ALMA

  • Um professor na Universidade de Moscou, dando uma aula, provava com uma dialética irrefutável que o homem é só matéria. Que tudo é matéria. Que não existe Deus; não existe nada eterno. O homem não tem alma, dizia o professor. Após a aula, um aluno pediu licença ao professor, foi lá na frente diante da turma, pegou uma cadeira, a cadeira do professor, e a quebrou em pedaços contra a parede. Todos ficaram estupefatos. Ele pediu licença outra vez, e agora, para dar um tapa no rosto do professor. O professor, obviamente, reagiu enfurecido e não aceitou o tapa. Então, o aluno lhe disse: “Professor, o senhor acabou de dizer que tudo é matéria. Cadeira é matéria; parede é matéria; homem é matéria; tudo é matéria. Professor: matéria reage enfurecida?” Ah! O homem é mais do que matéria. O homem tem alma. Deus deu alma ao homem.

 

  • Pascal definiu o homem como nos seguintes termos: “O homem é apenas um caniço, o mais frágil da natureza; mas é um caniço pensante”.

 

  • Todas as vezes em que uma alma perdida vai ao Senhor, enxugamos uma lágrima da face de Deus.

 

  • Turgeneff, o célebre escritor russo, ia passando pela rua quando um mendigo lhe pediu esmolas. O escritor respondeu: “Eu não tenho nada para lhe dar, irmão”. Porém, esse tratamento de “irmão”, fez mais pelo mendigo do que a esmola!

 

  • Explicando que pra Deus tudo possui um valor intrínseco, Robert Schuller em “Floresça Onde Está Plantado”, comentou: “Deus não tem cestas de lixo”.

 

  • Celso, filósofo romano do século II escreveu um virulento ataque contra o cristianismo. Sua agressão em muitos casos torna-se um depoimento a favor dos cristãos. Como nesta citação dele: “A importância do Cristianismo está no excessivo valor que ele dá a cada alma humana”.

 

  • Joseph Campbell, uma autoridade sobre mitologia bem conhecida, disse que os seus amigos viviam “vidas desertas”. Ele disse que eles estavam “simplesmente desconcertados; vagueavam no deserto sem qualquer orientação sobre onde existe água – a Fonte que verdece tudo”. Isso também poderia ser dito – e com dor mais pungente – de inúmeras pessoas nos nossos dias. Tentam uma coisa após outra para mitigar a sede das suas almas. Muitas pessoas até têm recorrido a uma espiritualidade vazia, que Campbell tanto fez por popularizar. Mas como o profeta Jeremias disse, elas têm feito para si «cisternas rotas, que não retêm águas» (Jer. 2.13). O que quer que Campbell possa ter crido, “a fonte que tudo verdece” é o Senhor Jesus Cristo, o nosso bendito Salvador. Ele é aquele que dá «água viva», que se torna «uma fonte de água que salta para a vida eterna» (João 4.10,14). - Fonte: http://www.gospelcom.net

 

  • A agulha da bússola oscila até que se fixa na direção do norte magnético. De idêntica maneira, o coração humano só encontra repouso quando descansa em Cristo, o verdadeiro amor de Deus. 15/1/07

 

  • A deformidade do corpo não afeia uma bela alma, mas a formosura da alma reflete-se no corpo. Sêneca - 28/12/2007

 

  • Num Seminário, um famoso palestrante mostra uma nota de 50 reais e pergunta: - Quem quer esta nota? Mãos começam a se erguer e ele continua: - Eu a darei a um de vocês, mas antes, farei isto! Então, ele amassa a nota e pergunta: - Quem ainda quer esta nota? As mãos continuam erguidas... - E se eu fizer isto? Deixa a nota cair no chão e começa a pisá-la e esfregá-la... depois pega a nota, agora imunda e amassada, e pergunta: - E agora? Quem ainda quer esta nota? Todas as mãos permanecem erguidas. E ele fala: - Não importa o que eu faça com esta cédula, ela ainda vale 50 reais. Isso também se dá conosco. Muitas vezes, em nossas vidas, somos amassados, pisoteados e sujos, por decisões que tomamos e/ou pelas circunstâncias q surgem em nossas vidas, e sentimo-nos desvalorizados, sem importância... Creiam, não importa o q aconteça, jamais perderemos o nosso valor! O preço de uma vida não é pelo que se faz ou se sabe, mas pelo que se É! E assim que Deus nos vê! 30.1.2008

 

  • "Sabedoria! Força! Riqueza! Se eu tão somente tivesse estas coisas po­deria verdadeiramente viver." Assim pensam os homens mundanos. Essas coisas, porém, à parte de Deus não trazem nenhuma alegria nem felicidade duradouras.

 

  • Conta-se a história de um marinheiro que estava a bordo de um navio prestes a naufragar, carregado de ouro, nos tempos das conquistas espanho­las. O comandante ordenara que todos os homens abandonassem o navio. Ao fazer ele a derradeira ronda para certificar-se de que ninguém seria deixado a bordo, encontrou um homem assentado sobre um barril de barras de ouro, e com outro aberto diante dele. - Que está afinal fazendo aqui, homem? Não sabe que a embarcação está afundando? - gritou o capitão. - Sim, senhor - respondeu o homem. Mas não me importo. Fui um ho­mem pobre toda a minha vida, e pelo menos vou morrer rico. Mas o preço da concupiscência humana é alto, pois: "Que aproveitará o homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?" (Mt 16.26). 8.2.2008

 

  • "Nossa alma espera no Senhor, nosso auxilio e escudo" (SI 33.20). Eu sou uma alma e tenho um corpo. O corpo é a casa onde mora a alma. Quando Oliver Wendell Holmes estava com 80 anos, um amigo o cum­primentou e perguntou: "Como vai?" “Estou bem", respondeu Holmes. "A casa onde moro está balançando e ruindo, mas Oliver Wendell Holmes vai bem, obrigado." 14.2.2008

 

  • A morte é infalível. Cura-se a doença de hoje, mas outra virá, até que chegue aquela que opera a nossa transição. Xerxes, rei da Assíria, do alto de uma eminência contemplava seu poderoso império e, sem poder dominar-se, chorava ao pensar que, dentro de trinta anos, poucos estariam sobrevivendo. De pouca utilidade será curar o corpo se a alma continuar enferma: a morte seria, desta forma, a condenação eterna do corpo e da alma. 16.2.2008

 

  • Dois ou três rapazes, numa visita a um museu nacional, leram ao lado de um dos armários, estas palavras: "O corpo de um homem; peso: 70kg". "Onde está o homem?", perguntou um dos rapazes. Ninguém lhe respondeu. No armá-rio, havia jarras de água e outros jarros contendo fosfato de cálcio, carbonato de cálcio, potássio, sódio e outros elementos químicos. O compartimento ao lado continha galões cheios de gases, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio. Estes elementos foram medidos em proporções exatamente iguais às do corpo humano. Depois de pensar sobre isto por algum tempo, o rapaz obser­vou: "Então sou feito disto, sou somente isto, não há mais nada?" "Mais nada", concordou um estranho que sorriu e saiu. Mas o jovem ficou pensativo e seu companheiro lhe disse: "Se somos formados somente de um tanto de cálcio, outro tanto de gases, outro de água, etc., deveríamos ser todos iguais. Deve haver alguma coisa mais, que não se possa guardar em armários". "Sim" afirmou o outro, "há o que Deus coloca nesta matéria, o que nos torna uma alma vivente." 18.2.2008

 

  • Bendito seja o Senhor, que diariamente leva a nossa carga, o Deus que é a nossa salvação. O escritor Edward Dahlberg observou: "Aos dezenove anos eu era um es­tranho a mim mesmo. Aos quarenta, perguntei: 'Quem sou eu?' Aos cinqüenta, com-cluí que ainda não me conhecia". Este deserto interior explorado é a hábitação de milhões de pessoas. Segundo dados do sociólogo canadense Ju­ne Gallwood, de Toronto, 90% dos universitários canadenses não sabem quem são na realidade. A Bíblia diz que o homem é uma alma imortal. Quando Deus o fez, primeiro o criou e "soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida, e o homem se tornou alma vivente" (Gn 2.7). A essência, o coração e a pessoa eterna e real de uma pessoa é a sua alma. O homem só descansará quando receber Jesus Cristo como Salvador e Senhor de sua vida. Oração: Pai Eterno, sei que sou teu filho e só esta certeza já me tranqüi­lizar. 18.2.2008

 

  • Pode-se ver em um museu a figura de um dos reis da Babilônia, e em seu pró-prio rosto está impressa a pata de um cão. Evidentemente, o animal pas­sou por cima da figura do rei, enquanto ainda em estado maleável, deforman­do-a, e quase que lhe apagando. Que símbolo isto nos apresenta, referindo-se a tantos em quem o sinal da besta obscurece a imagem de Deus. Mas a despei-to de tudo isso, pela graça de Deus, essa imagem pode ser renovada. Fero­zes canibais, que apresentam na fisionomia as pegadas de uma satânica selvage-ria, têm sido restaurados, e podeis ver neles a imagem do Divino pelo ministé-rio do poder transformador do Espírito Santo. Como o escultor vê o anjo no informe bloco de mármore, assim vê o Senhor Sua imagem em todo ho­mem. Um homem esfarrapado, alquebrado de corpo e espírito, atormentado pelo "delirium tremens", vagueava em Worcester, no estado de Massachus­setts, nos E.U.A., a caminho do rio, numa noite de domingo. Arruinara de tal forma a sua vida que, com o coração pesaroso e em desespero, não podia ver outra saida senão o suicídio. De repente, alguém lhe pôs a mão no ombro, di­rigindo-lhe algumas palavras bondosas. Foi convidado a ir à Igreja e assinar o compromisso de temperança. E ele o fez, seguindo-se terrível batalha com o próprio apetite. Por seis dias e noites jejuou. Ao voltar ao seu trabalho, fraco mas vitorioso, o patrão riu-se dele, mas outra vez uma boa palavra, um aperto de mão amigo e uma expressão de confiança o guardaram do desespero. Tal foi o início da admirável vida de serviço que ele havia de prestar a Deus em dois continentes, pois foi este o grande conferencista de temperança, João B. Gough cuja vida e obra beneficiaram a milhares. A nenhum homem chameis comum: toda alma é valiosa aos olhos de Deus. 25.2.2008

 

  • Uma lenda em torno do Imperador Carlos Magno, de França, que viveu no fim do século VIII, diz que ele exigiu ser enterrado sentado em seu trono, vestindo o manto e segurando o cetro reais. Em seu colo, uma Bíblia aberta. Séculos depois, quando se abriu o túmulo viu-se que o trono, as vestes e o cetro não mais existiam, restando apenas o esqueleto do monarca e a Bíblia aberta. Um dedo pontudo marcava o lugar para a leitura, Mateus 16.26: "Pois que aproveitará ao homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua vida? ou que dará o homem em troca da sua vida?" 27.3.2008

 

  • Certa ocasião, no tempo da Sociedade de Amigos, um membro da seita dos Quacres cavalgava por um urzal quando ouviu o som de cascos de cavalo atrás de si. Num momento, um salteador o alcançou e, apontando-lhe a pistola, exigiu: - O dinheiro ou a vida! Sem hesitar, o quacre puxou sua carteira e entregou-a ao homem. - O senhor tem um belo cavalo - observou o ladrão. A seguir ordenou: - Desça! Vou levá-lo. Calmamente, sem uma palavra de protesto, o quacre desmontou e o ladrão trocou de cavalo. Enquanto o salteador se virava para ir embora, o quacre se colocou na frente dele e, segurando as rédeas, começou a falar. - Como é que pode - observou ele com terna sinceridade - um homem criado à imagem de Deus, ser feliz vivendo uma vida de crime e violência? Arrependa-se, meu amigo, antes que seja tarde demais! O assaltante tirou a pistola e, apontando-a para a cabeça do quacre, rosnou: - Como se atreve a me pregar um sermão, seu... Mais uma palavra, e vou abatê-lo aí mesmo. O quacre nem piscou. - Amigo - disse ele sorrindo - eu sei muito bem que poderia matar-me. Eu não arriscaria a vida para salvar minha carteira ou meu cavalo, mas alegremente a entregaria se pudesse salvar a sua da condenação eterna! Sem uma palavra, o assaltante colocou novamente a pistola no coldre, saltou do cavalo do quacre e o devolveu, juntamente com a carteira. Depois, montando em seu próprio cavalo, foi embora dizendo: - Se a sua preocupação por minha alma é tanta, não vou levar nada. Embora sem ter certeza, podemos esperar que a mudança de idéia do assaltante tenha produzido também uma mudança de coração. Mas uma certeza podemos ter: se demonstrássemos tanto interesse por uma alma como aquele quacre, veríamos muito mais milagres da graça hoje em dia. 3.3.2010

 

  • Lista de Schindler é encontrada na Austrália - Com 13 páginas em carbono, a lista estava entre documentos em uma biblioteca, na Austrália. Industrial alemão salvou 801 judeus na II Guerra Mundial. A lista preparada pelo industrial alemão Oskar Schindler (foto ao lado), que ajudou a salvar mais de mil judeus dos campos de concentração na II Guerra Mundial, foi encontrada em uma biblioteca de Sydney (Austrália), que não sabia que estava de posse do documento. A lista foi encontrada em meio a notas de pesquisa e recortes de jornais alemães usados pelo escritor australiano Thomas Keneally, autor do livro “A arca de Schindler’, em que se baseou o filme “A lista de Schindler”, de Steven Spielberg. A biblioteca obteve a lista quando comprou o material de pesquisa de Keneally em 1996. A lista contém 13 páginas amareladas, onde estão escritos os nomes e nacionalidades de 801 judeus. "Ela salvou 801 vidas das câmaras de gás... é uma peça histórica incrivelmente tocante", disse a curadora da biblioteca, Olwen Pryke. A lista foi datilografada apressadamente em 18 de abril de 1945, ao fim da IIa Guerra Mundial, e compilada por Oskar Schindler. Horrorizado com a conduta dos nazistas, ele conseguiu convencer oficiais de que seus funcionários eram essenciais para os esforços de guerra e não deviam ser enviados a campos de concentração. A lista foi entregue ao escritor australiano Thomas Keneally em uma loja em Los Angeles, há quase 30 anos, por uma das pessoas que Schindler ajudou a escapar, Leopold Pfefferberg – que queria que o escritor contasse a história da lista. 6.11.2010

 

  • Em uma cidadezinha do interior havia uma figueira carregada dentro do cemitério. Dois amigos decidiram entrar lá à noite (quando não havia vigilância) e pegar todos os figos. Eles pularam o muro, subiram a árvore com as sacolas penduradas no ombro e começaram a distribuir "os frutos". - Um pra mim, um pra você. - Um pra mim, um pra você. - Pô, você deixou esses dois caírem do lado de fora do muro! - Não faz mal, depois qu e a gente terminar aqui pega os outros. - Então tá bom, mais um pra mim, um pra você. Um bêbado, passando do lado de fora do cemitério, escutou esse negócio de 'um pra mim e um pra você' e saiu correndo para a delegacia. Chegando lá, virou para o policial: - Seu guarda, vem comigo! Deus e o diabo estão no cemitério dividindo as almas dos mortos! - Ah, cala a boca bêbado. - Juro que é verdade, vem comigo. Os dois foram até o cemitério, chegaram perto do muro e começaram a escutar... - Um para mim, um para você. O guarda assustado: - É verdade! É o dia do apocalipse! Eles estão mesmo dividindo as almas dos mortos! E escutaram por detrás do muro - Pronto, acabamos aqui. E agora? - Vamos pegar aqueles dois que tão do lado de fora, um é meu e o outro é seu... Cooooorreeeee! 21/2/2011

 

  • Quando a alma é VELHA, não há corpinho de 23 que dê jeito. 05/12/2012

 

  • Lendo Dostoiévski, descobri que na Rússia czarista os servos eram chamados de "almas". Media-se a riqueza de um homem pela quantidade de almas que tivesse. - Jonathas Diniz, em ultimato.com.br 15/09/2018

 

  • O primeiro livro de Homilética que li foi José da Silva, um pregador leigo, por volta, talvez, dos meus oito anos de idade. O livro enfatizava a importância do apelo como a cereja do bolo, o pedrinha de brilhante do anel de ouro, o acabamento final e indispensável de qualquer sermão, pois o objetivo maior de todo pregador é "ganhar almas". Na altura dos doze anos, recordo-me bem, preguei um sermão (o tema não me lembro) em alguma igreja e, após o apelo final, duas pessoas foram à frente, confiar publicamente suas almas a Jesus. No final do culto, um pastor de jeito engraçado, vou chamá-lo aqui de Pastor K., me cumprimentou, dizendo: "Parabéns, meu jovem pregador! A sua pregação teve almas!". Não sei se ele recordava de alguma palavra que eu havia dito. O resultado final era o mais importante.  - Jonathas Diniz, em ultimato.com.br. 15/09/2018

 

  • John Stott, em seu livro Por que sou cristão, afirma, como primeiro motivo, o fato de ter sido caçado, capturado por Deus. Ele ilustra Cristo, em Sua ação graciosa, como o "Cão de Caça do Céu". - Jonathas Diniz, em ultimato.com.br. 15/09/2018