ORAÇÕES QUE VÃO MUDAR A SUA VIDA 3 - A ORAÇÃO DE LIBERTAÇÃO

Lucas 13.10-17

 

Introdução

“Você não tem valor e nunca será grande coisa”. Que efeitos destruidores estas palavras tem! Ouvir isso de um pai ou mãe, ou professor, ou alguém muito próximo, cria sentimentos de futilidade, provoca profunda dor emocional, coloca a pessoa num cativeiro espiritual.

Cativeiro, esta é a palavra que Jesus usou quando se referiu a uma mulher que andava encurvada, fazia 18 anos.

Na maioria das versões da Bíblia, em vez de encontrar a palavra cativeiro, encontraremos que Satanás mantinha essa mulher presa. Tudo bem, cativeirto é o lugar onde alguém é mantido preso. Vamos ler o texto bíblico:

“10Num sábado, Jesus estava ensinando numa das sinagogas. 11E chegou ali uma mulher possuída de um espírito de enfermidade, havia já dezoito anos; ela andava encurvada, sem poder se endireitar de modo nenhum. 12Ao vê-la, Jesus a chamou e lhe disse:

— Mulher, você está livre da sua enfermidade.

13E, impondo-lhe as mãos, ela imediatamente se endireitou e dava glória a Deus. 14O chefe da sinagoga, indignado por ver que Jesus curava no sábado, disse à multidão:

— Há seis dias em que se deve trabalhar. Venham nesses dias para serem curados, mas não no sábado.

15Porém o Senhor lhe respondeu:

— Hipócritas! Cada um de vocês não desprende da manjedoura, no sábado, o seu boi ou o seu jumento, para levá-lo a beber? 16Por que motivo não se devia livrar deste cativeiro, em dia de sábado, esta filha de Abraão, a quem Satanás trazia presa há dezoito anos?

17Tendo Jesus dito estas palavras, todos os seus adversários ficaram envergonhados. Entretanto, o povo se alegrava por todos os feitos gloriosos que Jesus realizava” (Lc 13.10-17 – NAA).

 

Jesus estava na sinagoga, que era o lugar de reunião dos judeus, onde eles ofertavam e acompanhavam a leitura das Escrituras.

Era um prazer para Jesus estar na casa de Deus. A mulher encurvada, também! Apesar do seu sofrimento, ela sentia prazer em frequentar a casa de Deus. O fato de não estar bem, não era impedimento pra ela estar onde o povo de Deus se reunia.

Quantos que estão bem, em pleno gozo de saúde, e não valorizam a reunião da igreja!

Naquele Sábado, Jesus estava ensinando na sinagoga e a chegada daquela mulher chamou a atenção de Jesus. Ele ensinava e observava aquela mulher, até que discerniu uma coisa: que ela andava encurvada e não era porque havia sofrido um acidente ou tivesse levado um tombo. Jesus discerniu na hora, que aquela enfermidade não era natural, mas espiritual.

Isso acontece. Há enfermidades que afetam o nosso corpo e há enfermidades que afetam a alma da gente, porque nós não somos somente corpo. Existe uma tricotomia: Temos um corpo, temos um espírito e temos uma alma.

Aliás, eis o que nós somos: seres espirituais possuidores de uma alma que habitam um corpo.

 

Um irmão de nome Watchman Nee, chinês, falecido em 1972, deixou escrito num livro uma boa ilustração destes três elementos de que somos compostos: espírito, alma e corpo. Watchman Nee ilustrou isto por meio de uma lâmpada elétrica. A lâmpada, diz ele, representa o ser humano conforme foi criado por Deus.

Porque numa lâmpada tem três coisas: a eletricidade, a luz e aquele filamento no meio dela.

O espírito humano está representado pela eletricidade; a alma humana está representada pela luz, e o corpo, é representado pelo filamento. A eletricidade é a causa da luz e o filamento é a parte material que carrega a luz. É interessante isso! Quando a eletricidade toca o filamento, a luz aparece.

Então, na ilustração de Watchman Nee, temos o seguinte: a combinação do espírito com o corpo produz a alma.

A Bíblia diz que Deus criou o homem do pó da terra. Então, até esse momento era só o corpo. Mas Deus soprou o fôlego de vida e aí o homem, que até então erá só corpo, se tornou alma vivente. A partir daí a criação completou: o homem agora tem o corpo (feito do pó da terra), tem espírito de vida (soprado por Deus), e dessa combinação, tem a alma.

É muito bom entender isso, porque ajuda a compreender como somos.

E veja: a função do corpo é nos colocar em contato com o mundo físico, material, através dos cinco sentidos (visão, tato, audição, paladar e olfato).

A função da alma é dar consciência de nós mesmos, do nosso eu (pensamentos, sentimentos, desejos, vontade... isso pertence à alma).

E o espírito tem a função de nos dar consciência de Deus. É através do espírito que temos comunhão com Deus. Portanto, está arrumado assim: Deus habita no espírito; o eu, na alma; e os sentidos, no corpo.

Desses três elementos, preste atenção agora, você que se preocupa só com a aparência do seu corpo: o elemento mais nobre do nosso ser é o espírito porque é ele que se une com Deus. A vida seria melhor se as pessoas procurassem mais a igreja do que o salão, a academia e os institutos de beleza, porque mais nobre que o corpo, é o espírito e as coisas da alma.

 

E, voltando ao assunto da mulher encurvada, Jesus discerniu que ela estava com a alma doente. Aquela parte nossa onde estão os sentimentos, as emoções, os desejos, os pensamentos, a alma, naquela mulher, estava afetada por algum mal.

É preciso ser muito sensível às pessoas para perceber isso. Muitas vezes a pessoa está bem no seu corpo, no seu organismo; não tem nenhum machucado aparente, nenhuma ferida, nenhuma febre... mas, quantos que apesar desse “tudo bem” estão com a alma ferida, abatida, angustiada?

Foi o que Jesus discerniu, havia acontecido aquela mulher. Oh! Jesus é sensível às nossas dores emocionais. O que afeta a nossa alma, Jesus percebe! Podemos confiar nisso. Ele nos conhece como ninguém mais. Aquela mulher estava num cativeiro espiritual.

O que é um cativeiro? É um lugar onde alguém fica como prisioneiro.

Tem espécies de animais que são criados em cativeiro. É mais comum ouvirmos essa palavra nos noticiários: acontece um sequestro, a pessoa sequestrada é levada para um cativeiro. E como é a vida nesse cativeiro? É de prisão, a pessoa fica presa e vigiada, sem poder sair.

É o que pode acontecer à nossa alma. Por conta de algum mal que a alma sofre, ela pode ficar em cativeiro, um cativeiro espiritual, e quando isso acontece, a pessoa sofre angustia, medo, desesperança, porque a alma está aprisionada.

Ninguém vai para um cativeiro por livre vontade, por querer ir. Só é levado para um cativeiro espiritual quem tem um motivo e o motivo surge, principalmente, quando existe na alma uma brecha, uma fenda, uma abertura pequenina que seja, para o diabo se infiltrar e fazer a sua obra.

No caso desta mulher, que Jesus chama de “filha de Abraao”, nada é dito sobre o que a levou a essa condição de cativeiro espiritual. Mas, por certo, houve alguma brecha e a Bíblia alerta para não darmos lugar ao diabo (Ef 4.27), porque se for dado, ele entra.

Uma brecha na alma pode ser aberta de maneira propositada.

Por exemplo, a pessoa sabe que Deus não aprova uma determinada coisa, mas ela ignora a vontade de Deus. A lei de Deus diz, a pessoa sabe: “Respeite o seu pai e a sua mãe, não mate, não cometa adultério, não roube, não cobice...”, mas a pessoa ignora propositalmente e desobedece. A desobediência a Deus abre buracos, cria rachaduras, na alma.

Mas, a brecha na alma pode surgir por acidente, pode ser acidental, tipo assim: algo ruim aconteceu e por alguma razão, a pessoa não soube reagir muito bem.

 

Eu comecei com aquelas palavras: “Você não tem valor e nunca será grande coisa”. Tem quem cresce ouvindo isso e tira de letra, reage bem, como que dizendo dentro de si mesmas: “Isso é o que você acha, mas mais importante para mim é o que Deus acha e Deus diz que eu sou como a menina dos olhos dEle”.

Mas, há quem cresce ouvindo aquilo e não sabe reagir muito bem. Recebe aquelas palavras e guardam no coração, ficam revivendo aquilo. Isto é a brecha.

Em situações assim, o diabo aproveita para prender a alma num cativeiro, e quando isso acontece os sintomas mais comuns são: tristeza, angustia, medo, desesperança... até enfermidades físicas podem acontecer!

Esta mulher do texto andava encurvada. O evangelista Lucas era médico e foi essa a palavra usada para descrever a curvatura da espinha dorsal que aquela mulher sofria.

Agora, irmãos, como sair de um cativeiro espiritual?

A Bíblia diz isto (Jo 8.32): “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. A verdade é uma Pessoa. Quem é que foi que falou: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida”? Foi Jesus.

Jesus Se apresenta como a verdade, a verdade absoluta. Jesus é o Filho de Deus e, nessa Palavra, está a condição para a liberdade. Jesus fala que o conhecimento da verdade traz libertação.

Quer dizer, onde reinar o engano, a prisão continua. Onde permanecer a mentira, o cativeiro prossegue. Enquanto houver engano, as pessoa não são livres.

Por isso, Jesus fala: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará" (NVI). E mais adiante Jesus falou (v.36 – NVI): “Portanto, se o Filho os libertar, vocês de fato serão livres” (NVI).

A condição para alguém sair do cativeiro espiritual é conhecer a verdade.

Então, vamos lá! O que te prende? O que aprisiona a sua alma?

Existe uma modalidade de oração que transforma a nossa vida quando nos encontramos em cativeiro, é a oração de libertação.

Orar é falar com Deus e orar a oração de libertação, significa falar com Deus sobre coisas pertinentes ao nosso cativeiro, ao nosso aprisionamento.

 

Algumas condições importantes para fazer esta oração:

Seja honesto consigo mesmo e com Deus. Peça que Deus ajude você a enxergar qualquer coisa que não seja dEle na sua vida.

 

Tenha humildade. Isto envolve reconhecer a dependência de Deus. Entrega a sua vida para Deus dirigir e abençoar. É Deus quem sabe tudo e pode tudo, então, seja humilde pra depender de Deus. A libertação vem dEle e não do seu esforço.

 

Terceira condição importante: manifeste arrependimento. O arrependimento consiste em virar as costas para o pecado e para o diabo. Além de odiar o mal, deixe de concordar com o diabo. Se o diabo diz: “você nunca vai ser grande coisa”, e você guardou isso no seu coração, arrependa-se e declare a verdade. Você é de valor para Deus.

 

Depois disto, renuncie o mal. Renunciar é uma ação que nasce do arrependimento. Significa declarar: “Eu não quero isso mais na minha vida”.

Por exemplo, se alguém se arrepende de ter caído nas farras e se entregado ao sexo sem compromisso, pode ser que tenha de romper algumas amizades, renunciar a certas companhias; se for erro religioso, talvez tenha de destruir livros e coisas relacionadas à esse erro.

 

E a próxima condição muito importante para fazer a Oração de Libertação, é: libere perdão, porque o perdão é fundamental para a libertação.

Naquele caso das palavras ofensivas, perdoe a pessoa que te ofendeu. Ela não merece, nunca vai merecer. Nós também não merecíamos ser perdoados por Deus. E perdão não é sentimento, perdão é algo que você faz por obediência a Deus. O perdão faz com que você seja livre.

Vamos orar?

“Senhor Deus, nosso Pai, oramos por todos que estão recebendo esta mensagem nesta hora. Reconhecemos que Jesus é a verdade. Jesus é o Senhor absoluto de todas as coisas. O Senhor diz que ao conhecermos a verdade, seremos livres. Portanto, nós oramos, que a liberdade do reino de Deus venha para a nossa vida.  Venha sobre cada um. Tudo que prende a alma em cativeiro, nós repreendemos esse mal em nome de Jesus. Nós declaramos: alma seja livre, viva livre, em nome de Jesus. Amém.

 

Pr Walter Pacheco da Silveira, 18.08.2019