Meus Sermões

PERDOAR É UMA ESCOLHA 
Mateus 6.14, 15

 

“Pois se perdoarem as ofensas uns dos outros, o Pai celestial também lhes perdoará. Mas se não perdoarem uns aos outros, o Pai celestial não lhes perdoará as ofensas”. 

Introdução
No livro “A Importância do Perdão” (John Arnott), eu li uma observação muito interessante: “Quando a gente é o “pecador” e o Espírito Santo nos convence do pecado, nós queremos a misericórdia, mas quando nós somos a “vítima”, clamamos para que haja justiça!”

Quando eu li isto, o Senhor me fez ver duas placas do tipo letreiro luminoso na minha frente. Na primeira placa, brilhando com luz de neon, estava escrito a palavra “Misericórdia”. E na segunda, como se fosse um pisca-pisca, aparecia a palavra “Justiça”. 

“Misericórdia” e “Justiça”. Destas duas, uma é boa; mas a outra é melhor. Qual é a boa? Qual é a melhor?

A boa, deixa eu lhe mostrar, é a JUSTIÇA.

A dimensão da justiça ela é assim: Se você me ferir, eu posso te ferir também. Se você me quebrar um dente, eu posso te quebrar um dente. Se você me furar um olho, eu posso te furar um olho também... é olho por olho, dente por dente! 

O que nos leva a reagir assim? ...é a nossa própria natureza humana, inclinada para o mal. É uma reação espontânea nossa: pisar naquele que nos pisou; clamar por justiça ao invés de misericórdia para aquela pessoa. 

Mas nós podemos ter uma reação diferente; ao invés de uma reação natural (própria da carne), podemos ter uma reação sobrenatural (própria do Espírito Santo), porque somos filhos de Deus e temos acesso à dimensão do Espírito. Amém?

O crente pode perdoar aquilo que é imperdoável nos outros, pois Deus perdoou aquilo que é imperdoável em nós!

Lembre-se do caso de Estevão – o primeiro mártir da Igreja: Ele morreu apedrejado. A reação de Estevão para com seus adversários não foi uma reação natural do homem. 

Naquele momento, ele teve uma reação sobrenatural... ele deixou a dimensão da justiça e alcançou a dimensão da misericórdia, a ponto de pedir como Jesus havia pedido: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc 23.24).

Mas, por que muitas pessoas não conseguem entrar nessa dimensão da misericórdia e perdoar, e liberar perdão, ao invés de só ficar clamando por justiça?

É que ocorre o seguinte: quando não perdoamos, abrimos uma brecha em nossa vida, uma brecha que dá direito legal a que um demônio, um espírito maligno, entre para nos torturar por dentro e ficar o tempo todo nos lembrando aquela ofensa, nos levando a remoer aquela dor, a ficarmos antipatizando aquela pessoa, ressentidos e magoados com ela...

Esse demônio cria antipatias, enche o nosso coração de amargura, de rancor, de ira, de ódio... e ele ainda nos faz ficar agressivos, violentos, vingativos...

E você sabe qual é esse demônio que perturba a pessoa que não perdoa, que não libera perdão? É o demônio “torturador”, ou “verdugo”, como disse Jesus, numa passagem, que quero ler de Lucas 18.23-35.

22 Jesus respondeu: “Eu lhe digo: Não até sete, mas até setenta vezes sete. 23 “Por isso, o Reino dos céus é como um rei que desejava acertar contas com seus servos. 24 Quando começou o acerto, foi trazido à sua presença um que lhe devia uma enorme quantidade de prata. 25 Como não tinha condições de pagar, o senhor ordenou que ele, sua mulher, seus filhos e tudo o que ele possuía fossem vendidos para pagar a dívida. 26 “O servo prostrou-se diante dele e lhe implorou: ‘Tem paciência comigo, e eu te pagarei tudo’. 27 O senhor daquele servo teve compaixão dele, cancelou a dívida e o deixou ir. 28 “Mas quando aquele servo saiu, encontrou um de seus conservos, que lhe devia cem denários. Agarrou-o e começou a sufocá-lo, dizendo: ‘Pague-me o que me deve!’ 29 “Então o seu conservo caiu de joelhos e implorou-lhe: ‘Tenha paciência comigo, e eu lhe pagarei’. 30 “Mas ele não quis. Antes, saiu e mandou lançá-lo na prisão, até que pagasse a dívida. 31 Quando os outros servos, companheiros dele, viram o que havia acontecido, ficaram muito tristes e foram contar ao seu senhor tudo o que havia acontecido. 32 “Então o senhor chamou o servo e disse: ‘Servo mau, cancelei toda a sua dívida porque você me implorou. 33 Você não devia ter tido misericórdia do seu conservo como eu tive de você?’ 34 Irado, seu senhor entregou-o aos torturadores, até que pagasse tudo o que devia. 35 “Assim também lhes fará meu Pai celestial, se cada um de vocês não perdoar de coração a seu irmão”.

No v.34, dependendo da versão que você usa, aparece “Verdugo”. Esta é uma palavra que significa: algoz, carrasco, aquele que castiga. A minha versão da Bíblia, que é NVI, diz “torturadores”.

Isso quer dizer que, espiritualmente, a pessoa que não perdoa, ela fica entregue a “verdugos espirituais”, isto é, a espíritos torturadores.

Esse é o grande problema de quem não perdoa, de quem só fica na dimensão da justiça, respirando vingança, ódio e ira: a pessoa fica sob a ação de demônios!

Ah! Mas eu sou crente e demônios não me perturbam! ...ouça: A Bíblia diz para nós crentes não darmos lugar ao diabo, porque se você der lugar ele entra.

Agora, a MISERICÓRDIA é o seguinte: é uma coisa melhor e bem mais alta!

Imagine isto: Eu te pisei no pé; logo, mereço ser pisado também. Porém, a misericórdia te leva a dizer pra mim: “Não, não vou fazer o que você merece. Vou te amar. Vou deixar de pisar no teu pé. Vou te perdoar e te liberar”.

Você viu? Por causa da misericórdia, não houve amargura no seu coração. O amor de Deus fluiu de você ao ponto de nós dois sermos abençoados (eu, sem o merecido pisão no pé; e você, sem a amargura causada por verdugos no coração)!

Agora, você diz: “Pois, sim! Quem é que vai querer ficar no prejuízo? Quem é que, tendo levado um pisão no pé, vai querer amar, perdoar e liberar aquela pessoa?

Amado, isto é um milagre que acontece por uma escolha feita.

Deixa eu explicar: o perdão é composto de dois elementos; um natural (que brota no próprio homem, na própria pessoa; o outro elemento é sobrenatural (é de competência divina).

A partir desses dois elementos Deus opera o milagre nessa questão do perdão: restaurando a alma, curando as emoções feridas, libertando a pessoa da amargura e dos espíritos torturados...

Quando você perdoa, não precisa esquecer nem esquecer a ofensa, ou fazer de conta que ela não aconteceu... não é necessário isso, porque a ofensa não dói mais. É como uma cicatriz em sua mão. No momento em que você foi ferido, saiu sangue e doeu, doeu muito, mas logo sarou e ficou a cicatriz como uma lembrança. Só que agora não dói mais. O perdoar é assim: Mesmo que fique a lembrança como uma cicatriz, a ofensa não dói mais, não perturba, não faz sofrer mais.

Mas esse milagre tem uma condição: Nós devemos fazer a nossa parte, confiando que Deus fará a dEle.

E qual é a nossa parte? Escolher perdoar. (diga: o perdão é uma escolha).

Sim! Deus só fará o milagre quando fazemos o que nos cabe fazer. E é aqui, onde justamente, muitos encontram o “estorvo”, o empecilho, o obstáculo que lhes impede de verem o milagre de Deus acontecer. 

Pois não basta dizer: “Senhor Deus, faz o milagre!” ...porque Deus, em contrapartida, dirá: “Libere o perdão!” 

Se a pessoa não faz a escolha de perdoar, Deus não faz o milagre.

Você está entendendo? ...o perdão é uma escolha que você faz, é uma decisão que você.

Às vezes a pessoa diz: “Não estou sentindo que devo perdoar”... mas perdão não é sentimento... você nunca sentirá que deve perdoar alguém (mesmo porque, esta não é a nossa inclinação natural). Perdoa é uma decisão que você toma.

Conclusão
Então, hoje, Deus está dizendo para nós: Entre na dimensão da misericórdia; ESCOLHA PERDOAR e um milagre vai acontecer! Essa é a lição que precisamos aprender: (diga: para si mesmo: O Senhor /quer que eu faça /a escolha de perdoar). Amém?

Então, quando a pessoa, sendo ofendida, faz a escolha de perdoar, de liberar perdão para quem lhe ofendeu, Deus faz o milagre acontecer na vida dela!

Nenhuma brecha na vida é aberta. E se estava aberta, mediante o perdão, ela é imediatamente fechada e os demônios, os espíritos torturadores, batem em retirada! Aleluia!

Se haviam mágoas, se havia tristeza, se as emoções ficaram feridas, se ressentimentos tiveram lugar e outras feridas de alma, o milagre operado por Deus, restaura tudo! Tudo! Tudo!!! Aleluia!!!

Ministração
Quero que você se coloque em pé nesta hora. Feche os seus olhos... Você vai ouvir uma canção e Deus vai falar algo com você. Então, importante: aquiete-se; esteja em completo silêncio. Só procure ouvir a voz de Deus. Está bem?
.............faixa do CD

Ah! Quantas vezes nós temos precisado do refrigério e da cura do Senhor!

Esta manhã, eu quero que venha aqui à frente, todos aqueles irmãos e irmãs, que sentem, sinceramente, que precisam alcançar a dimensão da misericórdia... venha aqui comigo a fim de fazermos uma oração de bênção.

...se você, hoje, está dizendo a si mesmo: “Sim, fui ofendido, fui maltratado... me humilharam! Eu só sinto revolta, ódio... o meu coração está cheio de amargura. Porém, hoje eu escolho perdoar. Eu quero cura, eu quero ser curado de todas as feridas de alma; eu quero ser curado da amargura, quero ser curado da dor do ressentimento, da tristeza, da mágoa”...

...se você está dizendo: “eu quero que o rio de Deus, cujas águas são purificadoras, eu quero que flua, quero que passe na minha alma, me envolvendo, me curando e me limpando”...então, eu quero informar você, que este rio de águas que curam, o rio de Deus, está ao seu dispor, fluindo neste lugar! Aleluia!!!

Oração 
Senhor Deus, meu Pai, estamos expostos à Tua presença nesta hora. E eu declaro, que em Tua presença, Senhor, nos sentimos confortáveis, porque temos a consciência de que somos filhos amados do Senhor. Aleluia! 

Oh! Querido Deus: Também estamos como que despidos diante de Ti. O nosso coração está aberto para o Senhor. Nós deixamos de lado toda a resistência, toda a vontade própria, e nos submetemos à obediência do Senhor. Também não escondemos, do Senhor, nada nesta hora; mesmo porque, nada podemos esconder; tudo é visível aos teus olhos! 

Oh! Deus, pelo mover das águas do Teu Espírito, eu peço agora. Traz revelação nesta hora. Eu sei que é da vontade do Senhor fazer uma obra completa dentro de nós, e por isso, Senhor, estamos submetidos aqui, ao agir do teu Espírito nesta hora. 

O Senhor tem liberdade; tenha liberdade em nossas vidas, Senhor! Tenha liberdade para mover o teu Espírito Santo entre nós. Queremos ser inundados pela tua presença! 

Por isso, ó Deus, eu peço ao Senhor, em nome de Jesus: Venha descendo. Venha descendo. Venha descendo neste lugar. Venha descendo, descendo com Tua glória. Queremos ser absorvidos por Tua glória. 

Tua glória enche a terra. Tua glória enche os céus. Tua glória pode encher nossas vidas, pode fazer brilhar de alegria o nosso rosto... e sob o peso da Tua glória, Senhor, somos despertados para uma vida pura, uma vida santa. Por isso, venha descendo com Tua glória sobre nós! 

Venha descendo! Venha descendo, Senhor! Venha descendo com o Teu poder. Todo o poder pertence somente ao Senhor, todo o poder no céu e na terra. Mas somos Teus filhos e podemos ser fortalecidos na força do seu próprio poder. Aleluia! 

Por isso, querido Deus, fortaleça com Teu poder a teus filhos e a tuas filhas nesta hora. O Senhor falou: “Tendes poder para esmagar debaixo de vossos pés escorpiões e serpentes”. Mas nós confessamos: estávamos esquecido disso, e demos brecha ao inimigo; ele nos feriu com amargura de coração, com ressentimentos, com mágoas, impedindo-nos de liberar perdão. Mas estamos arrependidos, Senhor, e te pedimos: Senhor, restaura-nos à posição de poder. Dá-nos novas forças! Novas forças, Senhor! Novas forças! 

Oh! Senhor Deus, venha descendo! Venha descendo mais. Venha descendo! Venha descendo com cura! Teu nome, Senhor, é Jeová Rapha – o Senhor que sara. Aleluia!! 

As nossas aflições, as nossas tristezas, as nossas dores, o Senhor levou sobre Si... tomou sobre Si as nossas enfermidades, e levou as nossas doenças. Então, pelo castigo que o Senhor sofreu, somos curados! Pelos ferimentos que o Senhor recebeu, somos sarados! 

Por isso, eu proclamo em fé: todo coração machucado, cheio de tristeza, cheio de amargura, que não quer perdoar... seja curado em o nome de Jesus! Aleluia!! 

Oh! Senhor, continue descendo! Venha descendo. Venha descendo mais! Mais! Mais! Venha descendo, Senhor. Venha descendo com Tua unção! 

A unção do teu Espírito quebra todo o jugo... Tua unção nos capacita. Tua unção é um tônico fortificante para nossa alma, para o nosso corpo, porque nos dá descanso e refrigério. Com a Tua unção, nos tornamos valentes, nos movemos em fé e dizemos aos gigantes, como disse Davi, teu servo: “Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu vou a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel... e ele vos entregará na nossa mão”. Aleluia! Oh! Com a tua unção, Senhor, somos capacitados a romper em fé! Por isso, faz escorrer sobre nós a unção do Teu Espírito! Dá-nos Tua unção, Senhor! Dá-nos agora! Agora! Agora! Agora, Senhor! ...isso, isso, Senhor, dá-nos agora! Oh! Aleluia!

...você pode receber! Receba a unção! Receba! Receba! Fique cheio! Cheio!! ...graças, Senhor. Amém. Aleluia!!!

Pastor Walter Pacheco da Silveira