Ilustrações Ilustrações R

Roubo

 

Dois amigos se encontram: - Uaal! - diz o primeiro - Que relógio legal você comprou, hein? - Não comprei não... - responde o amigo - Ganhei em uma corrida! - Que legal, cara! E quantas pessoas participaram dessa corrida? – Três! - Só isso? - É... Eu, o antigo dono do relógio e um policial!

 

Após a consulta o sujeito pergunta ao médico: - Quanto é a consulta, doutor? - São duzentos reais. - Duzentos?! Não tem um desconto para um colega de profissão? - O senhor também é médico? - Não, eu também sou ladrão!

 

Certo homem, havia entrado no sítio do vizinho em companhia do seu filho ainda pequeno, a fim de tirar algumas espigas de milho, quando o garotinho, instruído pela religião, falou: “Papai, alguém está olhando”. Assustado, o homem perguntou: “É!! Quem?” Falou o menino: “É Deus, papai; é Deus!” E o homem desistiu de apanhar as espigas do vizinho, porquanto se envergonhou do que fazia.

 

Colhi uma informação de que em Nova Zelândia, na Biblioteca de Auckland, o livro mais roubado é a Bíblia!

 

Conta-se acerca de Herodes, procurador da Judéia, o seguinte: Um dia, Herodes, (ele era casado), viu a sua cunhada e a cobiçou e quebrou o sétimo mandamento e passou a viver com ela. Quando veio João Batista e o condenou por seu pecado. Mais tarde, instigado por sua esposa, Herodes mandou degolar João Batista. Quando Jesus passava pelas ruas de Jerusalém pregando, Herodes não dormia à noite. Pensava que Jesus era João Batista que tinha voltado ao mundo para condená-lo outra vez. Nunca mais a sua consciência se aquietou. O diabo lhe dera uma mulher, mas levara a sua paz de consciência.

 

Todos sabemos que a Bíblia diz do diabo que ele é um ladrão. Mas o que o diabo quer roubar? A sua casa? O seu dinheiro? O que o diabo vai fazer com casa? O que o diabo vai fazer com dinheiro?

 

Certa ocasião presenciei uma discussão entre uma cliente e um gerente de supermercado. Enquanto a mãe escolhia cuidadosamente as uvas, o filho ia comendo as frutinhas. Com delicadeza o gerente informou à criança que as uvas estavam à venda e não eram amostra grátis. A mãe saiu em defesa do filho: "Pelo amor de Deus!" disse, indignada. "Reclamar por algo tão pequeno!". Eu me perguntei que critérios ela usaria para traçar a linha entre "pequeno" e "grande". Talvez "grandes" fossem as frutas que se descascam, como a laranja? A única distinção que o garoto fazia era entre o que queria ou não. E ele queria aquelas uvas. Se a mãe corrigiu o filho em particular, nunca saberemos. Mas a mensagem que lhe transmitiu em publico foi clara e direta: roubar "pequenos objetos" é permitido, na verdade, nem chega a ser roubo.

 

"Vou comprar esta camisa, seu Chico. Me dê a nota." "Que nota, homem? Não precisa de nota". "Eu quero a nota, seu Chico". "Deixa pra lá. Pra que nota?" "Porque sou fiscal". "Então não precisa mesmo de nota... vai levar camisa bonita de presente!"

 

Foram a Taft, figura exponencial da política norte-americana, e lhe ofereceram uma fortuna. Ele lhes tornou: "Senhores, se vós tivésseis todo o ouro da América em vossas mãos e mo trouxésseis, ele não me levaria a defender vossas pretensões perante os tribunais e o público. Minha consciência não está à venda".

 

Quando alguém soube que nossa igreja estava tentando adquirir um sistema de som para ajudar na comunicação da Palavra no salão de cultos, mandou-me um recado: "Diga ao seu pastor que me disponho a pagar metade do custo da aparelhagem, desde que haja um culto especial onde eu farei a entrega formalmente"... Tudo seria apenas mais uma investida de um "aparecido" não fosse o autor de tal proposta um político ávido por votos! Más influências estão por aí, de todos os lados. - Eros Pasquini.

 

Li, certa vez, a história de uma senhora que constantemente repreendia o filho, mas sempre em vão, por causa de um hábito seu de trazer da escola objetos que não lhe pertenciam - lápis, cadernos, facas, e outras coisas. Um dia, ela resolveu fazer-lhe um ultimato: "Se você me aparecer aqui em casa com mais alguma coisa que não lhe pertence, está vendo essa agulha de tricô? Vou colocá-la no fogo e aquecê-la até ficar em brasa, e vou queimar com ela essa mão que pega coisas que não são suas". Durante um mês, ela não precisou tocar na mão do menino. Mas chegou um dia em que aquela boa mãe percebeu que o velho hábito do filho voltara. Compreendeu então que os seus receios não eram infundados. Pegou a mão do filho e disse-lhe que a sentença teria que ser executada. Mas depois que a agulha já estava aquecida, já rubra pelo calor, ela pegou-a e apertou-a contra sua própria mão, e não na do filho. Muitos anos depois, aquele filho, já homem feito, deu testemunho de que aquele sacrifício de sua mãe fora o momento decisivo de sua vida. Desde então, as suas mãos nunca mais tinham-se maculado. - Mensagem da Cruz.

 

No Rio de Janeiro, chama-se gato o fio elétrico que passa por fora do relógio a fim de se consumir energia sem pagar por ela. Muitos consumidores ligam, nesse fio, chuveiros, aparelhos de ar condicionado e até máquinas industriais. A companhia de energia vem atacando os gatos com medidas judiciais, investigação nas residências, lojas e fábricas, conseguindo eliminar a maioria das ligações clandestinas. Há algum tempo, foi feita campanha publicitária esclarecendo que gato é roubo e apelando para a consciência ética dos consumidores. O duro é que acharam desses gatos em casas de membros de igreja!

 

Mathew Henry, um famoso erudito, certa vez foi assaltado por ladrões que levaram a sua carteira. Ele escreveu estas palavras no seu diário: "Deixem-me agradecer primeiro porque nunca fui assaltado antes; segundo, embora eles levassem a minha carteira, eles não tiraram a minha vida; terceiro, mesmo que levassem tudo o que eu tinha, não era muito; e quarto, porque eu fui roubado, não fui eu quem roubou".

 

Há o chamado "jeitinho brasileiro". Só que este "jeitinho brasileiro" tem outro nome, chama-se corrupção!

 

"O povo gosta de pão e circo", diziam os imperadores vendo pessoas morrerem no Coliseu para delírio da massa.

 

"Ananias e Safira - Mentiram ao Espírito Santo. E, acredite, no Brasil, teve um pastor que pegou uma pessoa roubando na Igreja e ficou tão indignado que disse: "no tempo dos apóstolos Ananias e Safira morreram, porque não acontece isso agora?" O pastor declarou morte sobre aquela pessoa e ela morreu. - Fonte: www.miba.org.br/index.php?materia=323

 

Numa livraria, o cliente pede ao balconista: — Por favor, queria comprar aquele livro... O "Como Ficar Milionário da Noite Para o Dia", você tem? — Claro, só um minutinho que eu vou buscá-lo. - responde o vendedor. Ele volta com dois livros e começa a embrulhá-los para o cliente: — Moço, é... Desculpe, mas eu só pedi um livro! - argumenta o cliente. — Eu sei, o outro é o código penal. Vendemos sempre os dois juntos.

 

“Nunca andar com muito dinheiro, mas dispor sempre de uma nota de R$ 50 para entregar, sem hesitação nem demora, em caso de assalto.” A orientação de ter um ‘trocado’ para o ladrão, uma velha artimanha carioca para evitar uma agressão física ou até um tiro, tornou-se recomendação expressa do governo francês aos compatriotas que visitam o Brasil. marcelotorres@odianet.com.br 14/4/07

 

Um pastor procurava água, o frio era intenso, perto de sua casa só havia gelo. Suas ovelhas baliam por grama verde. Encontrou dois caminhantes, falantes e bem vestidos. Se mostravam ricos pelas roupas e mercadorias. Riram dos pés ressequidos do pastor. Com arrogância, perguntaram como chegar à cidade. O pastor mostrou o caminho. Não passou muito tempo, ouviu os balidos das ovelhas. Então, percebeu que os dois caminhantes corriam atrás delas com um facão. Eram ladrões. Assoviou para seus animais, que se juntaram. Os caminhantes viram o pastor e fugiram. O pastor ficou triste com seu engano, diante das belas roupas e jumentos carregados dos viajantes. Orou agradecido pelo livramento. Os caminhantes, dirigiram-se à cidade onde venderiam os produtos roubados. Mas não sabiam que a cidade era muito pobre, quer para vender, ou roubar, e que perderiam a viagem. 29.1.2008

 

Numa madrugada qualquer, um ladrão entra pelos fundos de uma casa e começa, em silêncio, a arrombar a porta dos fundos. Logo no início, escuta uma voz sussurrando: - Jesus te olhando ! O ladrão se assusta um pouco, olha para os lados (na penumbra) e não vê nada. Segue tentando arrombar a porta e escuta novamente a voz: - Jesus te olhando! Meio incrédulo, mas com a certeza de ter escutado a frase, olha novamente ao seu redor e nada. Quando reinicia sua "tarefa", ouve novamente a voz: - Jesus te olhando ! Ele dessa vez percebe de onde vem a voz e acende a lanterna, iluminando um canto da "área de serviço". Nisso vê um papagaio em uma gaiola e já aliviado, pergunta: Ah... você é que é o Jesus ? E o papagaio responde: - Não! Eu sou o Judas. Judas??? E quem é o louco que bota o nome de Judas em um papagaio? - O mesmo que botou o nome de Jesus no Rottweiller. 29.1.2008

 

Dois cristãos discutiam acerca da contribuição. Defendia um deles o de­ver e o privilégio de contribuir e aduzia argumentos a favor de sua tese. O ou­tro discordava e lembrava que não somos salvos pelas obras, e, sim, pela fé. E apresentou um argumento real: "O ladrão que se converteu na cruz não con­tribuiu e se salvou". Ao que o outro respondeu: "Há uma diferença entre você e ele: ele era um ladrão que estava morrendo, você é um ladrão que está vivo...". 14.2.2008

 

Pessoas que vão a uma delegacia dizer que seu carro foi roubado podem ser surpreendidas ao ouvir o oficial dizer: "não, seu carro não foi roubado, foi furtado". É que roubo é o ato de levar algo de alguém mediante ameaça, e furto é o ato de apoderar-se de algo às escondidas. Essa sutil diferença de' significado na linguagem policial faz pouca diferença para a vítima. Ser roubado ou furtado gera a mesma sensação de insegurança. Ultimato, Dez/Nov 2000 - 13.3.2008

 

Quando o dono de uma mina descobriu que seu cofre emperrara, telefonou para a penitenciária e pediu que enviassem um arrombador de cofres para abri­lo. Logo um detento e um guarda surgiam no escritório. O detento girou o disco, apurou os ouvidos e abriu tranqüilamente a porta do cofre. "Quanto é que lhe devo?" perguntou o homem. "Da última vez que eu abri um cofre, ganhei 25 mil dólares!" 17.3.2008

 

O sujeito faz um "gato" puxando a TV a cabo do vizinho e acha que está botando pra quebrar. 9.5.2008

 

Kleptocracy! Esse é o nome de game que oi baixaki.com.br divulgou outro dia, desafiando os usuários com esta chamada: “Você consegue invadir um museu e levar as peças mais valiosas com tempo limitado?” Há games que incentivam o roubo! 27.6.2008

 

Na China antiga, as pessoas desejavam estar seguras contra as hostes bárbaras e, por isso, construíram a grande muralha chinesa. Ela era tão alta que ninguém poderia subir através dela e tão espessa que nada poderia derrubá-la. Eles se colocaram por trás da muralha para apreciar sua segurança. Durante os primeiros cem anos da existência da muralha, a China foi invadida três vezes. Em nenhuma delas as hostes bárbaras derrubaram a muralha ou subiram por ela. Em todas as oportunidades eles subornaram um porteiro e marcharam direto pelo portão. Os chineses estavam tão ocupados confiando nas paredes de pedra que se esqueceram de ensinar integridade aos seus filhos. Até que ponto Deus pode confiar em nossa integridade? Como tem sido o nosso testemunho em relação à corrupção reinante no mundo atual? Como os nossos irmãos da igreja contemplam nossas atitudes? E os nossos amigos incrédulos, que conclusão tiram de nossa vida espiritual? A maior fonte de poder espiritual que podemos demonstrar a todos que nos conhecem é uma vida de íntimo relacionamento com o nosso Senhor Jesus Cristo. 20.2.2009

 

O sabidão foi ao gabinete do chefe e encontrou-o absorto no seu trabalho. Notou que ele estava a iniciar o seu computador e resolveu dar uma espiada pra ver se conseguia descobrir a senha do chefe, afinal, se descobrisse, o pessoal do escritório iria se orgulhar dele! Quando o chefe colocou sua senha, o homem saiu em disparada porta fora, gritando pra todos os colegas: - Descobri, descobri, descobri!!! Agora eu sei a senha do chefe!... Yes!!! Nisto, um colega de serviço mais atento pergunta: - E qual é a senha? O camarada responde, todo faceiro: - Asterisco, asterisco, asterisco, asterisco e asterisco!15.6.2009