Ilustrações Ilustrações T

Testemunho

 

Se Jesus viesse à sua casa Se Jesus viesse à sua casa para passar um dia ou dois, se Ele viesse sem avisar, imagine o que você faria: Talvez oferecesse seu melhor quarto para tão honrosa Visita e a comida a ser servida seria das melhores. Talvez você Lhe afirmasse várias vezes estar muito feliz por tê-Lo aí e da alegria indescritível por servi-Lo em sua própria casa. Mas ...se você O visse chegando, iria recebê-lo na porta de braços abertos dando boas vindas ao seu celestial Visitante Ou ... trocaria de roupa antes de deixá-Lo entrar e esconderia algumas revistas, pondo a Bíblia no lugar? Você desligaria o rádio, esperando que Ele não tivesse ouvido o que você ouvia? Você esconderia seus discos e Lhe exporia apenas músicas religiosas? Você o deixaria entrar sem nenhum susto? Se Jesus viesse passar um dia ou dois com você, você se comportaria da mesma forma que sempre se comporta? Você prosseguiria dizendo as coisas que sempre diz? A sua rotina seria a mesma de sempre? As conversas de sua família seriam as mesmas? Vocês dariam graças pelo alimento na hora das refeições? Você cantaria as canções que sempre canta, leria os livros que lê e O deixaria saber com quê você alimenta seu espírito? Você levaria Jesus com você para os lugares que freqüenta ou mudaria seus hábitos por um dia ou dois? Você ficaria feliz por apresentá-Lo ao seu melhor amigo, ou esperaria que o amigo não viesse até o final dessa Visita? Você se alegraria em tê-lo aí para sempre ou respiraria aliviado quando Ele se fosse? Não é interessante imaginar as coisas que você faria se Jesus, em Pessoa, viesse passar uns tempos com você?

 

Numa grande usina siderúrgica em Sheffield, Inglaterra, um jovem operário caiu acidentalmente sobre uma chapa de ferro incandescente. Quando ele foi retirado pelos seus colegas, praticamente um lado inteiro do seu corpo estava queimado até aos ossos. Alguns dos homens gritaram: "Tragam um médico!" Mas o jovem acidentado gritou com as forças que lhe restavam: "Esqueçam o médico! Há alguém aqui que me explique como posso ter minha alma salva? Tenho negligenciado a minha alma e estou morrendo sem Deus. Quem pode me ajudar?" Havia trezentos ao seu redor, mas nenhum podia lhe apontar o caminho da salvação. Depois de uns vinte minutos de uma agonia indescritível ele morreu como vivera - sem Deus. Um dos homens que viu este acidente e ouviu os reclamos do jovem moribundo era um cristão que tinha abandonado a fé e voltara para uma vida de pecados. Quando eu lhe perguntei a respeito do que aconteceu, ele disse: "Desde então ouço os gritos dele e gostaria tanto de ter-me abaixado para apontá-lo para Jesus - mas a minha vida fechou os meus lábios". Será que a nossa vida diz ao mundo que somos cristãos? Ou será que ela fecha os nossos lábios quando os outros mais necessitam de nós? (Adaptado de um artigo de William Baugh, Revista Impacto, pg 6 - Ano 4, Nº 22).

 

Na noite do domingo de Carnaval, um rapaz evangélico, que nunca disse nada no local de trabalho sobre suas convicções religiosas, está indo para igreja de terno, gravata e Bíblia debaixo do braço, quando passa por colegas da firma. Eles já estão meio bêbados, sentados numa mesa de bar, mas um deles o vê e aproveita para provocá-lo: - Rapaz, que beleza essa sua fantasia de crente, hein? Sente-se aqui e beba um pouquinho com a gente! 

 

"Não há diferença entre ele e o Livro". Esse depoimento simples, mas profundamente eloqüente, foi dado a respeito de um cristão chinês pelos seus compatriotas. Isso nos leva a pensar: somos iguais ao Livro ou nossa vida é diferente daquilo que encontramos na Bíblia?

 

Un profesor universitario mientras daba una clase de composición, utilizo un libro de texto basado en la obra clásica de Aristóteles Art of Rhetoric [El arte de la retórica]. Aristóteles destacó tres formas de persuasión que se pueden aplicar a la manera como testificamos a otros de Cristo. 1. Ethos (carácter). Henry Stanley dijo del misionero y explorador escocés David Livingstone: «Nunca trató de convertirme, pero si hubiera pasado más tiempo con él me hubiera hecho cristiano.» Cuando la gente que nos rodea ve la realidad de Cristo en nuestras vidas (1 Tesalonicenses 4:12), toma nuestras palabras más en serio. 2. Pathos (sentimiento). Un grupo de estudiantes de una universidad cristiana testificó al chofer del autobús. Una muchacha le rogó llorando: «Si no acepta a Cristo se irá al infierno. Por favor, por favor, confíe en Cristo.» Eso me recuerda la apasionada súplica que hizo Pablo al rey Agripa y el efecto que tuvo en él (Hechos 26:28). 3. Logos (razón). Cuando vivimos una vida santa llamamos la atención. Eso lleva a hacer preguntas. Es entonces cuando estamos listos para dar razones de lo que creemos, y hemos de hacerlo amable y humildemente (1 Pedro 3:15). ¿Te está guiando Dios a testificar a alguien? Pídele ayuda. Uno, dos o los tres métodos clásicos mencionados antes pueden ayudar a abrir la puerta del corazón de la persona. CUANDO CONOCES A CRISTO QUIERES QUE OTROS LO CONOZCAN TAMBIÉN.

 

"Eu converso com Deus todos os dias. Sou membro ativo da Igreja Evangélica Cristã e cristão praticante". De Hugo Chavez, presidente da Venezuela, um católico romano confesso que anunciou sua "conversão" depois de brigar com as lideranças da Igreja Católica em seu país por causa de suas ações políticas nada democráticas - Folha de S. Paulo.

 

Una vez leí acerca de una mujer que se sentía muy sola en su lugar de trabajo porque era la única cristiana. A menudo la ridiculizaban por su fe y la acusaban de tener una mente muy estrecha. Finalmente se desanimó tanto que contempló dejar el empleo. Sin embargo, antes de hacerlo habló con su pastor. Después de escuchar sus quejas el ministro preguntó: «¿Dónde pone la gente las luces generalmente?» «En los lugares oscuros» - contestó ella. Rápidamente reconoció que su lugar de trabajo era verdaderamente un «lugar oscuro» donde se necesitaba mucho «la luz». Así que decidió quedarse donde estaba y ser de mayor influencia para Cristo. No mucho tiempo después, varios de sus compañeros de trabajo - de hecho, 13 - aceptaron a Cristo como Salvador.

 

Temos aquelas propagandas de dieta que mostram uma pessoa antes e depois da dieta. O testemunho do crente é assim: “Antes eu era escravo do pecado, agora sou livre; antes eu era deprimido, mas agora eu estou extremamente motivado para viver”.

 

Alguém contava: "Recordo-me que em 1962 quando a igreja pentecostal foi grandemente perseguida em Porto Alegre pelos meios de comunicação contrários à realização de uma campanha evangelística, um cidadão foi para o rádio defender os crentes. Sua defesa: os crentes eram seus melhores funcionários!" 

 

Muitos crentes são como verdadeiros agentes secretos de Deus... não são reconhecidos como cristãos. Deus não tem agentes secretos!

 

Existe testemunho e tristemunho. Queremos testemunho!

 

O missionário tinha estado na cadeia há mais de 2 semanas. Ele tinha sido posto atrás das grades de uma prisão no Kosovo porque ele tinha tentado falar a outros de Jesus Cristo. Outros missionários tentaram negociar a sua liberdade, mas dia após dia os seus pedidos foram recusados. Eventualmente eles receberam as boas novas de que o seu amigo seria em breve libertado, por isso foram à prisão para lho comunicarem. Os missionários descobriram que o seu amigo tinha estado a testemunhar aos seus colegas da prisão, e quando lhe disseram que estava prestes a sair da cadeia, ele disse: "Não, ainda não. Dêem-me mais uma semana. Preciso de mais tempo para partilhar o evangelho com estas pessoas." - Fonte: www.gospelcom.net/rbc/pd/2002

 

Se a fé em Cristo valer a pena ter, vale a pena compartilhá-la.

 

Testemunha melhor quem testemunha com a sua vida e com os lábios.

 

Quando os outros te passam a conhecer, será que querem conhecer a Cristo?

 

A vida dum crente é a janela através da qual os outros podem ver o Senhor Jesus.

 

Dwight Slater, que é um médico missionário aposentado, disse-me que enquanto estava a servir em África formou um esperto, mas analfabeto homem, para o ajudar como seu assistente na parte cirúrgica. Kolo aprendia depressa, e cedo ele foi capaz de realizar pequenas cirurgias. Uma equipa de médicos dos Estados Unidos encontrava-se em África para proporcionar ajuda a curto prazo. Eles estavam a realizar operações, quando se depararam como uma situação rara nos US, mas comum em África. Quando eles não tinham a certeza do que fazer, Kolo pegou em todos os instrumentos cirúrgicos, cortou as camadas do tecido e ligamentos e corrigiu o problema. Quando os médicos espantados começaram a perguntar logo sobre os pormenores do complicado procedimento, ele respondeu simplesmente: "eu não conheço os termos médicos, apenas sei fazê-lo". Muitos crentes podem não ser capazes de definir os complexos termos teológicos tais como redenção, justificação e propiciação, mas podem ser testemunhas eficazes, porque conhecem a Jesus, que é o caminho para Deus (João 14:6). Os descrentes precisam de um evangelho simples - que lhes diga que Jesus morreu pelos seus pecados e que eles devem aceitá-Lo por fé. Não precisas de ter medo de testemunhar. Se conheces o caminho, podes mostrar o caminho a outros - DCE. - Fonte: www.gospelcom.net/rbc/pd/2000

 

O testemunho mais poderoso é uma vida santificada.

 

O cientista britânico Thomas Huxley (1825-1895) apoiou vigorosamente a teoria de evolução, o que lhe ganhou o apelido "buldogue de Darwin." Como agnóstico, ele acreditava que a religião era uma superstição prejudicial. Um dia Huxley perguntou a um Cristão convicto: "O que significa para você a sua fé?" Conhecendo o cepticismo de Huxley, o homem parou por um pouco e então respondeu: "O senhor é um homem culto, e pode disputar tudo o que eu disser". Huxley insistiu para que ele lhe explicasse por que razão ele era um Cristão. Assim, do fundo do seu coração o homem contou-lhe o que Jesus significava para ele. Huxley, profundamente tocado, não argumentou. Pensativo, ele disse: "Eu daria a minha mão direita para ter a sua fé em Jesus." Podemos tirar duas lições deste encontro. Uma delas é que enquanto pudermos valorizar o conhecimento, sabemos que uma instrução formal não é necessária para o exercício de uma fé salvadora e transformadora (Efésios 2:8-9). A segunda lição é a de que um testemunho simples e directo que parte do coração pode ser com frequência mais eficaz que uma explicação erudita. Quando o apóstolo Paulo ficou de pé perante o Rei Agripa, ele contou como Jesus tinha transformado a sua vida, e Agripa foi profundamente movido pelo que ouviu (Actos 26:28). Não hesitemos em contar às pessoas o que Jesus significa para nós pessoalmente. - Fonte: www.gospelcom.net/rbc/pd/2002

 

Quando você disser aos outros o que Cristo pode fazer por eles, conta-lhes o que Ele fez por você.

 

Um jovem foi entrevistado para um lugar numa pequena firma. Ele tinha uma boa aparência e causou uma boa impressão no patrão. Tinha também preparado um excelente curriculum no qual referiu o seu pastor, o seu professor da escola dominical, e um diácono da igreja como pessoas a dar referencias suas. O dono da firma estudou o seu curriculum durante alguns minutos, e depois disse: "Aprecio estas recomendações dos amigos da sua igreja. Mas o que eu realmente gostaria era de ouvir alguém que o conhece e lida consigo durante a semana." É lamentável dizer, mas há um definido contraste entre a maneira como alguns cristãos atuam na igreja e como se comportam no mundo. Os princípios que professam no domingo deveriam ser praticados em cada dia da semana. - Fonte: www.gospelcom.net/rbc/pd/2000

 

"Um grama de testemunho vale mais que uma tonelada de propaganda." - William W. Ayer

 

Soren Kierkgaard (1813-1855), teólogo dinamarquês, brindou-nos com uma parábola que ilustra bem esse conceito. Conta-nos que um grande circo acampou nas cercanias de uma cidade. Na tarde que antecedeu a estréia, quando saltimbancos, mágicos e trapezistas se preparavam para o espetáculo, começou um incêndio no circo. O palhaço, já trajado e pintado, correu para a cidade em busca de socorro. Desesperado, ele gritava em praça pública, clamando por auxílio. Porém, quanto mais elevava sua voz e corria de um lado para o outro, mais as pessoas se divertiam. Pensavam que ele usava de um ardil excelente para lotar o circo. Exausto e em desespero, caiu de joelhos: "Por Deus, por Deus! Ajudem-nos! O circo está em chamas." O meninos gargalhavam. Os mais velhos se maravilhavam dizendo: "Quão extraordinário ator se mostra o figurante do circo, que sabe chorar para fazer graça". E o circo foi destruído pelas chamas. A moral da história é que, se perder o testemunho, a igreja perde também a autoridade para falar.

 

"Quem vive bem, calando prega." Tomás de Kempis

 

Deus nos deixou neste mundo para testemunharmos a este mundo.

 

"Cada vez que recebo minha conta de luz, levo um choque!" Acho que acontece a mesma coisa com alguns crentes. Eles são a luz do mundo, conforme Jesus ensinou; mas levam vidas tão medíocres que entrar em contato com eles se têm um choque!

 

Betty Carlson, autora norte-americana, conta a história de um pai que estava preparando a lição da EBD sobre o tema “As Marcas de Um Verdadeiro Cristão”. Antes de ir ensinar sua classe, decidiu rever os pontos principais com a esposa, quando o filho menor estava por perto. Pediu ao garoto que sentasse e ouvisse por 15 minutos. Quando acabou, o menino estava pensativo. E de repente disse: “Papai, eu acho que nunca vi um cristão em minha vida”. Pronto, foi um choque para o pai, mas também uma advertência. Como as crianças observam o que fazemos e declaramos!!

 

Eu li tempos atrás que o poeta deve ser um verdadeiro poema. Adaptando este pensamento, o pregador precisa ser, ele mesmo, um verdadeiro sermão.

 

"O crente é aquele cuja vida leva outros a crerem com mais facilidade" (Robert Murray McCheyne).

 

Gandhi, o pacifista indiano, sendo evangelizado por um cristão, disse: "No vosso Cristo eu creio, eu não creio é no vosso cristianismo". É preciso falar de Jesus. Mas o que o mundo mais necessita é que vivamos Jesus! 

 

Fiquei surpreso ao encontrar num livro velho, escrito há várias décadas e de autoria do Dr. W.C.Taylor, isto: "Parece-me ainda que o motivo por que alguns filhos de crentes nunca se convertem, antes se tornam os mais duros incrédulos, é que as conversas incessantes que ouvem acerca do Evangelho são monótonas, frias e banais e, diante disso, não percebem a maravilha das Boas Novas de que seus pais falam mas não ilustram na sua vida cristã rotineira."

 

Anos atrás as autoridades comunistas da China encarregaram um de seus escritores de escrever uma biografia de Hudson Taylor. O objetivo era denegrir a figura do grande missionário batista, desacreditando-o perante os chineses nos quais perdurava a lembrança das abnegadas atividades daquele homem de Deus. À proporção que o escritor ia escrevendo seu livro, impressionava-se cada vez mais com o caráter e a vida realmente piedosa de Hudson Taylor. Finalmente, não resistindo mais, o escritor abandonou sua tarefa, renunciou a seu ateísmo e se tornou um cristão.

 

Conta-se que houve em Roma, durante certo tempo, uma lei que obrigava as pessoas a levarem em suas vestes uma insígnia que indicasse a profissão que tinham. Assim, caso alguém precisasse, por exemplo, de um alfaiate, iria encontrá-lo com facilidade, mediante a insígnia usada. O cristão verdadeiro não precisa de nenhuma insígnia para ser identificado, mas seu modo de proceder e de falar há de forçosamente revelá-lo.

 

Os católicos, na noite de Natal, celebram a missa do galo. O motivo para isso, segundo crêem, é devido a uma fábula (surgiu no século 5) que afirma ter sido um galo o primeiro animal a presenciar o nascimento de Jesus. (Revista Eclésia, pg 24 Ano VI Nº 72 - Dez/2001).

 

Alguém, ao retornar da Terra Santa, declarou isto: "A riqueza histórica de Israel é tão expressiva e notável que basta alguém observar uma paisagem qualquer de sua janela para se deparar com a história do relacionamento de um povo com o seu Deus. É como se as pedras, os montes e as ruínas contassem sua história às pessoas que as observam e as estudam. Uma história de invasões e batalhas, vitórias e celebrações, conquistas e derrotas. As pedras em Israel, ainda hoje, relatam a história do povo judeu e seu relacionamento com o Deus de Israel. E, acima de tudo, elas não se cansam de relatar para todo aquele que as vê, a história do redentor da humanidade: YeshuaMashiach, o Messias de Israel." - Matheus Z. Guimarães

 

Dwight L. Moody disse algo sobre o porque da necessidade de um lugar assim: "De cem homens, um lerá a bíblia; oventa e nove lerão o cristão."

 

Quando um cristão abre mão de sua integridade, ele põe em jogo a integridade do cristianismo. - Ed René Kivitz

 

Sua vida é um livro aberto. Mas daqueles que não dá a menor vontade de você folhear.

 

A frase é do papa Paulo VI, mas nem por isso é inválida: "Os jovens de hoje não querem mestres, querem testemunhas". Querem pessoas que creiam nos valores que propagam.

 

Sadu Sundar Sing viveu de tal maneira perto de Cristo que o povo a quem servia, ao ouvir de Cristo, mais tarde, comentava: "Cristo passou por aqui", referindo-se ao velho missionário. Identificação com Cristo e vida em Cristo é o retrato que devemos formar do Salvador para a sociedade onde vivemos. - David Gomes, em O Jornal Batista.

 

O pequeno Davi tinha um grande desafio à sua frente: derrotar o gigantesco Golias. Disposto a honrar o nome de Deus, procurou o rei Saul e se apresentou resoluto. talvez assustado, ou com sua consciência um tanto quanto pesada por estar deixando um adolescente enfrentar situação tão perigosa, Saul lhe oferece a sua própria armadura. Davi a vestiu, andou para lá e para cá e desistiu dela. Era pesada demais para quem precisava de muita mobilidade e se a utilizasse, fatalmente estaria perdido. Hoje também o povo de Deus tem um grande desafio à sua frente: testemunhas do nome de Cristo, levando o evangelho por todo o mundo. É uma tarefa gigantesca que foi entregue a pequeninos, a pessoas humildes e aparentemente se expressão na sociedade. É também uma tarefa que exige muita mobilidade. Precisamos de muita agilidade para podermos tomar a "funda" da pregação e lançar contra o pecado a "pedra" da Palavra de Deus. Precisamos nos locomover rapidademente para nos desviarmos dos golpes desferidos pelo inimigo e para avançarmos rapidamente contra seus pontos fracos. - Dinelcir de Souza Lima, em O Jornal Batista.

 

Um grupo de cristãos ao visitar Gandhi, ouviu dele: "Gosto muito do Cristianismo e admiro suas doutrinas, mas não aprecio os cristãos. Assim se expressou o filósofo indiano em face dos cristãos pregarem ou ensinarem uma coisa e viverem outra.

 

Quando perguntaram a Gandhi qual era a sua mensagem, ele respondeu: "Eu não tenho mensagem; minha vida é a minha mensagem". - Edvar Gimenes de Oliveira, em O Jornal Batista.

 

O missionário Gordon Maxwell desejava aperfeiçoar o seu conhecimento da língua hindu para pregar o evangelho na Índia. Procurou um professor e este lhe disse: "Não posso lhe ensinar a língua, porque o senhor me fará um cristão". Maxwell respondeu: "O senhor não está me entendendo, quero somente que o senhor me ensine a língua". O professor disse fatalmente: "Não ensinarei. Ninguém pode conviver com o senhor e não se tornar cristão".

 

Se vale a pena ter seu cristianismo, então vale a pena compartilhá-lo.

 

A um chinês que fazia profissão de fé, foi perguntado: "Quando você ouviu pela primeira vez o Evangelho?" Sua resposta foi esta: "Eu nunca ouvi o Evangelho. Eu vi o Evangelho na de um homem que era o terror da sua vizinhança, pela sua truculência e agressividade e que, ao aceitar Cristo como Salvador e Senhor, teve sua vida totalmente mudada. Não, eu nunca ouvi o Evangelho. mas eu vi o Evangelho na vida daquele homem". - Nilson Dimárzio, em O Jornal Batista.

 

Eu e minha esposa não somos do tipo que fica sentado na calçada e cheio de prosa com os vizinhos... não falamos isso, mas procuramos falar com todos os vizinhos, cumprimentando-os todas as vezes que os vemos e, de vez em quando, até surge a oportunidade para uma conversa rápida. Quando eu e minha família comemorávamos quatro anos em nova residência, um vizinho (não-crente) veio à nossa casa, desejando falar conosco. Estava se separando da mulher e queria que fôssemos visitá-los e orientá-los. Era o reconhecimento do testemunho que havíamos dado.

 

Um jovem cristão, estudante, havia falado de Jesus a uma amiga na aula de Biologia. Ela o ouviu educadamente e até concordava com o que lhe era dito, mas nada mais do que isso. Uma noite, meses depois, o estudante cristão estava jantando com alguns amigos num restaurante da vizinhança. Para sua surpresa, a moça era a garçonete que lhes atendeu naquela noite. Conversaram, fizeram o pedido da comida, comeram e então pediram a conta. Tentando lhes ajudar (à custa do chefe dela), a moça veio e lhes disse: "Eu não anotar na conta de vocês tudo o que vocês comeram". Imediatamente Deus falou ao cristão, e ele respondeu à moça: "Aprecio seu gesto, mas somos cristãos e Deus quer que nós paguemos pelo que comemos". A garçonete ficou surpresa e provavelmente pensou que aquele grupo era estranho, mas a mensagem foi clara. Antes de saírem, convidaram-na para a igreja. No domingo seguinte ela apareceu e disse: "Quando você não aceitou minha oferta semana passada no restaurante, de fato percebi que você era cristão". Essa moça tinha ouvido falar de Jesus na faculdade, mas ela teve de ver Jesus agindo no caráter do cristão antes de crer. As atitudes, ao contrário das palavras, fizeram a diferença na vida dela. - Joel Comiskey, "Multiplicando a Liderança".

 

O missionário Fred Hawkins declarou, certa vez: "Deus fez David Gomes e jogou fora a receita".

 

Agostinho, pastor de Hipona, quando inquirido acerca do segredo de seu ministério, a resposta foi taxativa e extremamente desafiadora: "Pregue o evangelho em todo o tempo. Se precisar, use palavras".

 

O jovem buscou batismo numa igreja evangélica. Na profissão de fé, perguntaram-lhe: "Como se deu sua conversão?". Ele respondeu: "Pela leitura do quinto evangelho". Os irmãos estranharam, enquanto o jovem concluía: "Eu li o evangelho na vida de minha mãe". As pessoas à sua volta lêem a Bíblia através de sua vida?

 

"Uma criança provavelmente não encontrará um pai em Deus, a não ser que encontre algo de Deus em seu próprio pai." - Glen Wheeler

 

Ele é evangélico, disseram. Foi professor de classe de EBD, praticava a evangelização, trabalhava com a mocidade. Foi este o depoimento de um amigo e colega de infância de Fernando Dutra Pinto, o seqüestrador de Patrícia Abravanel. Fernando, depois do seqüestro, matou dois policiais e manteve como refém o apresentador Sílvio Santos, pai da moça. Requer-se que a conversão seja autêntica.

 

Você não pode ser uma Testemunha de Enjoá!

 

O pastor Isaltino Gomes conta de uma ex-ovelha, paciente terminal, que ao visitá-la no hospital, esperava vê-la prostrada na cama, mas que a via testemunhando junto às enfermeiras. Ela mesma era enfermeira, e, quando podia, saía para conversar com outros doentes. E disse-lhe: "Pastor, esta cama é meu púlpito". É isso! Onde um crente em Jesus está, está um púlpito. Não apenas para pregar o evangelho, mas mostrar o que o evangelho fez na vida.

 

A maior necessidade do mundo hoje é de cristãos com maturidade espiritual, que não somente tenham professado sua fé em Cristo, mas que vivam essa fé cada dia - Billy Grahan (Visão Missionária, 4T90).

 

Ouvi de um certo fazendeiro, muito rico, que comprou um bonito carro, o mais moderno de sua época, e o colocou na garage de sua casa. Todos os dias aquele senhor tirava a poeira do carro e com uma flanela dava brilho na lataria. Passava horas admirando o seu lindo carro! Não satisfeito com o cuidado que estava dando ao carro, resolveu derrubar uma das paredes de sua sala de visitas e transferir o carro para lá. Assim o carro seria melhor admirado e protegido. Seus amigos, de perto e de longe, vinham admirar o carro, mas alguns, curiosos, passavam os dedos no carro, deixando-o manchado. O fazendeiro ficava muito triste, e deixou transparecer para os amigos o seu dissabor. Os amigos, então, não mais foram visitá-lo. Certo dia, aquele homem morreu e a fazenda foi leiloada com tudo o que tinha dentro. O comprador foi um jovem. Para surpresa dele, na sala de visita da casa havia um novíssimo carro! De imediato o jovem tirou o carro para fora. Convidou seus amigos e saiu pelas ruas, pelos morros, pelas vilas e por todos os cantos da cidade. Os vidros se empoeiraram, as rodas sujaram-se de lama e a lataria mudou de cor. Pela primeira vez o carro exerceu a função para a qual fora fabricado. Essa história faz-nos lembrar de nossas igrejas. Quantas vezes ficamos dentro das quatro paredes do templo, dando brilho à nossa fé, na contemplação, impedindo até, que visitantes adentrem suas portas para não atrapalharem a programação e tirar o brilho dos cultos. A vida cristã não é para ser guardada dentro das quatro paredes da casa ou do templo. É para ser vivida no meio do lamaçal do pecado, para que os homens possam vê-la e venham a glorificar ao Pai que está nos céus.

 

Tem muita gente que se converte porque tem um crente que mora perto dele. Glória a Deus! ...mas tem muita gente que não se converte a Jesus porque tem um crente que mora perto dele! Misericórdia?

 

“Você tem que dar testemunho de vida porque cano de água suja não jorra água limpa.”

 
Certo capelão evangélico encontrou no campo de batalha um soldado gravemente ferido e perguntou-lhe: “Você quer que eu leia um trecho das Sagradas Escrituras?” “Tenho muita sede e preferia que o senhor me desse um copo d’água”. O ministro providenciou a água e o soldado bebeu logo. “Quer, agora, que eu leia uma passagem da Bíblia?” “Preferiria que o senhor colocasse alguma coisa debaixo da minha cabeça”. O capelão tirou o capote, dobrou-o, fez dele uma espécie de travesseiro e colocou-o debaixo da cabeça do soldado. “E agora, quer que eu leia uma parte deste livro que á a Palavra de Deus?” “Sinto muito frio; preferia que conseguisse um agasalho...”. O ministrou tirou o seu paletó e com ele cobriu o soldado. Depois de tudo isto, o militar, olhando para o rosto do capelão disse: “Agora, se nesse livro há algo que ensine um homem a fazer o que o senhor me fez, peço que me leia uma parte dele”. Esse é o padrão de testemunhas que o Senhor busca. 21/12/06
 
É comum ouvirmos falar em professor crente, advogado crente, dona-de-casa crente... o correto, porém, é: crente professor, crente advogado, crente dona-de-casa. 15/1/07
 
Spurgeon certa vez disse: “Se o Observatório de Greenwich estiver errado, a metade de Londres ficará desorientada. O mesmo acontece com o ministro. Ele é o relógio da comunidade. Muitos conferem sua hora com ele e, se ele for incorreto, todos andarão erradamente”. Gilson Bifano. 17/1/07
 
Soube que a filha de Russel Shedd afirmou a respeito do pai: “Sei que papai tem pecado porque a Bíblia diz que todos pecaram, mas eu nunca vi meu pai pecar”. Como seria bom cada pai ouvir isso de seus filhos! 30/1/07
 
Madame Guyon nunca falou em público, mas por meio dos seus escritos e conversas influenciou católicos e protestantes na França, Alemanha, Holanda, Inglaterra e Suíça. Regina Lopes, estanabiblia-subscribe@yahoogrupos.com.br. 12/2/07
 
Aquilo que nós somos é um presente da vida para nós; aquilo em que nos tornamos é o nosso presente para a vida. 26/3/07
 
Testemunhar não é algo que fazemos; é algo que somos. (Agostinho). 23/4/07
 
Quatro pastores estavam discutindo o mérito de várias traduções da Bíblia. Um gostava mais de certa versão por causa da sua linguagem simples e bonita. Outro preferia uma edição mais literária porque estava mais próxima do original hebraico e grego. Ainda outro gostava de uma versão contemporânea por causa do vocabulário atualizado. O quarto pastor ficou quieto por um momento e então disse: “Eu gosto mais da tradução de minha mãe”. Surpresos, os outros três disseram que não sabiam que sua mãe havia traduzido a Bíblia. Ele respondeu: “Sim, ela traduziu a Bíblia com sua vida e foi a tradução mais convincente que eu já vi”. Para este pastor a coisa mais importante não era a melhor tradução, mas aprender a palavra de Deus e praticá-la. 23.1.2008
 
"Vivamos de maneira que tenhamos paz, sabendo que nosso testemunho não nos acuse, tão pouco nos condene". Luiz A. Pastrello. 29.1.2008
 
"Uma grama de testemunho vale mais que um Kilo de propaganda". 29.1.2008
 
Um amigo contou-me que fora visitar um farol e dissera ao faroleiro: - O senhor não se apavora de viver aqui? E terrível este lugar para se permanecer nele! - Não - respondeu o faroleiro. Não tenho medo. Aqui nunca pensamos em nós mesmos. - Como é isto!? Nunca pensam em si mesmos!? - Nós sabemos que estamos perfeitamente seguros e cuidamos de ter as nossas lâmpadas brilhando e nossos refletores bem limpos, de modo que aqueles que se acharem em perigo, possam ser salvos. Isto é o que os cristãos devem fazer. Eles estão salvos numa casa cons­truíra sobre a rocha, que não poderá ser abalada pelas tempestades mais tre­mendas, e num espírito do mais santo altruísmo devem fazer brilhar sua luz através das trevas do pecado, a fim de que os que se acham em perigo pos­sam alcançar as praias bonançosas de salvação. Sword e Trowvell. 7.2.2008
 
Certa manhã, às oito e vinte, um relógio da vitrina de um joalheiro parou por meia hora. Os habitantes daquela cidadezinha pouco imaginavam o quan­to confiavam naquele relógio, até que foram por ele iludidos. Os passageiros perderam o trem, porque ao passarem junto ao mostruário do joalheiro, o relógio indicou que ainda faltavam vinte minutos para o trem das 8:40hs. par­tir. As crianças chegaram tarde à escola. Quando viram a hora, acharam que ainda tinham quarenta minutos, e assim puseram-se a brincar. Empregados estenderam a conversa quando viram que faltava bastante tempo para a fábri­ca abrir, e chegaram atrasados. Por ter o relógio parado apenas meia hora naquele dia, houve muita confusão na cidadezinha. Quer conscientemente, quer não, a vida de todo cristão exerce sua in­fluência sobre os que o cercam. Muito mais do que julgamos, nossa vida fala ou em favor de Deus ou contra Ele. "Falareis por Deus injustamente, e usareis de engano em nome dEle?" Esta é a pergunta que Jó nos faz, como fez a seus amigos. Que pensamento solene esse, de que nossa vida pode falar injustamente por Deus, levando al­guém a tropeçar e cair! 7.2.2008
 
Na primeira arte cristã, Jesus é representado nas Catacumbas como o Orfeu grego, com a lira na mão, atraindo todos a si pela magia de sua fascina­ção. Estes primitivos cristãos, no seu erro de tentar representar Cristo ao mundo, nos moldes do paganismo, escolheram a figura atrativa do músico que, com sua lira, atraía a todos. Não há dúvida de que a história de Orfeu é uma das mais belas da terra helênica. Era ele o maior dos músicos. Tocava tão maravilhosamente que quando seus dedos dedilhavam aquelas cordas, as bes­tas selvagens mansamente se aproximavam, os pássaros se detinham no vôo, a natureza inteira silenciava para ouvi-lo. Assim foi o pensamento cristão pri­mitivo acerca de Cristo, por seu poder de atrair a si os homens. 11.2.2008
 

Todos os passageiros de um navio foram chamados ao salão, porque ha­via uma forte tempestade no mar. Ficaram todos alarmados com a impetuosi­dade das ondas que batiam contra o barco e se espraiavam no convés. Final­mente, um dos passageiros subiu ao tombadilho e foi até a cabine do piloto, que se achava confiante no leme, cumprindo seu dever. O piloto notou o ter­ror estampado na face daquele homem e sorriu para ele, em sinal de confian­ça. O passageiro voltou ao salão para confortar os outros, dizendo: "Eu vi o rosto do piloto, ele estava sorrindo. Tudo vai bem". Não há nada mais eficaz nem mais simples do que um testemunho fiel, que diga o que temos visto e ouvido, mostrando em nossas vidas aquilo que o Senhor tem feito por nós. O poder do Espírito Santo faz-nos testemunhas de Cristo, capazes de confessá-lo com ousadia, de tal modo que nossa confissão o honre e traga bênçãos para outros e para nós mesmos. Temos a gloriosa promessa de que aqueles que o confessarem perante os homens, Ele também os confessará diante do Pai, no dia do juízo. Dorothy M. Wise (Rodésia do Sul). 14.2.2008

 

Uma vez, viajando de ônibus com minha família, de Kolar a Bangalore, no Sul da índia, pedi quatro bilhetes ao condutor. Este deu-me somente três, dizendo que fosse esperto e declarasse, quando consultado, que minhas duas filhas tinham menos de três anos. A sugestão era tentadora, mas eu a recusei, afirmando que tal atitude não era justa. Reclamei o quarto bilhete, o que cau­sou tanto ao condutor como aos passageiros grande surpresa. O mundo está cheio de seduções, mas para o cristão elas são oportuni­dades desafiantes para uma reação de acordo com o que é reto e bom bri­lhando por Cristo. O mundo precisa de atos que lembrem Cristo. Este é o melhor método de evangelização, pois leva a mensagem de Cristo tanto aos cristãos como aos anti-cristãos. Todo cristão verdadeiro é uma luz. Brilhando, ele cumpre sua grande missão. Java Mitra (Índia). 14.2.2008

 

Quando criança, fui vítima de uma paralisia. Fiquei com o corpo rígido e arqueado. Ficou provado também, anos mais tarde, que a doença "afetara" minha mente: à medida que fui atingindo a idade adulta, cometi todos os pe­cados que o homem conhece. Quando quebrei o mandamento "não matarás", fui mandado para cá, em prisão perpétua. Constatei que a vida na prisão não era o suficiente para mudar minha vida. Depois de ter estado ali cerca de três anos, comecei a ir à capela da penitenciária, para ver se o Deus, que a meu ver me havia punido toda a vida, poderia perdoar-me de todos os meus pecados. No final de um sermão de domingo, quando todos faziam as suas ora­ções, pude ver Jesus estendendo a Sua mão para mim. Sabia então que havia sido perdoado. Fui agraciado pelo Espírito Santo. Meu corpo ainda está arqueado, porém minha mente agora é reta. Continuo na prisão, mas a minha alma é um espírito móvel, livre para andar retamente com meu Salvador Jesus Cristo. BilI Nobles (E.U.A.). 14.2.2008

 

Terêncio tinha o espírito nublado pelo álcool, quando cambaleava pela rua de sua cidadezinha, naquela noite de verão. Com alguns companheiros, ele saíra para uma "folia". Na volta, pararam o carro junto a uma tenda, onde estava em andamento uma reunião evangélica. Ecoavam para fora os lindos hinos de Sião. Terêncio e seus companheiros puseram-se a ridicularizar o can­to. A religião não tinha lugar em suas cogitações. - Ora, vamos entrar! - insistiu Terêncio, pouco sabendo do que se trata­va. Entraram todos. A maior parte deles permaneceu ali por apenas alguns minutos. Terêncio ficou até o fim. "A Palavra de Deus foi direta ao meu coração naquela noite", confessou-me ele, meses mais tarde. "Fez de mim um novo homem. Desde aquela noite nunca mais toquei num copo de álcool. Minha esposa e filhos me acompanha­ram depois para aquela tenda, e as verdades bíblicas que ouvimos nos trans­formaram a vida. Todos fomos batizados e recebidos na igreja." "A Palavra de Deus é viva e eficaz", diz Paulo, "e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração" (Hb 4.12). Explica o apóstolo Pedro que somos "de novo gerados", ou convertidos, "pela Palavra de Deus" (1 Pe 1.23). 14.2.2008

 

No quartel onde certo soldado dormia, outro soldado se ajoelhava, todas as noites, ao lado de sua maca para orar. O soldado incrédulo não gostava daquilo. Uma noite, quando o outro orava, ele pegou as suas próprias botas elamiadas e, levantando-se, atirou-as na cabeça de seu companheiro. Por um momento, este sentiu grande dor e ficou meio tonto. Na manhã seguinte, quando o soldado que lhe atirara as botas sujas de barro acordou, encontrou-as limpas e engraxadas. Logo descobriu que o com­pa-nheiro a quem ele ferira tinha feito aquilo. "Era demais", testemunhou ele mais tarde. "Finalmente, ele me conduziu Àquele que pode criar no homem um espírito tal". Quando o amor de Cristo enche nossos corações, ele nos habilita a bri­lhar como luzes no mundo, a pagar o mal com o bem, conduzindo a Cristo al­mas necessitadas de salvação.  Laura S. Emerson (Indiana). 18.2.2008

 

"Vós sois a nossa carta, escrita em nossos corações, conhecida e lida por todos os homens" (2 Co 3.2). Um missionário perguntou certa vez a um notável converso o que mais o influenciara a se tornar seguidor de Cristo. O crente, que antes de se conver­ter fora muito ímpio, deteve-se um momento antes de responder. - Estes olhos já viram muitos males - começou ele lentamente - e estas mãos praticaram muito pecado e violência. Minha mente está constantemente premeditando e forjando o mal. Mas... O converso fez prolongada pausa. Depois continuou: - Mas quando meus amigos que haviam sido ladrões deixaram de rou­bar, quando mentirosos começaram a dizer a verdade, quando homens cruéis se tornaram bondosos, conclui que devia haver na religião cristã algo de va­lor. Vi isso não no templo, mas na vida deles. Sem dúvida, haverá maior número de pessoas no reino de Deus por te­rem visto sermões, do que por os terem ouvido. Paulo diz que somos "car­tas... conhecidas e lidas por todos os homens". 18.2.2008

 

"Eis que tu és para eles como quem canta canções de amor, quem tem voz suave e tange bem; porque ouvem as tuas palavras, mas não as põem por obra" (Ez 33.32). Estava um missionário falando a um grupo de hindus. De súbito, uma das senhoras se levantou e retirou-se. Pouco depois voltou, ouvindo com mais atenção que antes. No final do culto, o missionário lhe perguntou o motivo de sua saída. - O senhor sabe - respondeu ela - eu fui perguntar a um de seus servos se o senhor realmente pratica as coisas que prega. Ele me afirmou que sim, e eu voltei mais interessada que antes. E estou ansiosa por ouvir mais de alguém que vive aquilo que ensina aos outros. 18.2.2008

 

"E vos revistais do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e reti­dão procedentes da verdade" (Ef 4.24). No Texas, E.U.A., conta-se a história de um homem que costumava amarrar seu cavalo todo dia de manhã em frente a um bar. Certa manhã, o dono do bar saiu um pouco e notou que o cavalo estava amarrado defronte da igreja. Viu o homem na rua e o chamou. - Ei, por que o seu cavalo está parado em frente à igreja hoje? O homem respondeu: - E que ontem à noite eu me converti numa série de conferências e re­solvi estacionar em outro lugar. Isto é nascer de novo. Converter-se significa estacionar em outro lugar. Oração: Senhor, ajuda-me a viver de tal maneira que as pessoas perce­bam que estou estacionado na liberdade do teu amor. 18.2.2008

 

Um dia, um navio de guerra japonês ancorou na baía de Nagasaki, Ja­pão. Os cristãos daquela localidade foram indicados para apresentar as boas vindas à oficialidade e aos marinheiros daquele barco, em nome da Igreja. O capitão tomou a palavra, dizendo que tinha especial prazer em falar porque ele se tornara cristão por um fato acontecido em um dos parques de Nagasaki. Anos atrás, ele havia atirado pedras numa missionária que estava pre­gando o evangelho naquele parque. Quando percebeu que havia ferido a se­nhora, tratou de fugir e se escondeu por três dias. Foi quando as mais ex­traordinárias noticias chegaram ao seu conhecimento: a missionária, cujo no­me era Umhoff, não queria que ele fosse preso, estava orando por ele e que­rendo saber onde ele se encontrava, para lhe oferecer perdão e sua amizade. Ouvindo isto, o jovem resolveu procurar saber como servir ao Deus daquela missionária. Agora, era um prazer para ele dar o seu testemunho naquela mesma ci­dade onde ele tinha aprendido o que quer dizer ser cristão. Rita F. Snowden (Nova Zelândia). 18.2.2008

 

Exatamente quando os primeiros raios de Sol douravam a superfície de uma linda lagoa nas índias Ocidentais, presenciei uma cena que jamais esque­cerei. Um de nossos pastores conduziam às águas batismais um assassino confesso. Volvendo-me a um guarda da prisão que se achava ao meu lado, pergun­tei: - O senhor acha que esse homem está de fato convertido? -Pastor - respondeu o guarda -' posso dizer-lhe que ele é realmente um homem transformado. Quando foi trazido para a nossa instituição, alguns anos atrás, era obstinado, moroso, e não queria cooperar. Hoje é uma pessoa completamente diferente. E prestativo, bem disposto e faz tudo que pode para ajudar os outros presos. Se existe coisa como o novo nascimento, esse ho­mem foi nascido de novo. O Espírito Santo convence o pecador de seus maus atos. Encaminha o errante para o Cordeiro de Deus, a fim de receber o perdão. Cria um novo ser em Cristo Jesus. "Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus", disse Jesus a Nicodemos. 18.2.2008

 

São Gregório de Nazianzo, doutor da Igreja Católica, ao surgirem contendas a seu respeito, declarou: "Jogai-me no mar, pois é melhor que eu seja prejudicado do que venha o nome de Cristo a sofrer por minha causa". 18.2.2008

 

Nos velhos tempos, na Inglaterra, lanternas acesas eram colocadas nas torres das igrejas à noite e, em muitos casos, nas fachadas das residências. O guarda noturno, em sua caminhada pelas ruas, advertia os moradores: "Pen­durem suas lanternas". Da mesma maneira, Cristo nos exorta: "Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens" (Mt 5.16). 19.2.2008

 

- Seu rosto é tão brilhante! - disse uma vez um hindu a um cristão. Que remédio o senhor usa para fazê-lo brilhar assim? - Não uso remédio algum - respondeu o cristão, estranhando a pergun­ta. - Como não! - persistiu o outro. Todos vocês, cristãos, usam esse remé­dio no rosto. Tenho-o notado, onde quer que encontre cristãos. O crente pensou um instante e sorriu: - Vou dizer-lhe qual o remédio que faz nosso rosto brilhar assim: ele vem de olharmos para Jesus. 19.2.2008

 

Sob a fotografia de Peter Milne, pendurada numa igreja descoberta nas pequenas ilhas de Novas Hébridas, lê-se estas palavras: "Quando ele chegou, não havia luz. Quando ele morreu, não havia trevas". Quando Cristo veio ao mundo, não havia luz. Sobre ele (citando Isaías), disse Mateus: "O povo que jazia em trevas viu grande luz, e aos que viviam na região e sombra da morte, resplandeceu-lhes a luz" (Mt 4.16). 19.2.2008

 

Conta-se que durante o almoço num clube, Sir Harry Lauder relatou o incidente seguinte, para ilustrar o poder da influência.

"Certa noite, eu observava um velho acendedor de lampiões a gás, segu­rando uma tocha colocada em longa vara. Eu não podia ver o velho homem", disse Sir Harry, "estavam completamente tenebrosos os pés dos postes de luz; no entanto, eu sabia onde ele estava pela fileira de luzes que deixava atrás de si." Não importa muito se o mundo vê ou não o indivíduo como pessoa im­portante. Porém, é imprescindível que, ao passar ao longo dos caminhos da vida, geralmente escurecidos, cada um de nós seja uma tocha, a fim de trans­mitir um pouco do espírito iluminador de Cristo. Cristo não só afirma que é a luz do mundo, como também diz a seus discípulos: "Vós sois a luz do mun­do". Sua ordem para nós é: "Assim brilhe também a vossa luz" (Mt 5.16). Geórgia May Cook (Canadá). 19.2.2008

 

Meu avô Horsfall viveu efetivamente o evangelho. Ele possuia um arma­zém geral em Midwestern, e dirigia seus negócios como achava que um cris­tão devia fazê-lo. Defronte à mercearia, morava uma família de nome Jones, que há pouco tempo se mudara para aquela localidade, e ainda não era conhecida por todos os moradores. Meses depois, o Sr. Jones procurou o pastor da pequena igreja local, e disse-lhe: "Tenho observado o Sr. Horsfall todos estes meses, e quero ter o que ele tem. Sei que é o evangelho. O senhor poderá me ajudar?" Então o ministro orou com o Sr. Jones, e este aceitou Cristo. Do seu lar, saíram duas filhas. Uma pregou por muitos anos na Califór­nia, E.U.A., e a outra foi missionária na China durante anos. Tudo começou porque meu avô vivia o evangelho cada dia. Nós também devemos ser testemunhas do nosso Senhor Jesus Cristo, de tal maneira que, pelo nosso viver diário, revelemos o seu amor redentor. Ellen Beitler Shaw (Wisconsin, E.U.A.). 25.2.2008

 

"Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus" (Mt 5.16). O testemunho de um crente vale mais do que milhares de cristãos silen­ciosos. Tom Allan, famoso pregador escocês, conheceu Cristo ao ouvir um soldado negro cantar: "Estavas lá quando crucificaram meu Salvador?" E con­tou que não foi a música nem a voz que o convenceram da sua vida errada e o fizeram voltar-se para o Salvador, mas o espírito com que o soldado cantava, pelo modo e pela sinceridade de sua expressão. 25.2.2008

 

Spurgeon nos fala sobre um pastor que "pregava tão bem e vivia tão mal, que, ao subir ele ao púlpito, todos diziam que ele nunca devena sair dali; e, quando ele saía do púlpito todos declaravam que tal pastor nunca mais deveria retomar ao púlpito". 17.3.2008

 

O grande obstáculo do evangelho é o silêncio. 18.3.2008

 

"De nada nos serve caminhar para pregar, se não pregamos enquanto caminhamos, " (Francisco de Assis). 32T88 – MANANCIAL. 25.3.2008

 

A maior necessidade do mundo hoje é de cristãos com maturidade espiritual, que não somente tenham professado sua fé em Cristo, mas que vivam essa fé cada dia. - Billy Graham - Visão Missionária 4T90. 25.3.2008

 

Certo homem, assim que se converteu escreveu uma carta em forma de testamento, narrando a grande experiência que tivera ao lado de Cristo. Sempre que chegava alguém em seu lar, a primeira coisa que ele fazia era dizer que se convertera ao cristianismo e, em seguida, pedia que lessem a sua experiência com Jesus Cristo. Os anos foram se passando e quase todos os parentes, amigos e vizinhos tinham lido aquela carta. Com medo que aquele documento se perdesse, arquivou e guardou muito bem guardado por um bom período. Os anos se passaram e este homem recebeu em seu lar o novo pastor da igreja a que pertencia. E, como era costume, foi apanhar aquele antigo documento, mas para sua decepção as traças tinham destruído totalmente aquela "preciosa" carta. O homem ficou triste, pois tinha se esquecido de como fora aquele memorável encontro com Cristo. Esta história nos traz uma grande lição: A vida daquele homem não endossava o que a carta relatava, e por isso esqueceu-se de como foi que Cristo o restaurou do pecado. 26.3.2008

 

Uma jovem empregada doméstica dizia-se convertida e um pastor evangélico perguntou-lhe como era que o sabia. Respondeu ela que desde que havia entregue o seu coração estava mudada. Dedicava mais cuidado aos seus afazeres. Costumava varrer apenas em volta dos tapetes, "mas", disse ela, "agora varro também por baixo deles" (Alimento Espiritual, publicação de Ilídio Freire, Lisboa, Portugal). 27.3.2008

 

Achei legal a idéia de um comerciante da cidade. Sendo um novo crente, achou de colocar no anúncio de rua para sua loja, de fundo musical, o hino que diz: “Oh tão cego eu andei e perdido vaguei...”. Os experts em propaganda censurariam a idéia, mas ele aproveitou para testemunhar. 6.5.2008

 

"Qual dos meus argumentos levou-o a receber Cristo no coração?" perguntou um missionário no Egito a um maometano muito cortês que pregava a Jesus com grande zelo e sucesso. A resposta surpreendeu ao missionário: "Todos os seus argumentos eu podia refutar, pelo menos para minha satisfação. Foi a sua vida que me convenceu da salvação em Cristo". Cabe a nós viver em perfeita comunhão com o Senhor. O que mais Deus espera de nós, Seus filhos, é uma vida santa e dedicada. Ele nos salvou, nos recebeu de braços abertos, perdoou todos os nossos pecados e preparou-nos para viver de maneira abundante. Ele nos amou mesmo sendo nós infiéis e rebeldes. Ele cuida de nós como a jóia mais preciosa deste mundo. Ele nos confiou a tarefa que os anjos desejavam realizar -- levar a Palavra de transformação para todos os que, longe dEle, caminham sem rumo e sem perspectiva de chegar a lugar algum. A nossa palavra pode ser firme e eloquente. Pode ser meiga e cheia de ternura. Pode alegrar o coração de uma pessoa aflita e fortalecer os cansados e decepcionados com as lutas do caminho. Mas a nossa principal pregação consiste em viver de acordo com os ensinos das Sagradas Escrituras. É através do brilho de uma vida transformada que muitos acharão o Caminho pelo qual procuram por toda a sua vida. Uma palavra de amor traz regozijo ao angustiado, um gesto de amor lhe assegura que a vitória logo virá. Uma palavra suave acalmará o oprimido, mas uma vida cheia de paz o libertará. Uma palavra de fé renovará o abatido, mas uma vida confiante lhe fará ver a Deus. O Senhor é santo. Nossa vida precisa ser santa. Assim agradaremos ao Senhor, seremos felizes e mostraremos o caminho da vida eterna aos nossos amigos. 31.7.2008

 

Um pastor de uma pequena cidade estava evangelizando um fazendeiro, criador de porcos, tentando levá-lo a abrir seu coração para o Salvador. Todas as vezes que o pastor lhe falava de Jesus o fazendeiro apontava para os hipócritas da igreja. Certo dia, o pastor foi até a fazenda daquele homem e disse-lhe que desejava comprar um de seus porcos. "Tudo bem," disse o homem, "vou lhe mostrar os melhores porcos que tenho." "Não!", retrucou o pastor, "quero o pior porco que o senhor tiver." "Mas por que deseja o pior se eu tenho excelentes porcos?", perguntou o fazendeiro. "É que eu pretendo levá-lo a todos os fazendeiros da vizinhança para mostrar o tipo de porcos que o senhor cria." Nós temos o péssimo costume de formar conceitos baseados no lado ruim daquilo que observamos. Se um político é corrupto, dizemos que todos os políticos o são. Se somos mal-atendidos por um médico, criticamos a forma como todos os médicos atendem aos seus clientes. Se um estudante não leva a sério seus estudos na faculdade, logo concluímos que aquela instituição é fraca e seus professores incompetentes. O mesmo acontece na igreja. Se um cristão não age de maneira correta, logo proclamamos que "aquela igreja não é boa e seus membros são todos enganadores e hipócritas." Se um pastor age de maneira inconveniente e usa o dinheiro da obra de Deus sem a santidade que seu cargo exige, logo aparecem aqueles que se aproveitam para dizer que "os pastores só sabem cobrar o dízimo e enriquecer às custas dos bobos!" 18.8.2008

 

Um ateu prometeu a um pregador britânico, Alexander Maclaren (1826-1910) que freqüentaria sua igreja nos quatro finais de semana seguintes, e que ouviria a sua apresentação das doutrinas principais do Cristianismo. Ele compareceu à igreja e ouviu atentamente os sermões de Maclaren. Após a quarta mensagem, o ateu se apresentou a toda a congregação e confessou ter recebido Jesus como Senhor e Salvador em seu coração. Maclaren ficou muito feliz e não conseguiu resistir ao impulso de perguntar qual dos quatro sermões havia lhe tocado mais ao ponto de tomar aquela decisão. O ateu respondeu: "Seus sermões, senhor, foram úteis, mas não foram eles que me persuadiram." Ele contou que após um dos cultos, ao ajudar uma senhora bastante idosa a seguir em um caminho escorregadio, ela olhou para seu rosto e falou: "Eu gostaria de saber se você conhece o meu Senhor e Salvador, Jesus Cristo. Ele é tudo no mundo para mim. Eu queria que você O conhecesse também". O ateu disse: "Aquela palavra penetrou profundamente em minha alma e eu fui para casa onde me ajoelhei e encontrei a Cristo sozinho". Quantas vezes durante nossa vida cristã nós falamos para alguém da bênção de ter Jesus no coração? A alegria de encontrar o Salvador é tão grande que deveríamos fazê-lo todos os dias, em todos os lugares, em todas as circunstâncias. A decisão que um dia tomamos deveria estar reluzindo em nosso rosto e contagiando todos os ambientes em que nos encontramos. O nosso testemunho de felicidade é muito mais poderoso que qualquer sermão, por mais elaborado que ele seja. Precisamos compreender isso. Precisamos praticar isso. Precisamos crer que a tarefa de pregar o Evangelho não é só do pastor ou de um líder religioso. Como cristãos devemos buscar a Deus e pedir-Lhe o revestimento de poder para que sejamos sempre bênçãos em Suas mãos e jamais pedras de tropeço ou causa de escândalos. Um coração dedicado ao Senhor pode esquentar os mais gélidos corações, como o daquele ateu de nossa história. Você tem mantido sua vida cristã oculta ou tem procurado, com ela, iluminar o caminho dos que ainda estão perdidos? 01-09-2008

 

Se você mantém contato regular com a família e os amigos, seja por correio ou e-mail, você provavelmente já recebeu ou enviou uma comunicação de endereço. Diz mais ou menos o seguinte: "Eu não vou mais receber correspondência em tal endereço. Meu novo endereço será ____________. Obrigado por anotar essa mudança". Paulo lembrou os crentes em Colossos de que havia ocorrido uma "mudança de endereço", e que deveriam contar isso para os outros. Eles haviam se mudado, de uma comunidade, e foram "levados" ou transportados, pela graça de Deus, para uma nova comunidade. Haviam sido resgatados do domínio das trevas e trazidos para o reino de Jesus (1:13). O endereço antigo era pecador@dominiodastrevas. Mas, quando se tornarem seguidores de Jesus, o endereço passou a ser salvo@reinodofilhoamado. Em Filipenses 3:20, Paulo declarou que todos os cristãos são cidadãos do céu e deveriam viver como dignos de seu novo endereço. Ele encorajou os cristãos de Colossos a caminhar com sabedoria para com os de fora da fé, para que as pessoas pudessem ver e ouvir a respeito das mudanças (Colossenses 4:5,6). Se você já teve uma "mudança de endereço", conte para alguém o que Jesus fez em você. 1.9.2008

 

"Se um homem não pode ser um Cristão no lugar onde ele está, ele não pode ser um Cristão em nenhum outro lugar." (Henry Ward Beecher). 24.10.2008

 

Certo homem declarava-se ateu. Parecia que nada seria capaz de mudar o seu pensamento, agora aos oitenta anos. Ele tinha uma boa aparência e percebia-se que era muito inteligente. Ele jamais apareceu em uma igreja. Um dia, o pastor de uma comunidade próxima foi visitá-lo com o propósito de falar sobre Deus e a salvação. Ele possuía todos os argumentos escarnecedores na ponta da língua. O pastor não teve a habilidade para responder a todos eles. Quando o visitante se levantou para sair, o homem lhe disse: "existe um argumento, meu caro amigo pastor, que você não apresentou e que eu não poderia contestar. Do outro lado da rua mora um homem que nunca falta aos cultos de sua igreja". "Sim, é o irmão José, um homem dedicado, santo e fiel", disse o pastor. O ateu continuou: "eu tenho percebido naquele homem uma alegria de viver que eu não possuo e não posso explicar. Sua vida é um argumento a favor de sua religião que eu não tenho como contestar." 21.11.2008

 

Esta é a época de se receber catálogos pelo correio. Todos os dias chegam os vistosos catálogos de fim de ano. Cada um deles diz que me oferece alguma coisa que eu preciso – imediatamente. "Não perca tempo!" "Oferta limitada!" "Peça agora mesmo!" A isca funciona. Folheando os catálogos, descubro coisas que nem sabia que precisava ter. Surgem coisas que parecem ser mesmo essenciais, muito embora há alguns minutos atrás eu nem soubesse que elas existiam. Os fabricantes usam as ilustrações dos catálogos para criar desejo por seus produtos. De uma certa forma, os cristãos são catálogos de Deus. Nós somos a ilustração para o mundo daquilo que Deus tem para oferecer. A obra dele em nossas vidas nos torna retratos daquelas qualidades que as pessoas podem nem saber que precisam ou desejam, até vê-las atuando em nós. Jesus orou para que seus seguidores ficassem unidos, a fim de que o mundo soubesse que Deus enviou Jesus e que ele os ama, assim como ama seu Filho (João 17:23). Quando Cristo está vivendo em nós, nos tornamos exemplos do amor de Deus. Não podemos fabricar amor. Deus é o fabricante e nós somos sua obra. Quando você folhear os catálogos de Natal, considere o que o "catálogo" da sua vida diz a respeito de Deus? As pessoas vêem qualidades em você que as atraem a Deus? Julie Ackerman Link. 9.12.2008

 

Um homem, certa vez, perguntou a D. L. Moody: "Agora que sou convertido, devo abandonar o mundo?" Moody respondeu: "Não, você não precisa abandonar o mundo. Se o seu testemunho do Filho de Deus for forte e marcante, o mundo mesmo o abandonará. Ele não desejará ter você por perto." 13.1.2009

 

"Não devemos permitir que alguém saía de nossa presença sem se sentir melhor e mais feliz". Madre Teresa de Calcutá, religiosa, IND, 1910-1997 19.1.2009

 

Certo homem manifestou interesse em dedicar sua vida a Jesus, mas, ao entrar na igreja ficou escandalizado, pois a pessoa que estava no púlpito discursando com tanta eloqüência ele conhecia muito bem: era um Caloteiro e Péssimo vizinho. Ficou muitos dias num dilema, pois, queria ser cristão, mas, seu ânimo esfriava sempre que se lembrava daquele homem. Então, uma noite ele sonhou que viajava num deserto e tinha muita sede. Cada vez que ele via um poço de água, abaixava-se para beber, mas, só comia areia, pois, eram miragens. Esta cena repetiu-se várias vezes. Até que ele se viu num oásis, onde corria um córrego de águas cristalinas, mas não teve coragem de se abaixar novamente, pois, não queria mais encher a boca de areia. Nisto um anjo apareceu e lhe disse: - Beba, esta água é verdadeira. A princípio ele ficou desconfiado, mas, depois criou ânimo, abaixou-se e bebeu até saciar a sua sede. E a água era excelente. Mas, ao erguer os olhos reparou que próximo ao córrego havia um cavalo morto e ele ficou muito preocupado, com medo que tivesse tomado água contaminada. Mas, o anjo o confortou: - Não fique preocupado!  Esta água é a Palavra de Deus, as impurezas que você anda vendo por aí não têm o poder de invalidá-la. Beba sem medo! Logo que acordou, abriu seu coração e recebeu a Cristo como único Senhor e Salvador de sua alma. Um pensamento: Não olhe para o defeito dos outros. Olhe só para o alvo: O SENHOR JESUS. 26.1.2009

 

Certo chinês convertido, visitando a América, ficou profundamente impressionado com a superficialidade de muitos que se diziam cristãos. Em uma ocasião, com muita firmeza, ele disse: "Em meu país, quando alguém se converte, deixa o mundo e tudo o que nele existe, vindo a Cristo completamente vazio, para se tornar, verdadeiramente, Seu discípulo." Como tem sido nossa vida após abrirmos o coração para Cristo? Houve mudança? Passamos a valorizar as coisas espirituais ou continuamos vivendo e praticando as obras da carne? Temos procurado glorificar ao Senhor ou persistimos na velha conduta, mundana, sem princípios, enganadora e que apenas envergonha o nome de Jesus? Quando nos apresentamos como cristãos mas em nada nos assemelhamos a Cristo, enganamos a alguns e principalmente a nós mesmos. Jamais enganaremos ao Senhor que nos perscruta e vê tudo o que fazemos. Não adianta ter a aparência de um cristão. É necessário que demonstremos isso produzindo frutos que glorifiquem ao Senhor Jesus. A Palavra de Deus nos diz que "pelos frutos conhecemos a árvore". Uma vida superficial, indiferente, sem frutos, em vez de servir de bênção, provavelmente servirá de pedra de tropeço para aqueles que ainda estão caminhando em direção ao Salvador.

O cristão transformado tem prazer em falar de Cristo, em imitar o seu Senhor, em buscar os perdidos para que experimentem a mesma alegria que ele passou a ter no dia em que ultrapassou a linha que o separava da presença maravilhosa de Jesus. Seus amigos sabem que você agora pertence a Cristo ou ainda não perceberam a mudança? 27.1.2009

 

Todo final de semana, sem faltar um sequer, um homem já bem idoso, era visto caminhando em direção à igreja. Todos no quarteirão sabiam que ele era completamente surdo, incapaz de ouvir uma única palavra dos hinos cantados, do coral ou do sermão. Um vizinho, cínico, escreveu-lhe uma nota: "Por que você perde seu tempo indo à igreja no fim de semana se não pode ouvir uma palavra sequer?" O homem respondeu: "Porque eu quero que meus vizinhos saibam de que lado eu estou." De que lado nós estamos? Do lado da conveniência, para garantir a presença de alguns amigos, para nos ajustar ao ambiente comum do trabalho, para não nos afastar do caminho que julgamos ser mais propício aos interesses pessoais? De que lado nós estamos? Do lado dos enganadores, que disfarçam suas atitudes, procurando agradar a "gregos e troianos"? Do lado da falsidade, achando que com um certo jeitinho poderemos tirar proveito de várias situações? Do lado da hipocrisia, crendo que Deus não perceberá nossas artimanhas? 3.2.2009

 

Toda manhã, Henrique, um cristão, entrava em seu escritório cantando uma canção do musical Oklahoma, de Rodger e Hammerstein: "Oh, que manhã bonita; oh, que dia bonito! Tenho um lindo pressentimento, tudo acontece do jeito que eu quero!" Mas certa manhã, ele esqueceu de cantar. Henrique logo percebeu que algo estava errado no escritório; todos ao seu redor pareciam evitá-lo. Quando finalmente perguntou a uma colega o que estava acontecendo, ela respondeu: "Você não cantou esta manhã, e nós pensamos que você estava aborrecido!" Henrique se tornara tão conhecido pelo espírito alegre e positivo, que seus colegas estavam convencidos de que algo errado acontecera com ele naquela manhã. Henrique não percebera como as pessoas o observavam atentamente e desde então resolveu vir ao trabalho sempre cantando. O livro de 1 Pedro 2 nos relembra que as pessoas estão observando nossas vidas (1 Pedro 2:11-12). Para sermos bons representantes de Jesus Cristo, Pedro ensina que devemos ser submissos às autoridades, viver uma vida honesta, fazer boas obras, honrar as pessoas e temer a Deus (1 Pedro 2:12-17). O testemunho das nossas vidas pode nos dar oportunidades para compartilhar as boas novas de Jesus. Portanto, talvez possamos nos perguntar: "O que as pessoas vêem em mim?" Anne M. Cetas 17.2.2009

 

Eu lhe contarei a ESTÓRIA DOS CINCO DEDOS. Acompanhe-me: Olhe para a sua mão. Em cada mão normalmente há cinco dedos. Qual deles é o mais diferente de todos? O POLEGAR, certamente. Ele é menor que  os outros (tem uma parte a menos). Ele está separado dos outros e não faz parte do grupo maior.  Nessa estória, ele se chama “SOU PECADOR”.  A bíblia diz que todos somos pecadores e estamos separados de Deus(Romanos 3.23; 6.23) O outro dedo é o  INDICADOR. Nós o usamos para para indicar, apontar. Seu nome é “JESUS ME AMA”.  Diz a bíblia: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira, que deu o Seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16) O dedo do meio, o MÉDIO, nos faz lembrar do Calvário, onde Jesus, ao lado de dois ladrões, foi crucificado. Ele se chama “JESUS MORREU POR MIM”, pois Cristo morreu por nós quando ainda éramos pecadores (Rm 5.8) O outro dedo é o ANULAR. Usamo-lo para colocar a aliança de casamento, quando dizemos: “Eu aceito você por minha esposa/meu marido. Seu nome é “EU O ACEITO”, e me diz que devo entregar a minha vida a Jesus Cristo e torná-lo meu Salvador. E o MINDINHO? Ele é o mesmo “SOU PECADOR”, mas agora, salvo por Cristo, foi transformado!  Antes ele estava separado, agora está unido; antes era incompleto, agora não. Seu nome é “ESTOU SALVO”. Vamos tornar isso realidade? Que tal entregar-se a Cristo agora, através de uma simples e sincera oração? Diga assim: “Senhor Deus, eu sou pecador. Sei que estou perdido e que não tenho salvação. Reconheço que Cristo morreu em meu lugar na cruz e aceito o sacrifício dele em meu lugar. Dirija minha vida e seja meu Senhor. Perdoa os meus pecados e aceita-me. Em nome de Jesus, amém.” Se você fez isso com sinceridade, bem-vindo à família de Deus! - Wagner Antonio de Araújo 19.2.2009

 

Certa vez um grupo de alunos em Harvard tentou enganar o famoso professor de zoologia Agassiz. Eles pegaram partes de vários percevejos diferentes e com grande habilidade prenderam-nas formando um novo inseto que eles, estavam certos, confundiria seu professor. No dia escolhido, trouxeram-no para o professor e perguntaram se era capaz de identificá-lo. Enquanto o mestre examinava o inseto com grande cuidado, os alunos aguardavam com a certeza de que conseguiriam enganá-lo. Finalmente, o Professor Agassiz aproximou-se do grupo e, com tranqüilidade, falou ao grupo: Eu o identifiquei! Com dificuldades para disfarçar a vontade de rir, eles perguntaram o nome do inseto. Agassiz  respondeu: "É um IMPOSTOR." Quando nos apresentamos como cristãos, sem uma vida colocada no altar de Deus e sem estarmos submissos à Sua vontade, logo somos descobertos como uma falsificação e não poderemos esconder que, na realidade, não passamos de "impostores espirituais." Muitas vezes julgamos que podemos enganar a Deus e ao Seu povo com uma falsa aparência de santidade. Mostramos um olhar piedoso, oramos com veemência e até com lágrimas nos olhos, citamos versículos previamente decorados, mas continuamos tão distantes de Deus como antes. Podemos até pensar, como o grupo de alunos de Harvard, que confundiremos o Mestre, mas o coração do Senhor apenas se entristecerá por não passarmos de uma fraude. Deus espera, com muito amor, que a transformação em nossas vidas seja verdadeira e eterna. Autênticos, em Sua presença, teremos chuvas copiosas de bênçãos sobre nossas cabeças. Você tem procurado glorificar, a  todo  momento, o nome de Cristo com seu testemunho ou se coloca entre os "impostores espirituais?" 2.4.2009

 

Certo homem, fora visitar um farol e dissera ao faroleiro: - O senhor não se apavora de viver aqui? E terrível este lugar para se permanecer nele! - Não - respondeu o faroleiro. Não tenho medo. Aqui nunca pensamos em nós mesmos. - Como é isto!? Nunca pensam em si mesmos!? - Nós sabemos que estamos perfeitamente seguros e cuidamos de ter as nossas lâmpadas brilhando e nossos refletores bem limpos, de modo que aqueles que se acharem em perigo, possam ser salvos. Isto é o que os cristãos devem fazer. Eles estão salvos numa casa construíra sobre a rocha, que não poderá ser abalada pelas tempestades mais tremendas, e num espírito do mais santo altruísmo devem fazer brilhar sua luz através das trevas do pecado, a fim de que os que se acham em perigo possam alcançar as praias bonançosas de salvação. 28.4.2009

 

Certo dia, ao romper da manhã, eu estava nas costas da Fenícia e observava um aeroplano levantar vôo. A bordo daquela aeronave, estava o evangelista que havia trazido às congregações daquelas terras bíblicas a mensagem viva do evangelho. Duas horas depois, estaria ele em outro pais, onde igualmente entregaria a preciosa mensagem. Quando o aeroplano sumiu-se no horizonte sob o céu de cristal que cobria o Mediterrâneo, lembrei-me de Paulo e Barnabé que, séculos atrás, partiram daquela mesma baía. Embarcaram para navegar por semanas e semanas e visavam chegar às terras pagãs, onde havia pontes para o cristianismo. Não tinham juntas de missões para sustentá-los, nem levavam nos bolsos cheques de turismo. A falta destas coisas tão convenientes não os impediu de empreenderem a viagem. No mundo moderno, muitas são as oportunidades, conveniências e estímulos para aqueles que querem ser testemunhas da graça salvadora de nosso Senhor. A necessidade maior é que sejamos testemunhas de Cristo. P. C. Krikorian 30.4.2009

 

Ouvi do pastor Ruy Nagel a história de uma senhora cristã que precisava desesperadamente vender um imóvel para poder liquidar uma hipoteca. Quando alguém ia ver o imóvel, ela sempre dizia: “Esta pode ser uma boa compra, mas quem adquirir o imóvel terá que trocar a caldeira por outra nova.” Diante disso, muitos acabavam desistindo. Então, a filha, aborrecida com essa atitude da mãe, disse-lhe: “A senhora sempre tem que informar aos compradores a respeito da caldeira, mamãe?” “Creio que sim, minha filha. Não conheço nenhuma declaração bíblica que diga que devemos dizer a verdade sempre que pudermos e mentir quando for conveniente.” Um último interessado, depois de ouvir todas as explicações, disse: “Negócio feito. Sou técnico em caldeiras e eu já sabia do problema. O que poderia me deixar preocupado seria a senhora não me dissesse nada acerca da caldeira, porque, então, eu poderia pôr em dúvida as demais informações. Agora, me sinto seguro para comprar o imóvel.” O que você acha desse testemunho? Se aquela mulher tivesse ocultado o problema da caldeira, cedo ou tarde, o futuro proprietário do imóvel, saberia que foi enganado, e o nome de Jesus seria manchado. Lembre-se: Você que serve a Deus carrega um nome a preservar. Não o seu como pessoa de Deus, mas o nome de alguém que está acima de todo nome - JESUS CRISTO.  Façamos deste verso uma mensagem direcionada para mim e para você. Que o Senhor Deus nos ajude nessa nossa avaliação pessoal.18.6.2009

 

Ontem, li uma frase que me chamou muita atenção, sobre a situação da igreja, que foi dita por Luis Palau (nascido a 27 de novembro de 1934 em Ingeniero Maschwitz, província de Buenos Aires, Argentina) é um evangelista cristão internacional protestante. Atualmente reside em Portland, Oregon, Estados Unidos. Que diz: "A igreja é como esterco. Se você amontoa, exala um cheiro horrível por toda a vizinhança. Mas se você espalha, então ela fertiliza o mundo inteiro." Estava meditando, nessa frase que de inicio, me assustei pela comparação "esterco", mas tive que me render a essa realidade.18.6.2009

 

Há alguns anos, o governo comunista da China mandou um escritor escrever uma biografia do missionário Hudson Taylor com o objetivo de torcer os fatos e provocar descrédito no seu trabalho. Enquanto o autor fazia a sua pesquisa, ficou bastante impressionado com o caráter santo e a vida dedicada de Taylor, concluindo que sua tarefa seria demasiadamente difícil de executar. Mesmo sabendo que estaria arriscando sua vida, colocou de lado sua caneta, abandonou o ateísmo e recebeu o Senhor Jesus como seu Salvador pessoal. Nosso exemplo, queiramos ou não, influencia a muitos que estão ao nosso redor. Nosso testemunho poderá conduzi-los à eternidade com Deus ou sem Ele. Somos luz para o mundo e essa luz não pode, de maneira alguma, permanecer apagada. A nossa vida é uma pregação constante e nossos amigos a ouvirão sempre que se encontrarem conosco. Quando Cristo é o principal tema de nosso viver diário, as trevas se dissipam, os escarnecedores se colocam à margem, os indiferentes são motivados, o sol das bênçãos de Deus brilha com mais intensidade. É grande a nossa responsabilidade e precisamos estar bem conscientes disso. Seria muito bom se, a exemplo de Daniel, ninguém pudesse encontrar coisa alguma de que nos acusar a não ser o fato de vivermos para adorar e glorificar o nome de Cristo. Os acusadores seriam envergonhados, o mundo seria envergonhado, o diabo seria envergonhado, o nome de Jesus seria exaltado, os céus estariam em festa e a felicidade seria total em nossas vidas. Se alguém buscasse motivos em sua vida para desmoralizá-la, o que encontraria? Muita coisa errada ou apenas o reconhecimento de que você realmente tem uma vida exemplar?10.7.2009

 

Dr. Samuel Zwemer, o grande missionário para o mundo árabe, estava uma vez falando de Jesus para as pessoas em uma  sala de espera de um hospital. Um beduíno que viajara 800 quilômetros para um tratamento disse para  Dr. Zwemer: "Eu compreendo tudo que você nos falou porque eu conheci pessoalmente este homem. Ele viveu em minha área rural faz algum tempo. Era um tanto estranho. Quando as pessoas o agrediam com ofensas ele não rebatia e nem buscava vingança. Ele cuidava dos enfermos, dos presidiários e  de todos que enfrentavam dificuldades. Ele tratava bem a todos e dizia que todos eram bons. Ele viajava distâncias imensas debaixo de sol causticante apenas para ajudar as pessoas. Ele era tudo o que você disse." Dr. Zwemer ficou sabendo que aquele de quem o árabe estava falando era Peter Zwemer, seu próprio irmão, que tinha, anos antes, começado um trabalho missionário na Arábia. Embora não tivesse vivido muito  para ver os resultados, ele revelou Cristo através de sua própria vida de amor pelo próximo. Que rastro temos deixado nos caminhos por onde passamos? Que sinais e marcas têm permanecido nos locais onde  moramos, estudamos e trabalhamos? Se nossos amigos fossem encorajados a nos descrever, de que se lembrariam?  Como seríamos retratados? A melhor maneira de retratarmos a pessoa de Jesus é através de uma vida santa e consagrada, praticando os ensinos do Senhor e deixando-O agir em nossas atitudes. O mundo precisa ver em nós aquilo que ensinamos e pregamos. Só assim poderão se certificar de que verdadeiramente somos filhos de Deus e que somos discípulos e imitadores de nosso Mestre. Seus amigos e vizinhos seriam capazes de dizer que você se parece com Jesus?29.8.2009

 

Hudson Taylor conta sobre um jovem Cristão que recebeu Cristo como seu Salvador mas disse ao missionário  que esperaria até que aprendesse mais sobre o Senhor antes de oferecer-se para servi-Lo. "Bem," disse Taylor,  "eu tenho algo mais a lhe perguntar. Quando você acende uma vela, tem o propósito de torná-la mais forte ou preparada?" "Certamente que não," disse ele, mas para iluminar." "E você espera que ela esteja pela metade para que possa ser usada melhor?" "Não, eu a uso imediatamente após estar acesa." "Muito bem," ele disse, "vá e faça o mesmo; comece de uma vez." Muito pouco tempo depois haviam 50 cristãos naquela cidade como resultado do trabalho daquele jovem. Da mesma forma que nos equivocamos ao pensar que abrir o coração para Cristo é uma decisão a ser tomada na  velhice, quando nada há de melhor a fazer, também nos enganamos ao julgar que só devemos começar a servir ao Senhor quando estivermos perfeitamente preparados para tal. O Senhor Jesus espera que comecemos a testemunhar de nossa fé desde o primeiro momento de nossa nova vida. Não podemos cometer o engano de pensar que primeiro precisamos ficar mais fortes para semear a Palavra que transforma e para iluminar o mundo com a nossa presença renovada. Se eu ainda não sou capaz de me apresentar para pregar um sermão, posso me oferecer para entregar um folheto e dizer: "Jesus ama você." Se não estou preparado para ir à frente e cantar um belo cântico de louvor, posso glorificar a Deus em voz baixa e orar pelos que são mais experientes. Se não posso fazer grandes coisas, posso fazer as pequenas e crer que o Senhor as transformará em grandes milagres. Uma pequena e frágil vela acaba com  a  densa escuridão. O nosso testemunho, por mais simples e inexperiente que seja, pode salvar muitas vidas,  transformar o ambiente onde trabalhamos, iluminar uma cidade. Os resultados não dependem de nossa força, mas do poder do Senhor a quem servimos. 28.10.2009

 

Certa ocasião eu me encontrava em frente de um estabelecimento bancário, que ainda estava fechado. Muitas outras pessoas também estavam ali entre eles algumas pessoas me conheciam, e sabendo que eu era um lider de igreja, perguntaram por alguns membros da igreja. Como eu era novo no local, sem ainda conhecer os nomes dos membros, não pude responder as perguntas. Foi então que um deles me disse: "Vocês, como lideres de igreja, só conhecem os membros dentro das igrejas. Mas, nós os conhecemos aqui fora." No tom de voz e da maneira com este cidadão falou, dava para compreender que ele dizia que os membros das igrejas, quando estão nos templo tem uma conduta, e quando estão fora tem outra diferente. Caio Fábio diz no seu livro: "A manifestação cúltica do lado de dentro tem que ser, antes e sobretudo, afirmada do lado de fora. Em outras palavras, se não há culto na vida, não há vida no culto." Não adianta sairmos para fora, do portão se não sairmos com o perfume da vida, como diz Paulo em II Co 2.15. 21.10.2009

 

O cantor Johnny Cash, em uma entrevista, contou que a vida com Deus foi responsável pelo sucesso em sua longa carreira. "Diariamente eu coloco minha vida diante de Deus comprometendo-me a seguir a Sua vontade. E enquanto mantenho meu compromisso, tudo vai muito bem," relatou Cash. "Quando eu esqueço-me disso e procuro seguir a minha  vontade, tudo dá errado e nada vai bem." O cantor country era  viciado em drogas na década de 60 e foi preso várias vezes. Cash contou que superou seu vício renovando sua fé. Ele contou  também como uma simples parada para dar um polimento em seus sapatos, no ano de 1959, lhe fez aprender uma grande lição. "Eu estava esperando que o engraxate fizesse um serviço rápido, como desejam os  impacientes jovens, mas o rapaz trabalhava lentamente. Eu disse a ele: 'Você não parece muito esperto." O rapaz respondeu: "Esse é o problema do mundo de hoje, existe muita esperteza e pouco brilho." Que tipo de cristãos temos sido em nossas vidas diante de Deus? "Espertos," sempre aproveitando as oportunidades para mostrar o quanto somos dinâmicos, eficazes e empreendedores, jamais esquecendo de "deixar pistas" para que todos percebam o que fazemos e, como reconhecimento exaltem nosso nome e nos coloquem nos lugares elevados de que somos "merecedores" ou, como servos humildes e fiéis, cuidamos para que a  única coisa vista em nosso trabalho seja o brilho e a glória do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo? Quando a nossa conversão é genuína e Cristo habita, verdadeiramente, em nossos corações, a esperteza material e mundana é repelida e o Espírito de Deus trabalha em nossas vidas para que o nome do Senhor seja proclamado com denodo e regozijo. Alegramo-nos pelas bênçãos recebidas do Senhor e desejamos ardentemente compartilhá-las com todos. Os nossos interesses são esquecidos e o brilho da presença de Deus começa a iluminar, através de nosso testemunho, o caminho daqueles que ainda não O conhecem. Você se dispõe a deixar de lado a "esperteza" e cooperar para que o mundo fique mais brilhante com a presença de Cristo? 28.10.2009