vontade clara de Deus para nós.  
Eu li o Sl 106.15, que fala: “Deu-lhes o que pediram, mas mandou sobre eles uma doença terrível”.O texto se refere ao povo de Israel. O propósito de Deus para aquela nação é que não tivessem rei, porquanto, o próprio Senhor seria seu Rei; assim, Israel seria exemplo para o mundo inteiro.  
Mas Israel se rebelou, o povo queria ser igual aos outros povos, possuidores de um rei terreno. Pediram um rei para guiá-los; queriam um monarca com toda a pose e esplendor dos reis das outras nações.  
Por isso, Deus disse ao profeta Samuel: “Muito bem; nomeie um rei para eles; não estão escolhendo o melhor, mas vou permitir que tenham o bem inferior escolhido por eles mesmos. É a única maneira de mostrar-lhes a tolice que estão fazendo”.  
A história de Israel a partir daí mostrou realmente o perigo que é de se escolher o bom ao invés do melhor – o povo foi retirado da sua terra e levado para o cativeiro...  Até hoje em Israel é desastre após desastre!  
Por isso o Sl 106 diz: o Senhor “Deu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma”.  Amado irmão: Deus dá muita importância às escolhas que são feitas em cada momento crucial de nossas vidas.  
Há vezes em que uma oportunidade nova é colocada diante de nós, mas somos tentados para seguir por um caminho em que vantagem financeira e pessoal estão em primeiro lugar.  
Somos tentados a garantir para nós mesmos as vantagens que já temos, o conforto e as facilidades que já possuímos e, assim, nos perguntamos: “Não posso conciliar as coisas e tirar o máximo proveito disto e daquilo?”  O perigo é que, ao tentar conciliar as duas coisas, ao tentar conciliar a nossa vontade com a vontade de Deus, acabamos por escolher o bem inferior.  
Se isto acontecer, Deus não vai nos abandonar, mas Ele permite que a escolha inferior corrija nossa vontade própria, e nos conduza de volta ao lugar de obediência de todo o coração ao Senhor.  
A escolha de um bem inferior, a escolha do bom ao invés do melhor, pode resultar na perda de uma oportunidade que não voltará mais...  

Deus está falando ao seu coração? Você está sendo tentado a escolher o que é bom ao invés do melhor, pelo fato do que é bom já ser do seu agrado, do seu domínio, do seu prazer? ...e o que é melhor, ser algo ainda não experimentado, não completamente conhecido?  
Que situação! Imagine você tendo um bom emprego, e lhe aparece a chance de ter um excelente emprego... você então precisa fazer uma escolha e aí enfrenta um grande desafio de fé. Você diz: “No emprego que tenho já estou acostumado, tenho o domínio da função, já conheço todo o pessoal...”  Mas diante de si está a oportunidade de algo melhor, um emprego melhor! ...mas você terá que aprender o novo trabalho, terá que conhecer e lidar com outras pessoas, enfrentará situações inesperadas...  
...é nesse dilema que muitos acabam escolhendo o que é bom ao invés do que é melhor. ...se contentam com o que é bom, (pois já se acostumaram a ele), e recusam o que é melhor, por tratar-se de algo novo...  
Ouça: Perigoso não é escolher o que é novo; perigoso é se contentar com aquilo que é bom. Novamente o Sl 106 diz: o Senhor “Deu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma”. VOCÊ QUER ISSO?  Oh! irmãos: Esse é o verdadeiro perigo mais comum para os crentes! Não é que se desviem da fé em Jesus e tornem a cair em pecado. Não!  
...o perigo mais comum para o crente, a tentação mais freqüente aos crentes, é a de escolher o bom de Deus ao invés do melhor de Deus.  

As igrejas andam cheias de crentes satisfeitos com aquilo que é bom. Estão contentes por já terem o bom: 
- Estamos salvos do inferno, isso é bom. 
- Somos membros de uma igreja, bom! 
- A minha igreja trabalha domingo e quarta-feira, bom! 
- Eu já canto, oro, leio a Bíblia... bom! 
- Ah! Entrego o dízimo. Bom!  

Amado, a Bíblia diz para nós crentes andarmos em novidade de vida (Rm 6.4), isto fala de nos aventurarmos, de nos arriscarmos por alcançar coisas novas e melhores e maiores da parte de Deus!  
A Bíblia também diz que temos asas como de águias; isto fala de subir às alturas, aos lugares cada vez mais altos, aos cumes dos montes e experimentar o melhor de Deus!!!  

Conclusão
Se hoje, você está parado naquilo que é bom de Deus, eu quero que você saiba, que: “As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam” (1Co 2.9).As melhores coisas de Deus ainda estão por ser conquistadas e experimentadas. 
Você vai correr o perigo de escolher o bom ao invés do melhor?  

Agora mesmo, faça a escolha pelo melhor de Deus! 

Pr Walter Pacheco da Silveira - 03/07/2002