Meus Sermões

A QUESTÃO DA AUTORIDADE

Romanos 13.1-5

 

Introdução

Temos considerado este texto, que é fundamental para compreendermos o tema: Autoridade e Submissão.

Há várias verdades contundentes sobre o assunto... três delas procurei abordar na vez anterior: 1) Todos precisam sujeitar-se às autoridades; 2) Deus é a fonte de toda autoridade, e 3) Resistir à autoridade é a mesma coisa que resistir a Deus.

 

Hoje volto para abordar três outras verdades contundentes sobre o assunto.

 

...a primeira verdade é esta:

1- A REBELIÃO TRAZ CONSEQÜÊNCIAS

Quando nós nos levantamos contra ou, não nos submetemos àqueles a quem Deus colocou por autoridade sobre nós, lemos aqui no v.2, que atraímos juízo sobre nossas vidas.

Está escrito isto: “os que resistem trarão sobre si mesmos condenação”.

 

Uma palavra bem interessante para aqueles que não gostam de ter chefe, não gostam de ter líder, não gostam de ter alguém no comando...

Alguns são tão insubordinados, que até criaram aquele pensamento: “Chefes são como as nuvens... quando desaparecem, o dia fica lindo!” E comemoraram!

 

Mas você já imaginou sofrer, em vida, a condenação de Deus, por haver sido rebelde à autoridade do seu pai ou mãe? Ou por haver sido rebelde à autoridade do seu pastor, ou por haver sido rebelde à autoridade do seu patrão, chefe ou presidente?

 

A Bíblia diz: “...aqueles que se recusam a obedecer às leis da terra estão se recusando a obedecer a Deus, e o castigo sobrevirá” (Bíblia Viva). Isso deve criar em nós um temor, um temor no sentido de nos guardarmos desse pecado.

 

Foi Lúcifer e os seus anjos, que primeiro romperam os limites de autoridade que Deus estabeleceu... o primeiro ser rebelde, desobediente a Deus, foi o diabo com os seus demônios...

E o castigo de Deus veio sobre eles – eles estão condenados ao lago de fogo que arde com enxofre...

 

Porém, não é esse o propósito de Deus para as nossas vidas, todavia, traremos castigo sobre nós mesmos ao nos recusarmos obedecer a autoridade. A REBELIÃO TRAZ CONSEQÜÊNCIAS.

 

…a próxima verdade é:

2- SOMOS TRATADOS NA SUJEIÇÃO

A Bíblia diz que as autoridades são instituídas para o nosso bem.

No v.5, lemos isto: “...é necessário que sejamos submissos às autoridades, não apenas por causa da possibilidade de uma punição, mas também por questão de consciência”.

 

As autoridades tratam conosco, impondo limites sobre nossas vidas, estabelecendo um preço para os nossos erros e nos levando a ser fiéis.

 

Mas acima de tudo isto, estar sob a autoridade de homens nos leva à humildade e ao quebrantamento – marcas que são indispensáveis na vida de todo crente que quer manifestar o caráter de Jesus.

 

As autoridades nos tratam: você aprende a ser pontual, organizado, responsável no cumprimento de suas tarefas, por causa das autoridades!

É por causa da autoridade que está sobre ele, que o soldado aprende a manter suas botas limpas e uniforme alinhado... agora, imagina um quartel sem comandante... uma casa sem chefe de família... uma igreja sem líderes...

 

Sem nos submetermos à autoridade, ficamos sem tratamento... o nosso caráter fica sem ser lapidado ou polido... esta é a verdade: NA SUJEIÇÃO ÀS AUTORIDADES, SOMOS TRATADOS.

 

...e eis a terceira verdade sobre o assunto:

NÃO CONFUNDIR A AUTORIDADE COM A PESSOA

É muito importante a gente entender que Deus é a origem de toda autoridade.

Porque, quando não entendemos isto, aí, nós olhamos para o chefe, olhamos para o patrão, ou para os nossos pais, e reparando a dignidade deles, descobrimos  que erram, que cometem falhas, e então concluímos: “Ah! não vou me submeter a sua autoridade, porque você é isso ou aquilo...”, então, apontamos os erros ou as falhas como desculpa para não nos submetermos.

 

Mas não é este o ensino da Palavra de Deus. Em 1Pe 2.19, lemos isto: “...sujeitem-se a seus senhores com todo o respeito, não apenas aos bons e amáveis, mas também aos maus”.

 

Este é o ensino de Deus para a relação de trabalho, entre empregado e patrão... mas serve para a relação de família, entre filho e pais, e entre marido e mulher... esse é o ensino de Deus também para a relação na igreja, entre ovelha e pastor, entre discípulo e discipulador...

 

Não olhamos para a pessoa, não olhamos para a dignidade dela... o que consideramos é: Deus é a fonte de toda autoridade – Ele colocou você em posição de autoridade sobre mim, então devo respeitá-lo.

 

Portanto, nosso dever é nos submetermos sempre, não importa quem esteja investido de autoridade.

Se aqueles denunciados lá da CPI do Mensalão, fosse um deles o seu patrão, você deveria ser obediente a ele.

 

Agora, é óbvio que há um limite para a obediência às autoridades.

Esse limite se baseia na direção que a autoridade dá.

 

Por exemplo, se alguém que foi investido por Deus de autoridade sobre minha vida, exigir de mim algo que me leva a ofender a Deus ou desobedecer a Deus, então, eu não devo obedecer... neste caso, vale a direção dAquele que é superior, Deus...

 

Certa vez, os apóstolos disseram diante das autoridades religiosas de sua época, quando foram proibidos de anunciar a Palavra de Deus, eles disseram: “Mas importa obedecer a Deus do que aos homens” (At 5.29).

 

Essa é a verdade: NÃO CONFUNDIR A AUTORIDADE COM A PESSOA.

 

Conclusão

Mostrei três verdades contundentes:

1- A REBELIÃO TRAZ CONSEQÜÊNCIAS

2- SOMOS TRATADOS NA SUJEIÇÃO, e esta última:

3- NÃO CONFUNDIR A AUTORIDADE COM A PESSOA

 

Um tempo de reflexão e oração sobre a seguinte questão: Eu tenho alguma dificuldade para me submeter às autoridades no meu lar, trabalho, igreja?

 

 Pr Walter Pacheco da Silveira, 21.08.2005.