ÂNIMO

  • Quando for fazer uma visita para oferecer apoio a um irmão ou irmã, para encorajá-lo na fé ou animá-lo, certifique-se de ir acompanhado por uma pessoa "prá cima", positiva, a fim de fazer uma obra bem sucedida para Deus. Pois imagine esta situação: algum irmão está acometido por doença séria. Você vai visitá-lo com o seu companheiro, mas lá ele diz: "Eu tinha um tio que morreu disso"... Com que cara você ficará?

 

  • Em cada Outono somos visitados por bandos de gansos de arribação que param num prado perto da nossa casa. Durante várias semanas aqueles pássaros voam em longas e onduladas formações em V por cima da nossa casa, enquanto grasnam ao jeito deles. Mas quando o Inverno se aproxima, eles desaparecem novamente iniciando de novo o seu longo vôo para o sul. Um dos meus alunos aumentou a minha estima por estes visitantes do norte. Ele disse-me que os gansos voam a velocidades entre 60 e 80 km/hora. Voam em formações porque quando um pássaro bate as suas asas cria uma corrente de ar ascendente que beneficia a ave que vem atrás. Eles podem ir 70% mais longe num grupo do que poderiam alcançar se voassem sozinhos. De certa forma os seguidores de Cristo assemelham-se a eles. Quando trabalhamos juntos para desenvolvermos um alvo comum, fortalecemo-nos e ajudamo-nos uns aos outros (Atos 18:23,27). Podemos realizar mais em conjunto do que quando sozinhos. Os gansos também grasnam uns para os outros. Não são críticas, mas formas de encorajamento. Aqueles que estão na retaguarda grasnam em voz alta para estimular os da frente, para que estes mantenham a sua posição e a sua velocidade. Também nós podemos fazer maiores progressos se houver alguém atrás de nós a encorajar-nos a prosseguir na trajetória certa. Está alguém a voar em formação contigo, a quem tu possas dar alguns "grasnidos úteis"? - Fonte: www.gospelcom.net/rbc/pd/2002/10/page2.html

 

  • Havia, numa pequena cidade, um homem chamado Zé Muxoxo. Era uma figura folclórica, conhecido por todos pelo seu desânimo, suas reclamações constantes, seu pessimismo e sua crônica falta de energia. Ele vivia desalentado com a vida, sempre achando tudo muito custoso, muito difícil. Por fim, decidiu que seria melhor e mais fácil morrer do que continuar vivendo. Entrou num caixão e pediu que o levassem para o cemitério. A cidadezinha parou para assistir a um enterro tão inusitado! Logo formou-se um grande cortejo atrás do defunto vivo; uns penalizados, outros revoltados, a maioria simplesmente curiosa. Um conhecido seu, avisado daquele absurdo, correu ao seu encontro e pediu aos que levavam o caixão que parassem. "Zé, não faça isso", disse-lhe. "Tanta gente querendo viver, esforçando-se para isso, e você desistindo da vida? Tire essa idéia louca da cabeça, rapaz!" O homem abriu a tampa do caixão e retrucou: "Não adianta. Não quero mais viver. Estou cansado de ter de lutar para sustentar a minha casa, ter de trabalhar para ganhar a minha comida. Eu desisto". "Não seja por isso, Zé!" tornou o amigo, querendo animá-lo. "Olhe, eu dou duzentos quilos de arroz para você, de graça. Tão cedo você não vai precisar trabalhar para se manter". Zé Muxoxo revirou os olhos, coçou o queixo, pensou, refletiu... e depois perguntou: "Com casca ou sem casca?" "Com casca, ora essa!" O Zé fechou a tampa do caixão e gritou para os que o carregavam: "Toca pro cemitério!" Esse caso pode ser engraçado, mas nos tornamos assim quando nos entregamos ao desânimo: derrotados, pessimistas. Achamos que tudo muito árduo, muito difícil. Enxergamos problema em tudo. Desprezamos todas as ofertas de ajuda. (Marcelo Aguiar, em Cura Pela Palavra, pg 94).

 

  • El reverendo Edwin H. Hughes fue pastor por muchos años de una iglesia en la ciudad de Boston. La iglesia crecio notablemente. Al acercarse ya al final de su labor pastoral quiso predicar un sermon de consuelo para todos aquellos que habian pasasdo por alguna pena durante el lapso de su largo pastorado. Primeramente fue familia por familia inquiriendo cuales habian sido las grandes penas que habian sufrido. Para sorpresa suya descubrio que la mayoria de los miembros de la iglesia hacian tiempo que estaban en espera de una palabra consoladora de labios de su pastor. Ya por enfermedad, por la muerte de un ser querido, por un reves de la fortuna o por otras razones, ellos se sentian tristes y necesitaban consuelo y de palabras reconfortantes que toda la iglesia se sintio movida a alabar y a bendecir a Dios.

 

  • Um dos maiores pianistas de todos os tempos foi Paderewsky. Quando menino, quis estudar piano, mas foi desencorajado por todos que diziam: “Você têm os dedos muito curtos. Experimente tocar corneta”. Ele comprou uma corneta e foi procurar um professor, que lhe disse: “Voce não tem boca própria para tocar corneta”. Aí, então encontrou o famoso pianista Anton Rubistein e este lhe disse: “Meu caro, acho que você pode aprender a tocar piano. Mas você terá que estudar sete horas por dia!” Com essa palavra de apreciação, de estímulo e grande força de vontade, Paderewsky venceu, tornando-se um dos grandes da arte musical.

 

  • Esta é uma história de Abraão Lincoln. Falando no Wisconsin, em 1859, ele contou que certo monarca oriental ordenou a seus conselheiros que he dissessem uma verdade aplicável em todas as situações e ocasiões. Depois de demoradas consultas, os conselheiros voltaram com esta sentença: “Também isto vai passar”. Lincoln aplicou a história aos momentos de orgulho e também aos momentos de aflição. Advertência no primeiro caso, consolação no segundo. Não é o que o nosso povo diz: “Não há bem que sempre dure nem mal que nunca acabe”?

 

  • Billy Graham, no culto realizado em Washington, motivado pela destruição das torres gêmeas do World Trade Center, disse: "As torres caíra, mas os fundamentos permaneceram, e sobre eles reconstruiremos esta nação".

 

  • Sem motivação há morte e falta de esperança. Em João 21 Pedro está pescando com parte da equipe. Eles estavam frustrados, foi aí que a equipe viu Jesus e todos gritaram a Pedro: É o mestre! O que é que seu povo diz quando você aparece? Motivação é como banho diário, tem que ser todo dia. Encoraje-os sempre. (Internet)

 

  • Durante la Guerra de Boer (1899-1902), a un hombre lo condenaron por un delito muy raro. Lo declararon culpable de ser un «desalentador». La ciudad sudafricana de Ladysmith estaba siendo atacada, y este traidor recorría de arriba a abajo todas las filas de soldados que estaban defendiendo la ciudad y hacía todo lo posible por desalentarlos. Destacaba la fuerza del enemigo, la dificultad de defenderse de ellos, y la inevitable captura de la ciudad. No usó arma alguna en su ataque, no era necesario. Su arma fue el poder del desaliento. Por otro lado, el aliento puede ser un amigo poderoso. Fortalece al débil, da valor al de poco ánimo y esperanza al que titubea. Uno de los mejores ministerios que podemos tener es animar a otros creyentes. (Osvaldo Carnival, Internet)

 

  • Um pai passeava no parque com sua filhinha. Depois de terem percorrido um bom pedaço, a garotinha cansou, sentou-se no chão e com cara de choro disse que não podia mais continuar andando. E o pai, o que fez ? Pegou sua bengala, amarrou o lenço próximo do cabo, cobriu o cabo com o boné e deu a ela, dizendo: "Tome filhinha, aqui está um cavalinho para você. É só montar nele que você chega onde quiser, sem se cansar". E a criança, que se dizia cansada, levantou-se rapidamente com os olhos brilhando e desatou a correr, alegre, feliz com a nova aventura, montada no cavalinho... de suas próprias pernas. Nós, às vezes, também precisamos de cavalos-de-pau, como esse que o pai deu à sua filha, para conseguirmos continuar a caminhada com novo ânimo. Caso contrário podemos sucumbir ao cansaço espiritual, mental e físico, num sofrimento cheio de tristeza e desânimo. Às vezes eles vêm na forma de um toque, uma palavra, um conselho, um elogio, um abraço, um sorriso...

 

  • O bêbado vem cambaleando pela calçada e, de repente, seu chapéu voa, caindo no chão. Ele pára, olha fixamente para o estimado objeto e diz, quase recitando:- Se não me abaixo, não te levanto. Se me abaixo, não me levanto... E então conclui, em tom melancólico: - ...adeus, amigo! Nos separamos aqui!

 

  • A águia empurrou gentilmente seus filhotes para a beirada do ninho. Seu coração se acelerou com emoções conflitantes, ao mesmo tempo em que sentiu a resistência dos filhotes a seus insistentes cutucões. "Por que a emoção de voar tem que começar com o medo de cair?", pensou ela. O ninho estava colocado bem no alto de um pico rochoso. Abaixo, somente o abismo e o ar para sustentar as asas dos filhotes. "E se, justamente agora, isto não funcionar?", ela pensou. Apesar do medo, a águia sabia que aquele era o momento. Sua missão estava prestes a se completar, restava ainda uma tarefa final: o empurrão. A águia encheu-se de coragem. Enquanto os filhotes não descobrirem suas asas não haverá propósito para a sua vida. Enquanto eles não aprenderem a voar não compreenderão o privilégio que é nascer águia. O empurrão era o menor presente que ela podia oferecer-lhes. Era seu supremo ato de amor. Então, um a um, ela os precipitou para o abismo. E eles voaram! Às vezes, nas nossas vidas, as circunstâncias fazem o papel de águia. São elas que nos empurram para o abismo. "E quem sabe não são esses os momentos que nos fazem descobrir que temos asas para voar."

 

  • Meu objetivo era tentar "tirar algumas cabeças das nuvens e colocar pés no chão".

 

  • Conta-se uma história que um soldado foi pra Guerra e a guerra foi tão forte que o soldado ficou ferido, muito ensangüentado, capengando... então ele pediu pra o seu companheiro matar-lhe, pois não queria ser uma derrota pra sua nação, pra o rei, e não queria ser morto pelos seus inimigos e preferia que o seu amigo o executasse... então o seu amigo disse: Jamais poderei eu fazer tão atrocidade... vou avisar ao rei da sua situação... Então aquele companheiro chegou a presença do rei e lhe contou a situação daquele soldado ferido, o rei ao saber da noticia lhe enviou um carta... e o seu companheiro voltou com a carta do rei para o soldado ferido... quando o soldado leu a carta ela dizia simplesmente assim... " O REI CONTA COM VOCÊ "... naquele instante o soldado sentiu-se muito importante e não contou conversa e foi mesmo ferido enfrentar a guerra, com toda a motivação pra agradar a sua nação e ao rei, e ganharão a guerra...

 

  • Somos como aquele garoto, cuja mãe o chamava carinhosamente de “Meu cordeirinho”. Um dia, o garoto virou-se para a mãe e falou: “Mamãe, eu não quero ser seu cordeirinho. Eu quero ser é seu tigrezinho”. Pois é, gostamos de pensar que somos fortes e valentões, não é verdade?!

 

  • Certa vez alguém chegou no céu e pediu pra falar com Deus porque, segundo o seu ponto de vista, havia uma coisa na Criação que não tinha nenhum sentido... Deus o atendeu de imediato, curioso por saber qual era a falha que havia na criação. - "Senhor Deus, sua criação é muito bonita, muito funcional, cada coisa tem sua razão de ser... Mas no meu ponto de vista, tem uma coisa que não serve para nada". - Disse aquela pessoa para Deus. - "E que coisa é essa que não serve para nada?" - Perguntou Deus. - "É o horizonte. Para que serve o horizonte? Se eu caminho um passo em direção ao horizonte, ele se afasta um passo de mim. Se caminho dez passos, ele se afasta outros dez passos. Se caminho quilômetros em direção ao horizonte, ele se afasta os mesmos quilômetros de mim... Isso não faz sentido! O horizonte não serve pra nada". Deus olhou para aquela pessoa, sorriu e disse: -" Mas é justamente pra isso que serve o horizonte... " Para fazê-lo caminhar ". - Fonte: Adilson Ferreira dos Santos, em O Jornal Batista, pg 3, 08 a 14/07/2002.

 

  • No seu livro, “Hey, Wait a minute!” (Ei, Espera um minuto!), John Madden recorda a explicação do lendário treinador de futebol Vince Lombardi sobre a diferença entre um bom e um mau treinador. Lombardi disse, “os melhores treinadores sabem qual será o resultado final ... Os maus treinadores não sabem o que querem. Os bons sabem-no.” Ou, dizendo-o de outra forma, os bons treinadores sabem o que é importante para vencerem, e perseguem essas prioridades. Eles têm em mente o grande objetivo. - Fonte: www.gospelcom.net/rbc/pd/1999

 

  • A. B. Simpson chamava o louvor de tônico físico e estimulante completo. O louvor mudará a atmosfera de sua vida, casa e igreja. (Internet).

 

  • Você já observou quantas vezes Jesus apela para a reanimação? Ao paralítico de Cafarnaum (Mt 9.2) e à mulher hemorrágica (Mt 9.22), Ele ordenou: "Tem bom ânimo". Aos discípulos no mar da Galiléia (Mt 14.27) ou no cenáculo de Jerusalém (Jo 16.33), Jesus repetiu "Tende bom ânimo". E a Paulo, quando o apóstolo estava preso numa fortaleza em Jerusalém, "o Senhor, pondo-se ao lado dele, disse: "Coragem!" (At 23.11).

 

  • Duas amigas voltaram a se encontrar depois de muitos anos de separação forçada. Uma delas continuava solteira, mas a outra havia se casado, era muito feliz ao lado do esposo e dos três filhos já crescidos. Depois de horas de reminiscências agradáveis, a amiga que chegou quis saber um pouco mais a respeito da vida pessoal da outra. Daí se justifica a pergunta aparentemente indiscreta: - Mas, amiga, como aconteceu o seu casamento? - De uma forma bastante curiosa e quase mágica! Tem até uma aparência de enredo de novela... - responde a amiga. - Você me deixa curiosa... Dá pra contar os principais capítulos? - É claro que sim. Eu aprecio falar daquelas experiências que me proporcionaram felicidade! Resumindo a coisa, foi mais ou menos assim: "Mudamos de bairro e dentro de algum tempo comecei a fazer novas e sólidas amizades. Entre elas estava a amizade de Otávio, o nosso mais próximo vizinho. Ele era militar e estava iniciando a carreira. Começamos a namorar. Meigo, equilibrado e seguro, ele conquistou a minha confiança e o meu amor. Foram dias felizes aqueles que vivemos, podendo desfrutar da presença um do outro; mas, surgiu a sua transferência para extremo norte do país. Isso nos fez sofrer muito, mas ele partiu prometendo solenemente escrever-me todos os dias. Por longo tempo Otávio cumpriu com fidelidade o prometido. Todas as manhãs eu me postava junto ao portão, à espera do carteiro. E com que emoção eram diariamente recebidas as suas cartas. Algumas longas, outras mais curtas, porém, todas cheias de juras de amor... esperanças no amanhã... saudades! Assim os dias passavam em desfile, formando semanas e depois meses; mas eu sempre esperava com o mesmo anseio pelas suas cartas. Embora, como é natural, eu já houvesse me habituado com a ausência permanente do Otávio, e até já houvesse percebido que as cartas estavam ficando menos ardorosas, ainda assim gostava de esperar por elas! Agora eu achava muito agradável ouvir o comentário do carteiro, que ao entregar cada carta sempre acrescentava alguma frase como, por exemplo: 'Novas notícias... espero que sejam alvissareiras!' ou então: 'Chegou outra carta... desejo que a faça feliz!' E cada dia ele sempre juntava algumas palavras simpáticas, quando da entrega da carta." Acontece que, dentro de pouco tempo, elas foram diminuindo, diminuindo e se tornando cada vez mais frias e rotineiras. O rumo das coisas mudou... Todavia, amiga, como vê estou casada, sou feliz e mãe coruja de três lindos filhos! - Bem, de qualquer maneira o final com o Otávio foi feliz, pois se casaram, tiveram filhos... Se estou entendendo, casou-se com ele, não foi? - Não. A distância conseguiu esfriar totalmente nosso relacionamento. Eu me casei com o carteiro, sempre presente...

 

  • Nunca desencoraje ninguém que continuamente faz progresso, não importa quão devagar. (Platão)

 

  • Muitas vezes uma palavra proferida no momento próprio, levanta o ânimo de alguém que se sente vencido, parecendo-lhe não haver mais esperança! John Moral estava passando por Darlington, Inglaterra, quando encontrou um conhecido que havia saído recentemente da prisão, depois de cumprir pena por três anos. "Olá!", disse John no seu tom alegre, "Fico feliz de o ver!" Pouco mais foi dito, pois o ex-detento parecia inquieto e preocupado. Tempos depois ambos se reencontraram numa outra cidade. E o ex-detento foi logo dizendo: "Quero agradecer-lhe, John, pelo que fez por mim quando saí da prisão". "Que foi que eu fiz?" "Fez muito. Você me dirigiu uma palavra simpática na hora certa, e essa palavra mudou a minha vida". Quão poderosa, pois, é a palavra de ânimo ao que se encontra abatido! - Nilzon Dimárzio, em O Jornal Batista.

 

  • "Lutem por vossos filhos, por vossas filhas, por vossas mulheres e por vossas casas...". Estas foram as palavras que Neemias usou como fonte de motivação para que seus guerreiros não desanimassem.

 

  • Como alguém falou: "O pior não é morrer, mas é viver sem sentido". - Wander Ferreira Gomes, em Juventude, 4-Trim-1991.

 

  • Segundo o pastor Isaltino, "há crentes que na vida secular são leões que rugem, mas, na obra de Deus, são gatos velhos e cansados".

 

  • Shakespeare dizia: "As coisas raramente são boas ou más, nosso pensamento é que as faz assim". Há que encarar as situações do dia-a-dia de maneira positiva!

 

  • A receita para viver sempre motivado é, como disse o ilustre pr Irland Pereira de Azevedo numa de suas aulas: "nunca esquecer que somos cidadãos de duas pátrias, cabeça no céu e pés na terra".

 

  • Nas aulas de evangelismo no seminário, o professor dizia que três coisas mantêm uma igreja vibrante: o novo pastor, o novo templo e a evangelização.

 

  • Amados, cheios de convicção, precisamos voltar a cantar: "Minhas provações não são maiores que o meu Deus, e não vão me impedir de caminhar. Se diante de mim não se abrir o mar, Deus vai me fazer andar por sobre as águas!"

 

  • Diz a psicanalista Ruth Cohen: "Se ele (o professor) estiver entusiasmado ao expor um tema, o aluno também ficará".

 

  • Cante, cante sempre: "Deus forte como Jeová, não há outro que eu conheça"!

 

  • Lembre-se dos dias do fogão a lenha, um abano mantinha o fogo aceso e portanto a chama mais duradoura. - kadoshi@grupos.com.br

 

  • "Os anos enrugam a pele, mas renunciar ao entusiasmo de viver faz enrugar a alma." Albert Schweitzer, médico, FRA, 1875-1965. 13/12/06

 

  • Um menino, parcialmente surdo, retornou um dia da escola trazendo uma nota dos diretores. A mensagem sugeria aos pais que o retirassem da escola porque ele era “muito estúpido para aprender alguma coisa.“ A mãe, ao ler a nota, disse: “Meu filho Tom não é estúpido e incapaz de aprender. Eu mesma o ensinarei.“ E foi isso que fez. Quando Tom morreu, muitos anos mais tarde, todas as pessoas dos Estados Unidos lhe reverenciaram, desligando as luzes do país por um minuto. Este Tom era Thomas Edson, inventor a lâmpada elétrica e não apenas isto, mas também o filme cinematográfico e o toca-discos. Ao todo ele teve a seu crédito, mais de mil patentes. Sua perseverança poderá mudar não apenas a sua vida, mas todo o mundo ao seu redor. 15/1/07

 

  • De Tahuape, na Nova Zelândia, veio esta interessante história de feliz acontecimento. A manhã era cinzenta, chuvosa e fria. Nossa heroína se dirigia com passo acelerado para tomar um ônibus. Se o perdesse, chegaria tarde ao seu traba­lho. Aproximou-se dela um homem pedindo dinheiro para poder comer alguma coisa. Um impulso de bondade a induziu a dizer ao desconhecido: - Moro naquela casa que se vê lá. No refrigerador está o que sobrou de um leitão assado com batatas. Aqui está a chave. Vá e coma. Quando sair, dei­xe a chave debaixo do tapete, no corredor da entrada. Durante o percurso de ônibus uma idéia a assolou: "Não havia mulher mais estúpida no mundo". Porém resolveu sobrepor-se a seus temores, ante a convicção de que os seres humanos reagem nobremente a atos de confiança... Sim, ali estava a chave, sob o tapete. Abriu a porta e a duras penas pôde acreditar no que seus olhos viam. A casa inteira resplandecia de limpeza, tudo estava em seu lugar. Até as vidraças tinham sido lavadas. No refrigerador encontrou um bilhete escrito com letra grosseira, no qual se lia: "Prezada senhorita. Talvez você não consiga compreender nunca o bem tão grande que me fez. Faz alguns dias que sal da penitenciária. Estou livre sob palavra. Francamente, foram para mim muito duros estes dias. Porém você me deu o estímulo que me faltava. Um milhão de graças". 11.2.2008

 

  • Certa manhã, bem cedo, quando me punha nas mãos de Deus, como fazia diariamente para executar a sua obra, senti a impressão de que devia visitar o hospital, ainda que não fosse dia regular de visita. Num catre da enfermaria, encontrei uma mulher em desespero. Ela ia ser operada no dia seguinte. Estava com muito medo. Esforcei-me por fazê-la sentir que Jesus estava com ela e que ela devia confiar nele e entregar-se aos seus cuidados. "Ele não falhará", disse eu. Depois de orar com ela, sai. Quando voltei lá outra vez, o rosto mais alegre de toda a enfermaria era o rosto daquela senhora. Ao aproximar-me de seu leito, ela me disse: "Pastor, eu fiz como o senhor me disse. Não tive medo algum". Não precisamos argumentar como Deus nos faz conhecer a sua vontade. O importante é que confiemos nele, seja qual for a circunstância. Ele nos mos­trará a sua vontade se o buscarmos em oração, em meditação, no estudo de sua Palavra e na comunhão com outros que estão buscando obedecê-lo. T. Stanley Cannon (Jamaica). 14.2.2008

 

  • Encontrava-se no hospital um soldado, à espera de uma operação melin­drosa. Avisaram-me que o caso era sério. O rapaz aguardava apreensivo. Quando raiou o dia, permanecia na expectativa do momento em que os enfermeiros o levariam à sala de operações. O seu coração estava desejoso de ter alguém que o acompanhasse. Exatamente naquele instante, entrou no quarto a enfermeira. Colocou ca­rinhosamente sua mão sobre a mão do rapaz e disse: "Não tenha medo. Você sabe da promessa: "Quando passares pelas águas, eu serei contigo; quando pelos rios, eles não te submergirâo; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti" (Is 43.2)? A seguir, ela se retirou para atender outro paciente. Aquela mulher nun­ca soube quanto suas palavras o ajudaram naquela hora. Sem receio, o solda­do foi para a sala de operações e de lá saiu para dedicar sua vida ao Salvador. F. S. Eitelgeorge (Missouri, E.U.A.). 14.2.2008

 

  • Após a batalha de Lookout Mountain, quando as tropas federais culmi­naram a região com irresistível ataque, o Gal. Grant, surpreso, mandou perguntar ao general Wood se ele havia dado ordem para o ataque. A resposta foi negativa. A mesma pergunta foi feita aos generais Hooker e Sheridan, e a respo­sta repetiu-se. O fato foi que os homens da tropa encheram-se de tal entu­siasmo, que se lançaram à luta sem que nada os impedisse. Eles se arrojaram ao combate, num desafio aos perigos e à morte. E, quando a vitória foi ganha, estavam cheios de admiração e de alegria. Quando a Igreja de Cristo estiver cheia de entusiasmo pela conquista do mundo, irá avante independente de seus líderes terrenos. J. Wilbur Chapman, "1.000 Evangelistic Ilustrations". 19.2.2008

 

  • Palavras que Bunyan (1628-1688) colocou nos lábios do Esperançoso: "Tenha bom ânimo, meu irmão. Sinto o fundo com meus pés. E firme". (John Bunyan, O Peregrino - Ilustra­do. SP: Mundo Cristão, 1993).

 

  • O Deus vivo não admitirá pessoas mortas no céu. 17.3.2008

 

  • Não se conhece um homem por sua animação, mas pela quantidade de sofrimento verdadeiro que ele é capaz de suportar. CT Studd. 17.3.2008

 

  • A história da França fala de Joana D'arc, uma jovem muito corajosa que viveu na primeira metade do século quinze. Mesmo tendo sido uma moça simples e do campo, desejou ver a França liberta do jugo da Inglaterra. Afirmando ouvir as vozes de santos dos céus, Joana D'arc creu que havia sido escolhida para libertar seu povo. Aos dezessete anos de idade, saiu de seu lar para cumprir essa tarefa. No princípio ninguém levava Joana a sério, nem acreditavam nas "vozes" que ela dizia ouvir, mas ela persistiu até que o rei e os militares franceses acreditaram nela. Ela recebeu uma armadura completa e uma cavalo para dirigir os esquadrões na batalha. Alguns dos comandantes franceses não queriam receber ordem de uma camponesa, mas só ganhavam a batalha quando a obedeciam. Joana era considerada um gênio militar. Sob sua liderança e entusiasmo contagioso, os franceses tomaram duas cidades em lugares estratégicos, e Carlos VII foi coroado e ocupou o trono. A história de Joana D'arc é um relato clássico do ânimo e da inspiração que uma pessoa pode transmitir. Como Joana D' arc, Débora encorajou os exércitos de sua nação em tempos muito sombrios e difíceis. (Os exemplos deJoana D'arc e Débora nos mostram como encorajar os outros com nossa vida e nossas palavras. Nunca se sabe quão grandes serão os seus efeitos. 18.3.2008

 

  • O diretor de um jornal de Londres, uma vez, realizou uma pesquisa com 100 homens importantes - nobres, membros do Parlamento, professores universitários, escritores e comerciantes. Ele perguntou: "Vamos supor que você seja levado à prisão por três anos e só pudesse levar consigo três livros, quais livros você escolheria? Por favor, relacione os livros pela ordem de importância." Sem contestar, 98 dos 100 homens colocaram a Bíblia em primeiro lugar em suas listas! Destes homens, poucos gostavam de religião, muitos nem freqüentavam igrejas, outros eram agnósticos ou ateus. Mesmo assim, eles sabiam que nenhum outro livro poderia trazer-Ihes ânimo e conforto em dias tenebrosos e difíceis. Revista da ABNB – A Bíblia No Brasil. 7.5.2008

 

  • Depois de visitar um albergue para desabrigados, um grupo de adolescentes não podia esperar até poder expressar o que haviam experimentado. Animados, escreveram sobre suas conversas a homens e mulheres de todas as idades que eram pobres e indigentes. Um adolescente escreveu: "Eu falei com um veterano do Vietnã e disse-lhe que no céu ele terá um corpo novo. Pude animá-lo na sua fé". Um outro disse: "Um homem contou-me que, embora estivesse vivendo num albergue para desabrigados, ter fé fazia toda a diferença". Ainda um outro escreveu: "Falei com um homem que quase deixou de crer em Deus. Eu tentei encorajá-lo na sua fé". Enquanto desejavam compartilhar a mensagem de reconciliação de Deus, esses adolescentes ficaram surpresos em ver que algumas das pessoas já conheciam a Deus. Foi superado o desconforto das diferenças que esses jovens descobriram pessoas que necessitavam da certeza de que Deus ainda estava cuidando delas. O papel dos adolescentes mudou: em vez de compartilhar as boas-novas, eles guiaram seus novos amigos a uma fé mais profunda. Ser "embaixador de Cristo" (2 Coríntios 5:20) abre portas de oportunidade tanto, para compartilhar o Evangelho, como fortalecer os que estão em lutas. Procure alguém, hoje, que precisa de encorajamento ou da "mensagem da reconciliação" (v. 19). 4.12.2008

 

  • Zig Ziglar, especialista em motivação, conta que quando era um menino, sua mãe lhe mandou abrir duas fileiras com uma enxada, para plantar feijão. Ele tinha cerca de oito anos de idade. Ela mostrou exatamente como queria que ele fizesse e lhe falou: "quando você terminar as covas e colocar os feijões, chame-me para que venha examinar se tudo está correto". Quando finalmente ele terminou o trabalho, seguindo as instruções dadas pela mãe, ele a chamou para verificar o seu trabalho. Quando ela chegou ao local, balançou a cabeça de um lado para outro e disse ao filho: "Bem, querido, creio que você vai ter que repetir sua tarefa. Para a maioria dos meninos estaria bom, mas você não é a maioria dos meninos, é meu filho. E meu filho pode fazer melhor do que isso". Temos nos contentado com o razoável? Ficamos satisfeitos com uma vida sem brilho, sem objetivos, sem sonhos? Conformamo-nos facilmente com o mínimo sem nos empenhar em buscar a excelência no viver? Necessitamos entender que não somos insignificantes, nem um número qualquer em uma relação existente. Somos filhos do Deus Altíssimo, herdeiros do Céu de glória. O Senhor nos garantiu que seríamos sempre mais do que vencedores e não devemos nos contentar senão com o nosso melhor. Precisamos nos empenhar em oferecer o nosso máximo, não por vaidade ou para conquistar notoriedade, mas para exaltar o nome de Jesus e para glorificar o nosso Pai celestial. Como filhos de Deus temos de testemunhar a transformação em nós operada pelo Espírito Santo; temos que demonstrar amor e alegria, esperança e fé. Devemos cantar em vez de murmurar, levantar depois de um fracasso e jamais desanimar, ter sempre uma palavra de consolo para aqueles que, prostrados, não encontram forças para seguir em frente. Deus nos diz com amor: "Você não é uma pessoa qualquer, é meu filho. Você deve fazer sempre o melhor." 20.2.2009

 

  • "O que move uma pessoa não são os músculos, e sim a força do pensamento". 1.4.2009

 

  • Uma atitude positiva pode fazer muito mais por você do que simplesmente levá-lo a um melhor humor. Jason Garcia1.7.2009

 

  • Após a batalha de Lookout Mountain, quando as tropas federais culminaram a região com irresistível ataque, o Gal. Grant, surpreso, mandou perguntar ao general Wood se ele havia dado ordem para o ataque. A resposta foi negativa. A mesma pergunta foi feita aos generais Hooker e Sheridan, e a resposta repetiu-se. O fato foi que os homens da tropa encheram-se de tal entusiasmo, que se lançaram à luta sem que nada os impedisse. Eles se arrojaram ao combate, num desafio aos perigos e à morte. E, quando a vitória foi ganha, estavam cheios de admiração e de alegria. Quando a Igreja de Cristo estiver cheia de entusiasmo pela conquista do mundo, irá avante independente de seus líderes terrenos. J. Wilbur Chapman, "1.000 Evangelistic Ilustrations 26.11.2009

 

  • Dê o encorajamento que você gostaria de receber e você receberá de volta o dobro do encorajamento que você deu. H.L Menken 27.11.2009

 

  • Não fique desencorajado; freqüentemente é a última chave do chaveiro que abre a porta. Jonathan Wood 9.2.2010

 

  • Auto-motivação é o poder que eleva um homem a qualquer nível que ele desejar. John Maxwell 10.2.2010

 

  • Uma senhora, já bem idosa, ouviu de um jovem rapaz: "Eu estou cansado de lutar. Tenho me esforçado muito para mudar a situação mas o mesmo acontece sempre -- eu acabo perdendo a batalha. Acho que devo desistir". "Não sei se você se lembra", disse ela sorrindo para o jovem com o semblante derrotado, "o Senhor mandou aquele pescador desanimado lançar novamente as suas redes no mesmo lugar onde ele havia pescado a noite inteira sem apanhar nada." Como tem andado o nosso estoque de fé e perseverança? Ele anda em baixa ou continua guardando o combustível de nossa esperança? Temos deixado que as lutas da vida abalem a nossa resistência ou nos mantemos firmes e certos de que nada poderá impedir nossas vitórias? Muitas vezes, como Pedro e os demais pescadores que experimentaram o insucesso naquela noite, pensamos em desistir de novas tentativas. Achamos que os nossos sonhos não poderão ser alcançados. Abaixamos a cabeça e nos conformamos com o fracasso. Mas o Senhor não conhece a palavra "derrota" e nos diz apenas uma coisa: "Vai e tente novamente". Já o fizemos e não conseguimos, mas agora é diferente! O Senhor nos mandou... Ele garante que desta vez não seremos derrotados! Glória a Deus por isso! Uma coisa é seguir uma estrada sozinhos e outra é seguir a mesma estrada ao lado de Deus. Uma coisa é tentar uma conquista por nossa própria força e outra é buscá-la na força do Senhor. Quando confio em mim mesmo poderei encontrar fracassos, mas quando confio no Senhor o resultado não poderá ser outro que não a vitória. Não desista nunca. 12.2.2010

 

  • Quando olho para o mundo eu me desencorajo, quando olho para dentro de mim eu me decepciono. Porém, quando olho para Deus, eu encontro real alento. Corrie Ten Boon 30.4.2010

 

  • Alexandre, o Grande, compõe a lista dos poucos homens que influenciaram consideravelmente a trajetória da história humana. Esse homem, que nasceu em 356 a.C., foi um grande imperador macedônio que conquistou importantes cidades no Oriente, e tornou-se temido, respeitado e prestigiado até pelos seus inimigos. O sucesso desse imperador deveu-se em grande parte à influência de sua mãe Olímpia, que o incentivou desde cedo a ultrapassar todas as limitações de um menino comum. O jovem acreditou que era alguém que nascera para impactar o mundo, e cresceu magnífico em estatura, poder e força, sendo educado nas artes da guerra e nas ciências físicas e naturais: matemática, filosofia, literatura, medicina e geografia. Em quase todos os casos o elogio e o incentivo dos pais contribuem para a formação da personalidade e da escolha profissional dos filhos. 30.4.2010

 

  • Uma mulher acordou uma manhã após a quimioterapia, olhou no espelho e percebeu que tinha somente três fios de cabelo na cabeça. - Bom (ela disse), acho que vou trançar meus cabelos hoje. Assim ela fez e teve um dia maravilhoso. No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e viu que tinha somente dois fios de cabelo na cabeça. - Hummm (ela disse), acho que vou repartir meu cabelo no meio hoje. Assim ela fez e teve um dia magnífico. No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que tinha apenas um fio de cabelo na cabeça. - Bem (ela disse), hoje vou amarrar meu cabelo como um rabo de cavalo. Assim ela fez e teve um dia divertido. No dia seguinte ela acordou, olhou no espelho e percebeu que não havia um único fio de cabelo na cabeça. - Yeeesss... (ela exclamou), hoje não tenho que pentear meu cabelo. 26.8.2010

 

  • Adaptando uma historinha que ouvi: Domingo de manhã, a esposa entrou voando no quarto e disse: "Vamos! Já está passando da hora de levantar. Já em pé!" E o som que saiu debaixo das cobertas foi um resmungo. A esposa puxou as cobertas e tornou a falar: "Vamos! Já está passando da hora!" Meio sonolento, o marido desafiou: "Ah! me dá pelo menos dois motivos dos bons para que eu saia desta cama quentinha!" A esposa pensou um pouco e disse: "Dois motivos? Pois eu vou lhe dar três motivos: o culto começa às nove! Já são quase nove! E você é líder!" Misericórdia!! 7.10.2010

 

  • Um missionário, retornando de férias à sua cidade, compartilhou as necessidades e anunciou que estaria recolhendo ofertas para missões estrangeiras. Um grande amigo seu lhe disse: "Muito bem, Andrew, vendo que é para você, eu darei 500 dólares". "Não", disse o missionário, "eu não posso aceitar o dinheiro já que sua oferta é motivada por ser para mim, seu amigo". Seu amigo, entendendo o que o missionário estava falando, disse: "Você está certo, Andrew, aqui está 1.000 dólares e eu estou dando porque vejo que é para o Senhor." A quem temos oferecido nosso amor cristão? Aos nossos amigos? Aos parentes? Às pessoas que nos tratam bem? 21/2/2011

 

  • Pode um jovem fuzileiro naval, tendo o corpo mutilado pelas modernas armas de guerra, se recuperar emocionalmente dos traumas e transformar uma derrota em vitória pessoal? O Tenente Clebe McClary conta sua corajosa história de reconstrução de uma vida destruída. Durante o tempo em que serviu no Vietnã, ele perdeu um olho e o braço esquerdo. Além disso, foi submetido a 33 cirurgias para poder manter o que restou de seu corpo. Atualmente, Clebe McClary está servindo no exército do Senhor, viajando pelo mundo, testificando de sua fé pessoal em Jesus Cristo. Sua vida mostra que ele, verdadeiramente, encarna o voto que fez ao entrar para a Marinha americana: "Qualquer missão a mim atribuída, será realizada da melhor maneira, não importam os obstáculos." O que tem sido necessário para me afastar de Deus? As dificuldades, as frustrações, as decepções, os obstáculos que aparecem a todo instante? O que pode tirar a nossa alegria? A falta de dinheiro, a perda de um cargo ansiado no emprego, a não realização de um antigo sonho? Onde está a nossa fé? Em que se baseia a nossa felicidade? Se nós abrimos o coração para o Senhor e nEle depositamos a nossa confiança, por que continuamos dependendo de sucesso pessoal e prosperidade para sermos vitoriosos e felizes? Ele é a nossa vitória! Ele é a nossa felicidade! Ele é a realização de todos os sonhos! Ele é a nossa razão de viver! Tudo o mais virá, na hora que Ele quiser e da maneira como Ele quiser. Se as lutas vierem contra nós, Ele está ao nosso lado e nada teremos a temer. Se tudo nos parecer difícil, Ele tem todas as soluções. Se nos sentirmos fracos pelas tempestades da vida, Ele nos fortalecerá e transformará os obstáculos em degraus para alcançarmos as bênçãos almejadas. Confie no Senhor! Não desanime jamais! 31-03-2011

 

  • Nenhuma batalha jamais foi ganha sem o poder do entusiasmo. John Lord O’Brian 13-06-2011

 

  • Ele estava lá, nadando na água fria, batalhando heroicamente contra as ondas. "Só meia milha mais", ele pensou, "e eu chegarei à margem." Suas braçadas estavam ficando mais fracas; ele erguia o braço com muita dificuldade. A praia estava só alguns metros à frente. Seus últimos esforços haviam sido demais: ele começou a ficar atordoado. Então, sua cabeça começou a nadar e levou-o para a orla. Muitas vezes a nossa vida se assemelha a do personagem de nossa ilustração. Lutamos contra as dificuldades e parece que nossas forças estão acabando. Insistimos e perseveramos na insistência. Não queremos desanimar, mas, tudo parece perdido. Tentamos dar um passo a mais e não achamos ânimo para isso. Nosso corpo nos manda parar, desistir,reconhecer a derrota. Nossa alma chora, lágrimas de frustração caem de nossos olhos, uma dor inquietante fere nossos corações, como espinhos angustiantes. Porém, somos filhos de Deus, amados do Senhor, separados para uma vida vitoriosa. No momento de maior aflição, nossa mente nos lembra de que nada impedirá a nossa vitória. Mesmo que não exista mais força espiritual, nossa fé nos faz nadar no mar das bênçãos de Deus e, quando tudo parece estar perdido, lá estamos nós, na orla da graça, na margem da alegria, no cais da vida abundante de Deus. 2/8/2011

 

  • Se aprendermos a falar sorrindo, teremos uma expressão de sucesso – uma pulga entusiasmada pode deixar um cachorro doido! 11/4/2012

 

  • "Para o verdadeiro sucesso, pergunte a si mesmo quatro questões: Por que? Por que não? Por que não eu? Por que não agora?" 15/10/2012

 

  • Sabe por que o retrovisor do automóvel é menor do que o párabrisa? É porque o caminho que tens pela frente é mais importante do que o que ficou para tráz. 15/10/2012

 

  • Pai e filho passeando na roça, gado no pasto e o menino, observando, pergunta: - Pai, esta vaca é crente? (a vaca tava lá de cabeça baixa, cara de que comeu e não gostou...). - Por que, filho? É que a cara dela parece com as dos crentes lá da igreja.17/10/2012

 

  • Uma mulher européia, da alta sociedade, estava em um safári na África. O grupo parou rapidamente em um hospital para leprosos. O calor era intenso e haviam moscas zumbindo por toda a parte. Ela reparou em uma enfermeira curvada em meio a muita sujeira, cuidando das feridas de um leproso. Com desdém a mulher comentou: "Ora, eu não faria isso nem por todo o dinheiro do mundo!" A enfermeira, tranquilamente lhe disse: "Nem eu". Há muitas coisas que fazemos apenas por amor ao Senhor. Não há maior felicidade do que estar diante de Deus para cumprir a Sua vontade. Quando nos apresentamos junto ao Seu altar e lhe dizemos: "Eis-me aqui", o nosso coração se enche de júbilo e a nossa vida passa a ter um novo sentido. Nenhum dinheiro neste mundo seria capaz de nos dar a alegria de uma vida com Deus. O dinheiro não pode nos fazer amar aos que nos perseguem, não pode nos dar paz quando o barco de nossa vida enfrenta tempestades, não pode comprar uma passagem para o Céu de glória. Tudo isso obtemos apenas pelo amor do nosso Senhor e está à disposição tanto dos ricos como dos mais pobres. Podemos não aceitar cuidar das feridas de um leproso mesmo por muito dinheiro. Podemos não aceitar deixar a casa confortável de nossa família para ir morar em uma cabana de palha nas selvas com o propósito de salvar os nativos locais, também por muito dinheiro. Podemos não deixar um emprego excelente, com alto salário, apenas para iniciar uma vida missionária sem qualquer remuneração. Mas quando somos tocados pelo amor do Senhor, não relutamos em fazer cada uma dessas coisas com grande satisfação. O nosso coração se enche de prazer e o que parecia não nos interessar, agora é a maior motivação de nossas vidas. O amor de Deus tem colorido a sua vida? 20/03/2013

 

  • A principal personagem do filme "Carruagens de Fogo" caiu na sua mais importante corrida. Ele estava machucado e desanimado, mas levantou-se e continuou a correr, não só concluindo a corrida, mas também ganhando-a. Mesmo quando tropeçamos, mesmo quando caímos, ainda podemos nos levantar e correr. Você ainda pode ganhar a corrida, pois ela ainda não acabou. Só acabará quando soar o sinal de término. Alguns de nós podem ter tropeçado. É normal cairmos na corrida da vida. Ou, talvez, tenhamos sido desencorajados; ou, ainda tenha nos acontecido algo muito sério que nos fez desistir. Mas, lembre-se: nunca é tarde demais para se levantar e começar a correr novamente. 19/07/2013

 

  • Uma das mais importantes lições de John Maxwell sobre o que fazer para conquistar as pessoas é que, nos primeiros 30 segundos de conversa, você deve dizer algo encorajador. 18/07/2016

 

  • Certa vez, alguém me disse o seguinte: 'Seja gentil... cada pessoa que você conhece está lutando sua própria batalha.' Todos precisam ouvir algo de bom, um elogio estimulante para despertar suas esperanças e seus sonhos. Não custa nada fazer isso, e o resultado é extremamente positivo." 18/07/2016

 

  • A nossa maior motivação como cristãos deve ser: agradar a Deus, satisfazer o desejo de Deus, fazer com que Ele sinta prazer em nós. 31.10.2019