Ilustrações Ilustrações C

Carga

 

Conta-se uma fábula sobre um homem que caminhava vacilante pela estrada, levando uma pedra numa mão e um tijolo na outra. Nas costas carregava um saco de terra; em volta do peito trazia vinhas penduradas. Sobre a cabeça equilibrava uma abóbora pesada. Pelo caminho encontrou um transeunte que lhe perguntou: - Cansado viajante, por que carrega essa pedra tão grande? - É estranho, respondeu o viajante, mas eu nunca tinha realmente notado que a carregava. Então, ele jogou a pedra fora e se sentiu muito melhor. Em seguida veio outro transeunte que lhe perguntou: - Diga-me, cansado viajante, por que carrega essa abóbora tão pesada? - Estou contente que me tenha feito essa pergunta, disse o viajante, porque eu não tinha percebido o que estava fazendo comigo mesmo. Então ele jogou a abóbora fora e continuou seu caminho com passos muito mais leves. Um por um, os transeuntes foram avisando-o a respeito de suas cargas desnecessárias. E ele foi abandonando uma a uma. Por fim, tornou-se um homem livre e caminhou como tal. Qual era na verdade o problema dele? A pedra e a abóbora? Não! Era a falta de consciência da existência delas. Uma vez que as viu como cargas desnecessárias, livrou-se delas bem depressa e já não se sentia mais tão cansado. Esse é o problema de muitas pessoas. Elas estão carregando cargas sem perceber. Não é de se estranhar que estejam tão cansadas!

 

Certa senhora estava casada com um homem a quem, realmente, não amava. E ele era duro; fazia com que ela levantasse cedo para preparar seu café e mesmo quando estava em casa, preparava uma lista de coisas que ela deveria fazer durante o dia e cujo cumprimento ele cobrava com todo o rigor. A vida dela era miserável com aquele homem. Um dia, o marido morreu e passado um tempo, ela se casou de novo, desta vez, com um homem ao qual, de fato amava. Certo dia, ao fazer uma limpeza em casa, deu com a lista preparada por seu primeiro marido. Sentou-se para lê-la e descobriu, com surpresa, que agora estava fazendo, voluntariamente todas aquelas coisas. Só que agora ela as fazia sem temor mais com amor. Alguém usou essa história como comentário a Rm 7.6. Lembremos que os judeus davam o dízimo por obrigação; nós o damos por amor.

 

Sala de Cruzes - Um homem estava no fim de suas esperanças. Não vendo saída , ele caiu de joelhos e orou: "Senhor! Eu não posso prosseguir, minha cruz é muita pesada para carregar". E Deus respondeu: "Meu filho, se você não pode suportar esse peso, coloque sua cruz nesta sala, e depois abra aquela outra porta e pegue a cruz que desejar". O homem se sentiu aliviado e disse: "Obrigado, Senhor" Suspirou mais tranqüilo e fez o que Deus mandou. Entrou na outra sala, olhou-a toda, e viu muitas cruzes diferentes. Algumas eram tão grandes, que não dava para enxergar seus topos. Ai ele percebeu uma pequena cruz encostada numa parede. "Eu quero aquela cruz ali, Senhor", ele sussurrou. ...e Deus respondeu: "Meu filho, aquela é a cruz que você deixou".

 

Não faz muito tempo, o teto do ginásio de esportes da cidade americana de Hartford desabou. É que seus construtores, ao edificá-lo, tinham-se preocupado só com o lado estético, fazendo uma bela estrutura. Mas ela não suportou o peso da neve e do gelo acumulados no telhado. Existem muitos casamentos que vivem o mesmo problema. Começam com uma belíssima cerimônia religiosa, e tudo parece muito promissor. O Casal se sente bastante feliz, na expectativa de uma vida a dois cheia de alegrias. Mas pouco depois passam a sentir o "peso" do relacionamento, e rachaduras surgem aqui e ali. É aí então que muitos desabam. (Internet).

 

Recordamos a história daquele homem que, há muitos anos, fazia seu percurso ao longo da estrada, carregando um fardo nos ombros. Outro homem se aproxima numa charrete puxada por um cavalo. Este parece um tanto cansado, e a charrete aparenta ser pequena, e quando o homem com o fardo é convidado a subir no veículo, conserva o peso nas costas, pois lhe parece que não é muito justo que a charrete e o cavalo tenham de levar também este peso. Outro homem embarca num navio, no rio Mississippi. Comprou uma passagem para quatro dias de viagem, e trouxe consigo biscoitos e queijo para as refeições, pois não dispõe de dinheiro para comprar comida no navio. A cada refeição, enquanto as demais pessoas se reúnem para comer, ele se esconde atrás de uma chaminé e ali ingere seus biscoitos com queijo, até que estes começam a mofar, e ele está a ponto de desfalecer de fome. Os outros o descobrem nesta situação e lhe dizem: "O que acontece com você, rapaz? Ao comprar a sua passagem, você também pagou por todas as refeições. Venha comer conosco." Aceitamos a graça de Deus e dizemos: Isto é maravilhoso. Ele tomou providências para a minha eterna salvação, no Céu. Agora tenho de levar meu próprio fardo. Assim ficamos prostrados sob o peso.

 

Conta-se que um rei que viveu num país além-mar, há muito tempo, era muito sábio e não poupava esforços para ensinar bons hábitos a seu povo. Freqüentemente fazia coisas que pareciam estranhas e inúteis; mas tudo que fazia era para ensinar o povo a ser trabalhador e cauteloso. “Nada de bom pode vir a uma nação” – dizia ele – “cujo povo reclama e espera que outros resolvam seus problemas. Deus dá as coisas boas da vida a quem lida com os problemas por conta própria”. Uma noite, enquanto todos dormiam, ele pôs uma enorme pedra na estrada que passava pelo palácio. Depois foi se esconder atrás de uma cerca, e esperou para ver o que aconteceria. Primeiro veio um fazendeiro com uma carroça carregada de sementes que levava para a moagem na usina. “Quem já viu tamanho descuido?” Disse ele contrariado, enquanto desviava sua carroça e contornava a pedra. “Por que esses preguiçosos não mandam retirar essa pedra da estrada?” E continuou reclamando da inutilidade dos outros, mas sem ao menos tocar, ele próprio, na pedra. Logo depois, um jovem soldado veio cantando pela estrada. A longa pluma de seu quepe ondulava na brisa, e uma espada reluzente pendia da sua cintura. Ele pensava na maravilhosa coragem que mostraria na guerra e não viu a pedra, mas tropeçou nela e se estatelou no chão poeirento. Ergueu-se, sacudiu a poeira da roupa, pegou a espada e enfureceu-se com os preguiçosos que insensatamente haviam largado aquela pedra imensa na estrada. Então, ele também se afastou sem pensar uma única vez que ele próprio poderia retirar a pedra. E assim correu o dia... Todos que por ali passavam reclamavam e resmungavam por causa da pedra no meio da estrada, mas ninguém a tocava. Finalmente, ao cair da noite, a filha do moleiro por lá passou. Era muito trabalhadora e estava cansada, pois desde cedo andava ocupada no moinho, mas disse a si mesma: “Já está escurecendo, alguém pode tropeçar nesta pedra e se ferir gravemente. Vou tirá-la do caminho”. E tentou arrastar dali a pedra. Era muito pesada, mas a moça empurrou, e empurrou, e puxou, e inclinou, até que conseguiu retirá-la do lugar. Para sua surpresa, encontrou uma caixa debaixo da pedra. Ergueu-a. Era pesada, pois estava cheia de alguma coisa. Havia na tampa os seguintes dizeres: “Esta caixa pertence a quem retirar a pedra”. Ela a abriu e descobriu que estava cheia de ouro. O rei então apareceu e disse com carinho: “Minha filha, com freqüência encontramos obstáculos e fardos no caminho. Podemos reclamar em alto e bom som enquanto nos desviamos deles, se assim preferimos, ou podemos erguê-los e descobrir o que eles significam. A decepção, normalmente, é o preço da preguiça”. Então, o sábio rei montou em seu cavalo e, com um delicado boa noite, retirou-se. - Autor Desconhecido

 

"Um coração vazio pesa mais do que um cheio" 12/1/07

 

Certo homem, um cristão conhecido da localidade, caminhava com dificuldades por levar uma pesada bolsa de batatas em suas costas. Um homem incrédulo, ao vê-lo passar, interrompeu-o com uma pergunta: "Como você sabe que é um salvo?" O homem deu mais alguns passos, e soltou a bolsa no chão. Disse ele: "Eu não me virei e nem olhei ao redor, mas sei que soltei a bolsa de batatas. Como pude eu saber disso?" "Você sabe por que o peso diminuiu em suas costas," respondeu o incrédulo. "Sim," continuou o homem, "e é pelo mesmo motivo que sei que sou um homem salvo. Eu não tenho mais o peso do sentimento de culpa pelos pecados e tenho paz e satisfação em meu Senhor e Salvador." Muitas vezes não somos capazes de achar a paz verdadeira e a felicidade tão ansiosamente buscada simplesmente porque continuamos carregando, nas costas, a bolsa pesada dos prazeres mundanos que tem nos feito andar curvados sem poder enxergar a luz do Senhor à nossa frente. Estamos tão envolvidos com o pecado que não aproveitamos a liberdade de poder passear pelos campos suaves e abençoados que Deus tem preparado para Seus filhos. 1/3/07

 

Há muitos anos, ouvi uma história a respeito de uma senhora muito humilde que caminhava por uma estrada, com uma enorme trouxa de roupas na cabeça. Sol a pino, um calor terrível, lá ia ela. Um Senhor, passando de automóvel, compadeceu-se dela e ofereceu-lhe uma carona. A mulher entrou no carro e acomodou-se no banco de trás. Já haviam andado um bom pedaço, quando, para surpresa do homem, viu a velha, pelo retrovisor, bem sentadiriha, e com a trouxa na cabeça. “Minha senhora, ponha a trouxa no banco. A senhora não precisa carregá-la; o carro leva a senhora e a trouxa também!” Não é exatamente isso que nós fazemos com as “trouxas” de nossa vida? A única coisa que precisamos fazer é entregá-las ao Senhor. Ele prometeu nos ajudar todos os dias de nossas vidas. “Bendito seja o Senhor, que dia-a-dia leva o nosso fardo” (Salmo 68.19).- Cor/na De Rosa (No Cenáculo) -  Manancial 1T95. 24-12-2007

 

Um rei colocou uma pedra enorme no meio de uma estrada. Escondeu-se para ver se alguém á tiraria. Alguns mercadores ricos passaram e simplesmente deram a volta. Alguns até esbravejaram dizendo que o rei não mantinha as estradas limpas. Passa um camponês, se aproxima rocha, põe de lado a sua carga. Após muita força, conseguiu mover a pedra. Voltou a pegar a sua carga, mas notou que havia uma bolsa cheia de moedas onde estava a pedra uma nota escrita pelo rei que dizia que o ouro era para a pessoa que tivesse removido a pedra do caminho. AO INVÉS DE RECLAMAR PELAS PROVAS, VOCE DEVE PEDIR AJUDA A DEUS E VENCE-LA. POIS EM CADA PROVA VENCIDA, MAIS PERTO DE DEUS VOCE CHEGA. TENHA CERTEZA QUE SEU DEUS É MUITO MAIOR QUE SUAS LUTAS . 27/12/2007

 

Um certo homem famoso deparou-se com um terrível dilema. Quando entrou em sua casa carregando um presente para sua esposa, sua filhinha paralítica cumprimentou-o. - Onde está a mamãe ? - ele perguntou após beijá-la. - A mamãe está lá em cima - a menina respondeu. - Bem - disse o pai, tenho um presente para ela. - Oh! - exclamou a pequena. Deixe-me carregar o pacote para a mamãe? - Por que, Ana, querida ? - replicou o pai. Como você pode carregar o pacote para a mamãe, se você não consegue andar? Com um sorriso, a menina continuou: - Isso é verdade, papai. Mas você pode me dar o presente e me carregar! Carregando em seus abraços, o homem levou para cima a pequena Ana e o presente. Então, ele viu a sua própria posição perante Deus: ultimamente vinha levando um pesado fardo, porém, Deus não o estava carregando? Em situações de nossa vida sempre sentimos o peso dos fardos. Algumas vezes nos esquecemos de que, mesmo carregando nosso fardos, estamos sendo carregados. 23.1.2008

 

Havia um homem que se arrastava ao longo de uma estradinha carregando um pesado fardo às costas. Um fazendeiro passou por ele de carroça e ofereceu-lhe carona. O andarilho aceitou. Depois de algum tempo, o fazendeiro observou que o homem continuava com o fardo nas costas. Quando o fazendeiro insistiu para que ele o colocasse no chão da carroça, o homem teria respondido: "Não creio que o pobre cavalo agüenta sozinho. Isto pode parecer engraçado, mas é o que muitas pessoas fazem na vida. Aceitam a Jesus, andam com Ele, mas não entregam seus problemas a Ele e nem Nele descansam, crendo que a solução virá. Faça isso em oração e saiba porque a bíblia diz "Ele é galardoador dos que o buscam" (Heb.11:6)" 29.1.2008

 

A águia é a ave de maior longevidade da espécie. Chega à 70 anos. Mas pra chegar essa idade, aos 40 anos tem que tomar uma séria decisão. Pois as unhas compridas e flexíveis não consegue agarrar suas presas pra alimento. O bico longo e pontudo se curva. Contra o peito estão as asas envelhecidas, pesadas de grossas penas, voar é difícil. Há 2 alternativas: Morrer ou enfrentar um doloroso processo de renovação que dura 150 dias. Tem que voar pro alto duma montanha, se recolher num ninho próximo a um paredão onde não necessite voar. Ali começa bater o bico na parede até arrancá-lo. Espera até nascer um novo, dai arranca suas unhas. Quando as novas nascem, arranca as velhas penas. E só 5 meses depois sai o vôo pra viver mais 30 anos. As vezes, temos de nos resguardar por algum tempo e começar um processo de renovação. Pra continuarmos o vôo da vitória, devemos nos desprender de lembranças, costumes, hábitos que nos causam dor. Só livres do peso do passado, podemos aproveitar o resultado que a renovação nos traz. 29.1.2008

 

Nasrudin estava à margem do rio, queria passar para o outro lado. A correnteza era muito forte, seria impossível atravessá-lo a nado. Foi quando viu uma pequena canoa presa na vegetação ribeirinha. Rapidamente colocou o bote n'água e pôs-se a remar para o outro lado. Com a ajuda da canoa, rapidamente atingiu a outra margem. Assim que botou os pés em terra firme pegou a canoa, colocou-a nas costas em direção à floresta. Algumas pessoas que viram toda a cena ficaram espantadas com aquela atitude inesperada de Nasrudin. Foram e lhe perguntaram: "Por que você colocou a canoa nas costas? De que lhe servirá agora que você já atravessou o rio?" Nasrudin, vermelho, suado e cansado do esforço em carregar a embarcação nas costas, lhes respondeu: "Essa canoa me ajudou muito a atravessar o rio. Não posso abandoná-la. Espero que agora ela me ajude também a atravessar a floresta”. Assim somos nós. Quando ficamos apegados ao passado. O transformamos em um pesado fardo em nossas vidas. 29.1.2008

 

Os jogos olímpicos do Império Britânico estavam sendo disputados em Auckland, Nova Zelândia, há alguns anos. O vencedor da maratona de vinte e cinco milhas, que estava sendo disputada sob pesada chuva, sacudiu fora suas sandálias de atleta e terminou a corrida de pés descalços, "desembaraçando­-se assim de todo o peso". Há muitos pesos a serem postos de lado para que um contendor vença uma corrida. Ele despoja-se de todas as peças do vestuário dispensáveis, faz uma dieta para eliminar o excesso de peso e para enrijecer os músculos e ten­dões, e ainda segue um curso de treinamento para desenvolver a coordenação motora. Que exemplo para nós, cristãos! Se você quer vencer na vida, tem de se submeter a um processo de autodisciplina. E necessário atar os liames da mente, desembaraçar-se de todo o peso do pecado, recusar entregar-se a in­dulgências supérfluas. Os que são fiéis treinam para seguir e servir a Cristo. "Corramos com perseverança, a carreira que nos está proposta" (Hb 12.1). William G. Slade (Nova Zelândia). 12.2.2008

 

Quando a Babilônia corria o perigo de ser invadida pelos persas, o povo pensou que devia salvar primeiramente os deuses Bel e Nebo. Os deuses fo­ram então colocados sobre animais que iam na frente da multidão. Como fos­sem uma carga muito pesada, a fuga tornou-se muito lenta. E assim, em vez de salvar o povo, os deuses tornaram-se um empecilho para a multidão. Desse modo o povo foi vencido e levado ao cativeiro. Quão diferente é o Deus vivo a quem nós amamos e confiamos. Nós não o salvamos; Ele nos salva e nos livra nas horas de provação. A religião não é uma carga para nós. Ela não impede a nossa marcha. Ao contrário, ela nos eleva e nos conduz pelo caminho da perfeição. São, porventura, as asas uma carga para a ave? São, por ventura, as ve­las uma carga para o barco? Do mesmo modo Deus é para nós a fonte da nossa força. Seu poder habilita-nos a triunfar sobre todas as provas e tentações. Não somos nós quem o carregamos, mas sim, Ele é quem nos leva e nos traz sempre em segurança. Charles Gallacher (Austrália). 16.2.2008

 

Escreveu Santo Agostinho, um dos mais célebres padres da Igreja Católi­ca latina: "A pobreza é o fardo de alguns e a riqueza é o fardo de outros e, talvez, o maior. Fardos que podem pesar-lhes para a perdição. Ajuda teu pró­ximo a levar seu fardo de pobreza e deixa que ele te ajude a levares teu fardo de riqueza. Aliviarás tua carga aliviando a dele". 18.2.2008

 

"Muitos pensam que o cristianismo é um milagre para tornar a vida miraculosa-mente fácil, sem sofrimento nem dor. O propósito do cristianismo não é evitar a dificuldade, mas produzir o caráter adequado para enfrentá-la. Ele não torna fácil a vida; antes, procura fazer-nos bastante grandes para a vi­da. Não nos oferece uma saída para os fardos da vida, mas nos fortalece para enfrentá-los". 25.2.2008

 

Dois monges, andando em uma chuva forte num caminho cheio de lama, encontraram uma moça bonita num vestido de seda, sem meios para atravessar um riacho. “Venha comigo“ disse Tansan. Ele a levantou nos braços e atravessou-a deixando-a do outro lado. O outro monge, não disse nada até aquela noite quando chegaram ao templo ele não aguentou mais. “Nós monges não devemos aproximamos de mulheres.” disse ele ao amigo.“ Especialmente quando elas são jovens e bonitas. É perigoso! Por que você fez isso?” “Eu fiz para ajudar,“ explicou Tansan. “E, eu a deixei lá, à beira do riacho. Você ainda a está carregando?“ Quando alguém peca, e se arrepende, Deus o perdoa. Mas tem muitos que fazem questão de carregar pecados perdoados. tanto os seus como os dos outros e por isso não são felizes. 25.2.2008

 

Certo homem, dirigindo a sua carroça passou ao lado de um viajante que a pé, carregava um pesado saco às costas. Ofereceu-lhe uma carona. Depois de certo tempo notou que o homem, apesar de estar na carroça, ainda segurava o fardo nas costas. Por que o senhor não coloca a bolsa no fundo da carroça? Perguntou o homem. Bem, respondeu o caroneiro, o senhor já é tão bondoso em me levar que não quero lhe dar este incômodo de levar este saco. Amigo, quantas vezes fazemos exatamente assim com Jesus? Cremos que Ele carregou nos Seus ombros a pesada cruz em nosso lugar. Cremos que Ele leva a nossa alma a salvo para o Lar Celestial, mas achamos que nós mesmos temos que carregar os fardos de nossas preocupações diárias, sejam elas grandes ou pequenas. Como é maravilhoso saber que podemos entregar a Jesus, cada dia, todos os nossos problemas e preocupações. Nada e tão pesado que Cristo não possa carregar e nada é tão pequeno que não O possa interessar. Façamos isto! 25.2.2008

 

Num campo de colheita, uma garota fazia o trabalho de lavoura, trazendo amarrado às costas o irmãozinho. Ao vê-Ia assim trabalhando, alguém lhe perguntou se o peso não a incomodava, ao que ela respondeu: - Não, ele não pesa, é meu irmão. - O amor é a grande força que nos impulsiona a guardar·, cumprir e viver todo o mandamento divino. 13.3.2008

 

Paulo disse que Deus não vos deixará tentar acima do que podeis, Uma ilustração da palavra capaz (poder) é a linha traçada no lado de um navio. Conforme o navio é carregado com as cargas e afunda na água, ele se aproxima do ponto em que a "linha-limite" fica paralela com o nível da água, indicando que o navio atingiu sua capacidade de carregamento. Quando o navio carregado afunda abaixo da linha, sabe-se que o navio foi sobrecarregado. Nunca somos tentados além de nossa "linha-limite". Nunca seremos carregados com mais tentação ou prova do que podemos suportar. Deus nunca permite que nossas tentações passem daquela linha. Ele sempre nos fornece um escape! Steve Gallagher, em No Altar da Idolatria Sexual. 04.04.2008

 

Você já assistiu a uma corrida de cavalos? Reparou no tamanho dos jóqueis? Os proprietários fazem todo o esforço para reduzir o peso do seu cavalo de corridas a um determinado padrão. Estritamente ligado a isso está a sua busca, evidentemente, por jóqueis leves e de bai­xa estatura. O efeito deste "livrar-se do peso" é tão gran­de que, se um jóquei for muito leve, logo os oficiais da corrida consideram-no uma vantagem injusta! Eles pro­videnciam uma algibeira especial cheia de pesos para colocar na sela do ginete a fim de "equilibrar" a corrida. 14.4.2008

 

Uma menina chinesa conduzia às costas um pequenino de dois anos de idade. Ao vê-Ia passar, vergada ao peso daquela carga, um sacerdote perguntou­lhe: -É pesado, menina? - Não, senhor - respondeu a menina, ela muito viva - é meu irmão! Que linda resposta deu a menina. 6.5.2008

 

Um homem foi fazer compras em um supermercado. Seu filho pequeno, seguia-o um pouco atrás, levando uma cesta grande na mão. Seu pai ia colocando, uma a uma, coisas na cesta que o filho carregava. Uma mulher, que também fazia compras no mercado, ficou incomodada com aquilo e disse: "Não é uma carga muito pesada para um menino pequeno como você?" O menino, voltando-se para a mulher, respondeu: "Oh, não se preocupe. Meu papai sabe quanto eu posso levar." Da mesma maneira, Deus conhece nossas limitações e não nos dá fardo algum que não possamos levar. Muitas vezes nos queixamos dos problemas que enfrentamos e lamentamos que Deus nos deixe entregues a fardos excessivamente pesados. Chegamos até a dizer que o Senhor não se importa com nossas aflições e que não nos ajuda a vencer as tribulações que tanto nos angustiam. Mas será isso verdade? Está realmente Deus nos sobrecarregando? Está Ele ignorando nossas lutas? A resposta é, com certeza, não! Ele nos ama e deseja o melhor para nós. Ele permite que passemos por provações para que sejamos fortes e mais do que vitoriosos. 15.9.2008

 

Um homem perguntou: Qual o peso do pecado? Um quilo? Dois quilos? 20 quilos? , porque não sentia o peso do pecado. Então um pregador respondeu: Se você colocar um elefante sobre um defunto, ele sentirá o peso do elefante? E o homem respondeu "não". Ao que o pregador concluiu: Pois assim se passa com o pecador. Ele está morto em seus pecados e não consegue sentir o peso deles. 9.2.2009

 

Certa noite, quando um embaixador e seu camareiro foram obrigados a dormir no mesmo quarto de um hotel, o camareiro notou que seu senhor se virava de um lado para outro da cama sem parar. "Senhor, o que o está preocupando?" ele perguntou. "Oh, eu tenho tantas coisas em minha mente. O fardo de minha responsabilidade é duro de aguentar". "Perdoe-me, senhor, mas crê que Deus está governando o mundo agora?" "Claro". "E o senhor crê que Ele continuará governando o mundo mesmo depois de sua morte?" "Sem nenhuma dúvida ". "Então, por que não deixa que Ele faça isso durante sua vida aqui?" O embaixador compreendeu o que o camareiro disse e logo adormeceu profundamente. Quanto sono perdemos simplesmente porque não aprendemos a descansar no Senhor. Passamos noites em claro, reviramo-nos de um lado para o outro, deixamos a angústia hospedar-se em nosso coração e, tudo isso para que? Muitas vezes, para nada! Sofremos por antecipação, murmuramos desnecessariamente, e acabamos concluindo que o Senhor sempre esteve ao nosso lado para abençoar e para nos dar a Sua paz. 18.2.2009

 

Os jogos olímpicos do Império Britânico estavam sendo disputados em Auckland, Nova Zelândia, há alguns anos. O vencedor da maratona de vinte e cinco milhas, que estava sendo disputada sob pesada chuva, sacudiu fora suas sandálias de atleta e terminou a corrida de pés descalços, "desembaraçando-se assim de todo o peso". Há muitos pesos a serem postos de lado para que um contendor vença uma corrida. Ele despoja-se de todas as peças do vestuário dispensáveis, faz uma dieta para eliminar o excesso de peso e para enrijecer os músculos e tendões, e ainda segue um curso de treinamento para desenvolver a coordenação motora. Que exemplo para nós, cristãos! Se você quer vencer na vida, tem de se submeter a um processo de autodisciplina. E necessário atar os liames da mente, desembaraçar-se de todo o peso do pecado, recusar entregar-se a indulgências supérfluas. Os que são fiéis treinam para seguir e servir a Cristo. "Corramos com perseverança, a carreira que nos está proposta" (Hb 12.1).21.5.2009