Meus Sermões

VOLTANDO PARA O PAI

Lucas 15.11-24

 

Introdução

O poeta Vinícius de Moraes foi o autor dessa máxima: “A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida”.

É fato, há muito desencontro pela vida a fora: amigos, parentes, pais e filhos, namorados, marido e mulher... pessoas discutem, se desentendem, se magoam e se afastam... é o desencontro pela vida, e muitas vezes, esse desencontro é para sempre.

 

Que triste! ...aqui está uma história, que Jesus contou de um desses desencontros pela vida... e essa história, Jesus contou com o propósito de nos mostrar que o Pai celestial, recebe de volta, os pecadores que se arrependem.

 

Um filho reuniu tudo o que tinha, e foi... foi para longe do seu pai... foi para uma região distante...

 

Essa história é a história de todos nós...

O pai aqui é Deus... Deus que nos fez, Deus que nos criou... que nos formou com muito amor...

 

E o filho da história, que foi para uma região distante? ...ah! esse somos nós... O filho que partiu, deixando a sua casa, deixando o seu pai, representa cada pessoa, cada ser humano, cada um de nós!

 

Como assim, cada um de nós?

Ora, no começo, eram Deus, Adão e Eva... uma família unida, feliz... Adão e Eva viviam felizes no Jardim do Éden... e o próprio Deus, todas as tardes, passeava com eles...

 

Até que o diabo, inimigo de Deus, travestido de serpente, tentou a Eva e depois, tentou a Adão, para que eles desobedecessem a Deus...

 

E eles desobedeceram (essa desobediência chama-se pecado ­– pecado é desobediência a Deus... pecado é rebeldia para com Deus)... ao pecar, homem e mulher viraram as costas para Deus.

 

E se você pergunta: bem, o que nós temos com isso... o que nós temos a ver com o pecado de Adão e de Eva, se foram eles que pecaram?

Sabe, Adão e Eva foram o primeiro homem e a primeira mulher da raça humana – então, havendo eles pecado, todos quantos vieram a existir depois deles, nasceram pecadores como eles haviam se tornado.

 

Depois do pecado de Adão, todos tornaram-se pecadores... essa foi a herança que o primeiro homem e a primeira mulher nos deixaram!

 

Essa é a verdade... está escrito na Bíblia em Rm 3.23: “pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus”.

 

Houve um desencontro...

Como o filho da história, contada por Jesus, que foi para um lugar distante... assim, o homem também foi para longe de Deus...

 

Ah! mas, essa não é a história completa...

Jesus conta que o filho voltou para o seu pai, e que nessa volta, ele foi restaurado: as roupas imundas, que cheiravam a porco, foram trocadas pelas melhores roupas da casa... um anel de príncipe lhe foi colocado no dedo... até sandálias, que representam proteção espiritual, o filho que voltou, recebeu, por ordem do pai!

 

Sabe o que isto revela?

Isto revela que quando um pecador se arrepende, Deus recebe a ele de volta e lhe restaura à posição de filho...

 

Quantas vezes somos riscados do caderno das pessoas... é porque cometemos um erro, uma falha, um desagrado... mas, mesmo pedindo perdão, essas pessoas dizem pra nós: “Não adianta. Acabou. Eu não quero mais nada com você. Eu não te conheço”.

 

Ah! Mas, Deus seja louvado pela mensagem do Evangelho.

Porque a mensagem do evangelho diz que Deus não nos ignora... Deus não nos rejeita... mesmo havendo pecado, Deus não riscou nosso nome do Seu caderno!

 

O que Deus mais deseja é que nós voltemos para Ele... É maravilhoso!

 

O propósito de uma parábola, ensinava Martin Lloyd-Jones, “é nos apresentar e ensinar uma grande verdade positiva”.

E a grande verdade positiva aqui, amados, é que se nos arrependermos do nosso pecado, então podemos voltar para Deus, porque Ele espera nos receber de volta e nos restaurar à condição de filhos... Seus filhos!

Então, vamos aprender com essa história, o que precisamos fazer para voltarmos para Deus.

 

...a primeira providência é essa:

TEMOS QUE TER CONSCIÊNCIA DE QUE NÃO PODEMOS VIVER LONGE DE DEUS

Veja o que lemos no v.17 aqui de Lucas: “Caindo em si, ele disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome!”.

Aquele jovem, contou Jesus, “caiu em si”. Ele estava vivendo na miséria, enquanto que poderia ter tudo o que precisasse, na casa do seu pai.

 

E era miséria mesmo... distante do pai, sem nenhum recurso, veio um tempo de fome, e a única colocação que conseguiu, foi tomar conta de porcos, animais imundos.

 

Então, veja que luxo – para os porcos... porque os porcos possuíam abrigo, um teto... os porcos tinham alguém, contratado para cuidar deles com exclusividade... mantendo ali a água e a refeição...

 

Mas, o rapaz que se distanciou do pai, o que possuía?

Nada... ele ficou foi sem ajuda, sem alto-estima, vivendo uma vida amarga, miserável... olhe: aqueles porcos, com abrigo, com funcionário para tomar conta... aqueles porcos estavam sendo bem mais valiosos do que ele.

 

E nesse estado, observando aqueles porcos, o moço passou a pensar na falta que sentia e na fartura que desfrutava o seu pai, o seu irmão e todos os que trabalhavam para o pai – todos tinham pão com fartura...

 

Então, Jesus contou, que vendo o moço, o estado em que vivia, ele caiu em si.

Lemos nesse v.17: O filho que se distanciou do pai “caiu em si” – essa é a melhor queda que existe: o cair em si!

 

Muitas vezes, nós não percebemos o erro que estamos cometendo...  então, Deus permite que cheguemos a um estado de vergonha, a um estado de miséria.

 

E ali em meio aos porcos, observando o estado em que estamos vivendo, “a ficha cai”... observando a miséria, pensando no que foi perdido, sentindo o gosto amargo da vida, então tomamos consciência de que não vale a pena viver longe de Deus...

 

Terá você, em sua vida, chegado a um estado de vergonha, a um estado de miséria, onde lhe faltado recurso, faltado ajuda, faltado alegria?

 

Ah! considere a vida que você está levando... é assim mesmo que você quer viver? ...ou você tem tomado consciência de que não vale mesmo a pena viver longe de Deus?

 

Para a sua vida ser mudada, você precisa voltar para Deus, mas somente volta para Deus aquele que toma consciência de que não pode viver longe de Deus!

 

Amado, se o seu estado de vida hoje, permite que você tome essa consciência, por favor, não deixe que as coisas fiquem pior.

 

...a segunda coisa a fazer a fim de voltar para Deus, é:

TOMAR TAMBÉM A CONSCIÊNCIA DE QUE ESTAR AFASTADO DE DEUS DEVE LEVÁ-LO A UM INCONFORMISMO

Novamente, olhando para o v.17, percebemos como aquele jovem passou por grandes privações na sua vida e por sérios desconfortos longe de seu pai.

Lemos: “Caindo em si, ele disse: ‘Quantos empregados de meu pai têm comida de sobra, e eu aqui, morrendo de fome!”.

 

Ao cair em si, ele foi levado a ver a sua real situação...

O afastamento do pai resultou em miséria, fracasso, solidão... o prazer deu lugar ao sofrimento... o filho foi parar junto aos porcos.

 

Essa é a condição espiritual da pessoa longe de Deus... ela vive miseravelmente, vive sem prazer, vive sem alegria... vive em fracasso.

 

Veja essa pintura barroca, representando o Filho Pródigo, feita por um artista holandês, nascido em 1606.

O Barroco foi um período marcado pelo realismo... então veja como o artista retratou, com muita força e sentimento, a expressão, e o realismo do filho pródigo em sua obra.

 

O filho pródigo diante do pai acolhedor, prostra-se ajoelhado, tem o pé esquerdo descalço, revelando a mais miserável condição que um ser humano pode chegar... tem as roupas sujas, a face escondida, está cheio de humilhação...

 

No entanto, apesar desse seu estado, ele reuniu forças para voltar para o pai, e pedir perdão, reconciliação, lemos no v.19: “Não sou mais digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados”.

 

O filho voltou para o pai, mesmo que para isto, não fosse mais tratado como filho, mas como empregado da casa, pois mesmo nesta condição, ele já estaria bem melhor do que entre os porcos.

 

Mas, o que gerou nele essa atitude de voltar para o pai?

Foi o inconformismo... aquele filho comia o que os porcos comiam, mas ele não se conformou em continuar vivendo daquele jeito... ele não se conformou em continuar vivendo naquela situação, então, resolveu voltar para a casa do seu pai.

 

Mas tem muita gente vivendo uma vida medíocre e que estão conformadas... a vida é miserável, mas estão conformadas... a vida é de pura humilhação, mas estão conformadas...

 

Será que você tem tido algum desconforto na sua vida...alguma humilhação... ou tem, como diz o povo, comido o pão que o diabo amassou?

 

Se tem, amado, não se conforme... esse não pode ser o seu fim... não é isso o que Deus planejou para você!

 

Então, tome também essa consciência.

Se você está precisando da presença de Deus, não se conforme viver afastado de Deus, antes diga: “Não importa o meu estado, esse não vai ser o meu fim... eu vou me levantar... e vou voltar para meu pai”.

 

...em terceiro lugar, a próxima coisa a considerar é essa:

O ARREPENDIMENTO E UMA FIRME DECISÃO DE MUDANÇA DE VIDA NOS REAPROXIMARÁ DE DEUS

Vamos olhar agora para o v.18: “Eu me porei a caminho e voltarei para meu pai, e lhe direi: Pai, pequei contra o céu e contra ti”.

Que decisão firme, heim! ...ele resolveu voltar, reconhecendo o seu pecado.

 

As palavras que o filho encontrou para dizer ao pai, expressam o seu senso de pecado e de indignidade... o filho reconheceu o erro, reconheceu que havia perdido, inclusive, o direito de ser tratado como filho, chegando ao extremo de pedir ao seu pai para que fosse tratado como um dos empregados da casa.

 

Ele estava sinceramente arrependido...

 

Sabe o que acontece quando há em nós, arrependimento e firmeza na decisão de voltar para Deus?

Deus não retém o seu perdão... Deus, diante de um coração quebrantado e arrependido, Ele não resiste... Ele abre os braços, acolhe, recebe de volta e restaura!

 

Se você precisa mudar de vida, porque reconhece que errou, reconhece que pecou contra Deus, você tem que voltar para Deus.

E o caminho de volta para Deus tem uma curva chamada arrependimento.

 

Arrependimento é mudança de direção... você estava indo para esse lado, para longe de Deus... mas, porque se arrependeu, você agora diz: vou mudar de rumo, vou mudar de direção, vou voltar para Deus...

 

Você está disposto a isto?

Lemos em At 3.19, esse mandamento: “Arrependam-se, pois, e voltem-se para Deus, para que os seus pecados sejam cancelados”.

 

...e, mais, a fim de voltar para Deus:

4- É PRECISO TOMAR A ATITUDE DE IR AO ENCONTRO DE DEUS

É isso que aprendemos no v.20, quando Jesus contou que o filho “A seguir, levantou-se e foi para seu pai.“Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou”. E no v.22, lemos: “...Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés”.

“Levantou-se e foi para seu pai” – essa foi a atitude decisiva, a atitude que faltava para aquele rapaz ter a sua vida mudada.

 

Cada um de nós, Deus deixou livre para tomar a atitude que quiser tomar... Deus nos dá liberdade de escolha...

 

Mas algo interessante ocorre: se você sair perguntando a quantas pessoas puder, se elas querem uma vida melhor, todas, invariavelmente dirão: “Sim, queremos uma vida melhor”.

Entretanto, a grande maioria não alcança uma vida melhor, porque não tomam a iniciativa, não tomam a atitude de abraçar essa vida

 

Amado, se você escolhe voltar para Deus, você precisa ter a atitude de ir ao encontro de Deus.

 

O filho pródigo, “levantou-se e foi para seu pai”...ele tomou essa atitude!

 

Enquanto você permanecer no seu lugar, por mais triste e humilhante que esteja sendo o seu estado, Deus respeitará a sua escolha.

Mas se você se levantar e voltar para Deus, é compromisso de Deus abençoar você.

 

Se você fica no seu lugar, Deus não tem compromisso em abençoa-lo... mas se você toma atitude e vem para o lugar onde Deus está, Deus não se contém...

 

Ao filho que volta, Deus abre os braços e dá a ele um banho de amor...

No v.20 lemos: “Estando ainda longe, seu pai o viu e, cheio de compaixão, correu para seu filho, e o abraçou e beijou”. E mais adiante, no v.22, lemos: “Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés”. E no v.23: “Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma festa e alegrar-nos”.

 

Maravilhoso! ...quando tomamos a atitude de voltar para Deus, Deus está sempre pronto e disposto a nos receber com festa, com alegria.

 

Você quer ir ao encontro de Jesus?

Olhe, se você tomar essa atitude, essa atitude que está faltando, se você tomar essa atitude de voltar para Deus hoje, eu lhe digo, vai ter festa!

 

Vai ter festa no seu coração, vai ter festa no coração de Deus, vai ter festa no céu e vai ter festa na igreja! Aleluia!!

 

Conclusão

Deus sempre espera pelo momento em que nós voltemos para Ele.

Esta tarde, enquanto eu me preparava em oração, eu orei pelas pessoas que estariam aqui... e Deus trouxe uma palavra ao meu coração. Ele disse que as pessoas que estariam aqui hoje, são pessoas com as quais Ele marcou um encontro com Ele mesmo, nesta noite...

 

Você não veio aqui por acaso.

 

Esta noite, Jesus quer abraçar você e dar uma nova vida para você, um novo começo... uma vida cheia de bênção e alegria.

 

Você quer voltar para Deus hoje, entregando a sua vida a Jesus? ...então diga isso a Ele (faça uma oração de arrependimento e entrega).

 

A bíblia diz que esse gesto produz festa no céu! É isso que ensina essa parábola do filho pródigo: quando você toma a atitude que está faltando, a atitude de voltar para Deus, há festa.

 

Pr Walter Pacheco da Silveira, 22.10.2006 - baseado em material de Sergio Callegari, Comunidade Cristã de Ribeirão Preto, SP