Frio

 

A principios de este siglo, un barco naufragó frente a las Islas Scilly cerca de la costa de Inglaterra. El mar había estado calmado y el tiempo estaba despejado, pero la nave quedó atrapada en una corriente traicionera que poco a poco la sacó de su rumbo. Antes de que el capitán y la tripulación se dieran cuenta de lo que sucedía, el barco se estrelló contra las rocas. También en la vida, las fuertes corrientes de la transigencia pueden atrapar al alma y llevarla al naufragio. La pérdida del rumbo espiritual es por lo general un proceso lento e imperceptible. Sabemos que ha ocurrido cuando hemos perdido la firme resistencia al mal y el deseo apasionado que una vez teníamos de conocer la verdad. (Fonte: Osvaldo Carnival )

 

Para evitar que seu coração se torne frio, mantenha as chamas com Deus acesas.

 

Uma grande multidão de pessoas tem a infeliz idéia de que a igreja é chata - e por associação, Deus também é chato. É que passar uma hora agradável em algumas congregações é realmente difícil!! (Doug Fields, em Um Ministério Com Propósitos - Editora VIDA, pg 120). 

 

Em seu ministério, John Wesley enfrentou várias dificuldades, oposições, perseguições, e somente anos depois, ao retornar, é que podia então declarar que a vitória foi alcançada. Quando retornou À Irlanda, havia frutificação; o número de membros multiplicava, em muitos lugares eram construídas capelas espaçosas e cômodas em todos os sentidos, graças à liberalidade do povo cristão. Embora Wesley  muito se regozijasse com esta prosperidade, compreendia  que ainda não estava isento de perigos: "não há agora, nenhuma oposição da parte dos ricos nem dos pobres. Em conseqüência disso, não há muito zelo, pois o povo vive satisfeito com  sua comodidade. Oh, em que circunstâncias o homem se achará livre dos perigos deste mundo? Quando se levanta a perseguição, quantos saem ofendidos! Quando tudo está em paz, quantos se esfriam e perdem o primeiro amor! Alguns perecem na tempestade, porém, a maioria na calmaria. Senhor, salva-nos, senão pereceremos!!" (Extraído do livro Vida de John Wesley)

 

Se os exercícios espirituais são frios e mecânicos, isto pode ser corrigido com a criação de uma expectativa. Por exemplo: vamos orar? Vamos. Mas, o que eu espero que aconteça depois de meu momento de oração? 17/4/07

 

Conta-se que seis homens ficaram presos numa caverna por causa de uma avalanche de neve. Teriam que esperar até o amanhecer para receber socorro. Cada um deles trazia um pouco de lenha e havia uma pequena fogueira ao redor da qual eles se aqueciam. Eles sabiam que se o fogo apagasse todos morreriam de frio antes que o dia clareasse. Chegou a hora de cada um colocar sua lenha na fogueira. Era a única maneira de sobreviverem. O primeiro homem era racista. Ele olhou demoradamente para os outros cinco e descobriu que um deles tinha a pele escura. Então, raciocinou consigo mesmo: "Aquele negro! Jamais darei minha lenha para aquecer um negro". E guardou-a protegendo-a dos olhares dos demais. O segundo homem era um rico avarento. Estava ali porque esperava receber os juros de uma dívida. Olhou ao redor e viu um homem da montanha que trazia sua pobreza no aspecto rude do semblante e nas roupas velhas e remendadas. Ele calculava o valor da sua lenha e, enquanto sonhava com o seu lucro, pensou: "Eu, dar a minha lenha para aquecer um preguiçoso, nem pensar". O terceiro homem era negro. Seus olhos faiscavam de ressentimento. Não havia qualquer sinal de perdão ou de resignação que o sofrimento nos ensina. Seu pensamento era muito prático: "É bem provável que eu precise desta lenha para me defender. Além disso, eu jamais daria minha lenha para salvar aqueles que me oprimem". E guardou suas lenhas com cuidado. O quarto homem era um pobre da montanha. Ele conhecia mais do que os outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve. Este pensou: "Esta nevasca pode durar vários dias. Vou guardar minha lenha." O quinto homem parecia alheio a tudo. Era um sonhador. Olhando fixamente para as brasas, nem lhe passou pela cabeça oferecer a lenha que carregava. Ele estava preocupado demais com suas próprias visões (ou alucinações?) para pensar em ser útil. O último homem trazia nos vincos da testa e nas palmas calosas das mãos os sinais de uma vida de trabalho. Sua reflexão: "Esta lenha é minha. Custou o meu trabalho. Não darei a ninguém nem mesmo o menor dos gravetos". Com estes pensamentos, os seis homens permaneceram imóveis. A última brasa da fogueira se cobriu de cinzas e, finalmente, apagou-se. No alvorecer do dia, quando os homens do socorro chegaram à caverna, encontraram seis cadáveres congelados, cada qual segurando um feixe de lenha. Olhando para aquele triste quadro, o chefe da equipe de socorro disse: "O frio que os matou não foi o frio de fora, mas o frio de dentro". 17.2.2009 (ver a variante abaixo...).

 

O pastor Gordon MacDonald escreve: "Os pecados mais sérios que cometi aconteceram numa época em que temporariamente parei de reverenciar Deus… Serenamente concluí (com insensatez) que Deus não se preocupava e provavelmente não interviria, se eu me arriscasse a violar um de Seus mandamentos". MacDonald diz que seu amor por Deus se distanciou de um relacionamento emocional, que nunca o satisfez, para um relacionamento filial. Ele está aprendendo a reverenciar, obedecer e agradecer a Deus; expressar tristeza pelo pecado; buscar silêncio para ouvir o sussurrar de Deus. 18.2.2009

 

Conta-se que três homens ficaram presos numa caverna devido a uma avalanche de neve. Teriam que esperar até o amanhecer para receber socorro. Cada um deles trazia um pouco de lenha e havia uma pequena fogueira, ao redor da qual, se aqueciam. Se o fogo apagasse, eles sabiam que todos morreriam de frio antes que o dia amanhecesse. Chegou a hora de cada um colocar sua lenha na fogueira, era a única maneira de sobreviver. O primeiro homem era um rico, avarento. Olhou para seus companheiros e pensou: eu dar minha lenha para aquecer esses preguiçosos, esta lenha para mim tem muito valor e pode gerar lucros. E pensando assim, não colocou sua lenha. O segundo era homem da montanha e conhecia mais que aos outros os caminhos, os perigos e os segredos da neve. Na hora de colocar a sua lenha pensou: essa nevasca pode durar vários dias e eu vou guardar minha lenha, pois posso precisar dela. E pensando assim, também não colocou sua lenha. O terceiro homem era um trabalhador, tinha as mãos calejadas, sinal da sua vida dura de trabalho. E na hora de colocar a sua lenha pensou: esta lenha é minha, custou o meu trabalho e não darei a ninguém nem sequer um graveto dela. Guiados por esses pensamentos, os três homens permaneceram imóveis diante da última brasa da fogueira que se apagou. No dia seguinte, quando o socorro chegou os três estavam mortos e congelados. Cada um com o feixe de lenha nas mãos. O chefe da equipe de resgate diante do fato comentou: O frio que os matou não foi o frio da neve, mas o frio dos seus corações. Caro leitor, por acaso você já se deu conta que muitos em virtude do egoísmo que lhes consome a alma vivem uma vida pobre e mesquinha? Infelizmente não são poucos que em detrimento de seus objetivos pessoais experimentam uma existência ensimesmada e egoísta, desconhecendo, que o segredo para uma jornada vitoriosa é compartilhar aquilo que tem. E você? Como tem se portado diante das avalanches do cotidiano? Pois é, pense nisso com todo carinho, até porque, o final da SUA história você decide!29.6.2009