ENCHEI-VOS DO ESPÍRITO

Efésios 5.18-21

 

Meu propósito com a Palavra desta noite, é levar você a perceber a importância de ser cheio do Espírito Santo. Então, que esse entendimento possa vir e ajudar a todos nós no enfrentamento dos desafios que cada um tem em sua vida.

Vamos orar.

 

Conforme compartilhei, vou tratar sobre o tema “Enchei-vos do Espírito”, tomando por base o texto bíblico que está em Ef 5.18-21.

“Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito, 19 falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor, 20 dando graças constantemente a Deus Pai por todas as coisas, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo. 21 Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo” (NVI).

O apóstolo Paulo estava preso em Roma quando, inspirado por Deus, escreveu esta carta aos efésios.

O fato de estar numa prisão pode levantar questionamentos, do tipo: “O que? Cadeia? Então esse apóstolo Paulo era um presidiário”. E começa a nos vir à lembrança, alguns presidiários famosos nós: o ex-presidente Lula, o ex-governador Cabral, o Pezão... e tem o Marcola, o Fernandinho Beira-Mar... E aí, pode-se imaginar a conclusão que qualquer pessoa pode fazer, quando escuta dizer que alguém foi preso, como por exemplo: “Apóstolo Paulo na prisão? Boa coisa não é; aí tem. Alguma coisa errada fez!”

Então, deixa eu explicar logo: Paulo era um missionário, ele era um cristão e pregador do evangelho de Jesus Cristo, numa época em que os imperadores romanos perseguiam os cristãos.

Os imperadores queriam ser cultuados, adorados, mas os cristãos rejeitavam essa adoração. Cesár Augusto exigia ser saudado como senhor; mas os cristãos declaravam: “Não, Jesus é o Senhor”.

A perseguição aos cristãos era tão forte e tão cruel, que a história registra do imperador Nero ter incendiado Roma e posto a culpa sobre os cristãos.

Nero ordenava que cristãos fossem amarrados aos postes do seu jardim e que tivessem as roupas encharcadas com cera inflamável, para depois atear fogo e iluminar a noite.

Mas, por esse motivo, o apóstolo Paulo nunca se considerou prisioneiro do imperador, mas prisioneiro por amor a Cristo.

Ele mesmo criou esse título pra ele, lemos em 3.1: “Paulo, prisioneiro de Cristo Jesus”. No capítulo seguinte (4.1), ele se apresenta declarando: “como prisioneiro no Senhor”. Então, Paulo estava preso por perseguição do imperador.

Então, repara como um crente em Jesus cheio do Espírito Santo, reage numa situação tão vergonhosa e tão dolorosa.

Paulo é mantido preso, mas ele não se deixa abater por isso. Ele não permite que a tristeza ou o desânimo, se apodere do seu coração.

Ele sente na alma aquilo que escreveu para os cristãos filipenses, também da prisão: “posso todas as coisas naquele que me fortalece”. E se pôs a escrever cartas de orientação e de encorajamento para os cristãos que congregavam em vários lugares.

Como em Éfeso, uma cidade grega onde havia uma igreja, um grupo de cristãos. É para eles que esta carta foi endereçada, aos efésios.

E nesta carta, Paulo ensina, Paulo encoraja. Nesta carta, ele deixa claro que podemos ter segurança, porque a nossa salvação é uma obra de Deus Pai, do Deus Filho e do Deus Espírito Santo.

Do Pai, porque nos escolheu antes da fundação do mundo! Do Filho, porque nos redimiu, morrendo por nós na cruz do Calvário, e do Espírito Santo, porque Ele aplicou esta verdade em nosso coração, nos selando para o dia da redenção.

Esta é uma carta muito linda! Há especialistas em Bíblia que até chamam a carta aos Efésios de “uma das joias mais belas de toda a literatura universal”.

Agora, aquele trechinho da carta que lemos esta noite, é quase que a conclusão da carta. É o momento quando o apóstolo Paulo se prepara para encerrar a carta e fechar tudo com uma nota de saudação.

Então, ele escreve isto: “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus.

Portanto, não sejam insensatos, mas procurem compreender qual é a vontade do Senhor. Não se embriaguem com vinho, que leva à libertinagem, mas deixem-se encher pelo Espírito” (NVI).

Então, se preparando para o encerramento da carta, o apóstolo Paulo escreve (agora, usando uma versão diferente): “E não vos embriagueis com vinho, em que há dissolução, mas enchei-vos do Espírito” (ARC).

 

Vamos pensar nisso? “enchei-vos”. É claro que todos nós estamos cheios de alguma coisa. Há pessoas que estão cheias de álcool. Outras estão cheias de soberba, de orgulho. Outras pessoas estão cheias de ganância. Outras estão cheias de impurezas.

O que é que está enchendo a sua vida?

Do que é que você anda cheio?

O apóstolo Paulo vai fazer aqui uma comparação e um contraste. Nesses poucos versos ele faz uma comparação superficial e um contraste profundo.

A comparação superficial, porque está à vista de todos, é percebido por todos, é notório a todos, a comparação que Paulo faz, é que uma pessoa embriagada e uma pessoa cheia do Espírito Santo, cheia do Espírito de Deus, são parecidas, tem uma certa semelhança entre elas e a semelhança é a seguinte: as duas são governadas, ou pelo álcool ou pelo Espírito de Deus.

Pessoa que enche a cara, a barriga né, de vinho, de álcool, é governada pelo álcool. Da mesma forma, pessoa que enche o coração, a mente, a alma, com o Espírito de Deus, é governada pelo Espírito de Deus. Daquilo que você fica cheio, você vai ser governado. Essa é a comparação.

Mas, Paulo fala também do contraste profundo que existe de um para o outro.

O contraste é que o álcool produz dissolução e o Espírito de Deus produz equilíbrio.

Se você pegar várias versões desse texto da Bíblia, você vai entender o que significa “dissolução”. A NVI fala que embriagar com vinho leva à libertinagem. A NTLH fala “Não se embriaguem, pois a bebida levará vocês à desgraça”. A TB fala “devassidão”. O álcool, portanto, produz isto: dissolução, ele dissolve o autocontrole, levando a pessoa à vergonha, à escravidão, à desonra.

Mas, o enchimento do Espírito produz sensatez, equilíbrio, sabedoria, domínio próprio.

Na carta aos Gálatas, o apóstolo Paulo instrui sobre o que a natureza humana, isto é, o ser humano no seu estado natural, produz, ainda mais quando está sob o efeito do álcool.

Está escrito: “As coisas que a natureza humana produz são bem conhecidas. Elas são: a imoralidade sexual, a impureza, as ações indecentes, a adoração de ídolos, as feitiçarias, as inimizades, as brigas, as ciumeiras, os acessos de raiva, a ambição egoísta, a

desunião, as divisões, as invejas, as bebedeiras, as farras e outras coisas parecidas com essas” (NTLH). E ele também fala do que o Espírito Santo produz: “Mas o Espírito de Deus produz o amor, a alegria, a paz, a paciência, a delicadeza, a bondade, a fidelidade, a humildade e o domínio próprio” (NTLH).

É pra refletirmos: Do que é que estamos cheios?

E há duas ordens aqui, você reparou? Tem uma ordem negativa e uma positiva. A ordem negativa é: “não, não vos embriagueis com vinho”.

Não é projeto de Deus que você seja dominado pelo álcool, porque o álcool é um depressivo. O álcool é um ladrão de cérebros. Hoje, cerca de 50% de todos os assassinatos passionais, são frutos do álcool, são resultados da embriaguez.

Cerca de 50% de todos os acidentes de trânsito, e o Brasil é um dos campeões do mundo em acidentes de trânsito, pois 50% deles são resultados da embriaguez.

Uma pessoa que se rende à embriaguez, ela perde o domínio próprio, ela perde o amor próprio, ela perde o seu bom nome, ela perde a sua honra, a sua reputação, ela perde, às vezes, o seu casamento e a sua família. A embriaguez produz dissolução. Por isso, “não vos embriagueis com vinho”, ordena o nosso Deus.

Por outro lado, temos uma ordem positiva neste texto, e a ordem positiva é esta: “enchei-vos do Espírito”. Preste, antes, bem atenção, porque é uma ordem de Deus, é para ser obedecida.

Portanto, não ser cheio do Espírito Santo é um pecado, é um pecado de desobediência a uma ordem expressa de Deus. Ser cheio do Espírito Santo não é uma opção dada, não é uma sugestão feita. É um mandamento, é uma ordem.

E é muito importante destacar também, que Paulo coloca isso no plural, ele diz: “enchem-se”, “enchei-vos”. O enchimento do Espírito Santo, encher-se do Espírito Santo, não é apenas para algumas pessoas especiais.

Antes disso, é para todos aqueles que foram escolhidos por Deus na eternidade e foram redimidos por Jesus ao morrer na cruz.

Todos nós temos esse dever, essa obrigação, esse mandamento de sermos cheios do Espírito de Deus.

Mas, esta palavra “enchei-vos”, outro detalhe, além dela estar na forma plural, ela está numa forma verbal chamada de presente contínuo. É quando você diz: “Estou andando, estou cantando, estou trabalhando”. Você está ocupado e continua ocupado naquela ação. Está andando e continua andando.

É o que acontece aqui. Quando Deus manda: “enchei-vos”, o sentido é esse: encha-se do Espírito Santo e continue se enchendo do Espírito Santo. Isso significa o seguinte: o enchimento de ontem, não serve para hoje. Todo dia você precisa ser cheio do Espírito Santo.

Nós precisamos a cada dia renovar o nosso compromisso com Deus, buscar a presença de Deus, viver nos enchendo do Espírito Santo de Deus.

Esse enchimento precisa ser feito constantemente, continuamente. Pensa naquela situação da Escola Bíblica de hoje cedo: quando é que uma peneira fica cheia de água? É quando ela é mantida mergulhada na água. É isso: você deve permanecer mergulhado na presença de Deus, sempre em contato com Deus, em comunhão com Deus, para se manter cheio do Seu Espírito. Mas, mais do que isso, esta palavra “enchei-vos” está na voz passiva, o que significa que você não é o agente causador desse enchimento. Você é a peneira, você recebe o enchimento.

Em outras palavras, não é você que produz o enchimento. O enchimento você recebe quando mergulha em Deus, quando anda com Deus. Então, o próprio Deus enche você do Espírito dEle.

 

E, uma questão final: como você pode saber que você está cheio do Espírito Santo?

O apóstolo Paulo diz que a primeira evidência é que você tem relacionamentos saudáveis, porque, ele diz, você fala, você  conversa.

Quer dizer, se você é uma pessoa amarga, que vive brigando com todo mundo, criando confusão, magoando as pessoas, isso é uma prova de que você não está cheio do Espírito Santo, porque quando você está cheio do Espírito Santo a sua comunicação é, ele diz, com salmos, com hinos e cânticos espirituais; quer dizer, a sua comunicação é saudável, é boa, é positiva, é edificante. A linguagem dos salmos é esta. Pensa no Salmo 23, por exemplo: o salmista declarava: “ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum porque tu estás comigo”.

Portanto, cheio do Espírito Santo, Você fala com as pessoas com palavras de edificação, de estímulo, de encorajamento para a vida. Você também pode saber que está cheio do Espírito Santo, quando você adora a Deus.

Como você adora a Deus? O apóstolo Paulo fala aqui em cantar e louvar de coração ao Senhor. É com gosto que você adora a Deus? É com vontade? Quando você adora a Deus você é espontâneo? Você agradece, você faz elogios a Deus?

Crente que adora a Deus sem estar cheio do Espírito Santo, faz tudo mecânico, faz sem vontade de fazer, faz sem vibração, sem entusiasmo...

Como é que você pode saber que você está cheio do Espírito Santo? É quando você tem uma vida de gratidão.

Note no v.10 que Paulo fala sobre isso, quando diz: “dando graças constantemente a Deus Pai por todas as coisas”. Este é um modo de verificar se estamos cheios do Espírito Santo, se damos graças, se demonstramos gratidão.

Tem gente que vive amargurada, azeda, lamentando, reclamando de tudo e de todos, que olha para a vida sempre com pessimismo, que só enxerga nuvens escuras, que não acha nada pra agradecer.

Onde uma pessoa dessa chega, o ambiente azeda. Onde ela chega, o ambiente fica tenso. Evidência de que não se está cheio do Espírito Santo. E a ordem de Deus é: “enchei-vos do Espírito”.

Mas, finalmente, como é que você pode saber que você está cheio do Espírito Santo? É se você tem prontidão para servir o seu próximo.

Veja que o apóstolo Paulo fala: “Sujeitem-se uns aos outros, por temor a Cristo”. Isto é ser prestativo aos outros. Uma pessoa arrogante, uma pessoa soberba e altiva, não está cheia do Espírito Santo, porque o Espírito Santo que habita em nós, nos leva para o caminho da obediência, nos matricula na escola da humildade, porque servimos os outros ao invés de procurar ser servidos.

A ordem, portanto, é: “enchei-vos do Espírito”.

 

Eu quero fazer uma pergunta, então: você está cheio do Espírito Santo? Nós estamos com um ano ainda diante de nós, dois pedaços já foram, é verdade, mas tem dez ainda! Cada mês do ano, chega com tantos desafios, com tantas propostas novas, e chega também com tantas coisas para serem deixadas para trás.

Eu quero encorajar você a deixar de lado aquilo que tem enchido a sua vida e que não é de Deus.

Deixa de lado a embriaguez. Não encha mais a sua geladeira de bebida alcoólica, quando você faz isso sendo pai, mã e ou avô, você está matriculando seus filhos ou netos na embriaguez.

Tome a decisão de fazer uma faxina na sua mente, no seu coração. Tira aquela crosta da mágoa. Tira aquilo que trouxe dor, lágrimas e tristeza para a sua família.

Eu encorajo você a ler a sua Bíblia, a procurar vir sempre aos cultos da igreja, a viver na presença de Deus, a ser cheio do Espírito Santo de Deus.

 

Ministração

Onde você está agora, ora comigo nesse momento: Deus eu Te peço que Tu apliques a Tua Palavra no coração de cada um aqui. Que cada um conheça a Jesus e sejam feios do Espírito Santo e a nossa oração é em nome de Jesus. Amém.

 

Pr Walter Pacheco da Silveira